RallyCross é uma competição muito bacana: são corridas eletrizantes, rápidas e pegadas em percursos de superfície mista, que combinam trechos de asfalto e terra. Isso permite disputas acirradas entre os pilotos, que pulam, deslizam e fazem um verdadeiro espetáculo para os fãs. 

Com uma receita dessas e nomes como Ken Block – que usa seu carro de RX em seus vídeos da série Gymkhana – e Tanner Foust, fica bem fácil explicar porquê a categoria foi uma das que mais cresceu em 2016.

Agora, a Red Bull, organizadora de um dos maiores campeonatos de rallycross do mundo, não quer perder tempo e já se prepara para o futuro com o anuncio de que, a partir de 2018, o Red Bull Global Rallycross terá uma categoria específica para carros elétricos – e que deverá ser mais legal de assistir do que a Fórmula E. Se você não conhece o maravilhoso mundo do RX, é só dar uma olhada nesse vídeo:

“Nossos motores pequenos, turbinados e de alta potência permitiram que as montadoras mostrassem a capacidade de performance de seus carros voltados para o público ‘millenial’ e dar uma palinha do futuro animador da indústria automotiva”, afirmou Colin Dyne, CEO do campeonato GRC. “A nova categoria elétrica vai dar um dinamismo que nunca vai substituir a fórmula atual, mas será uma parte importante da nossa expansão”.

Com carros que tem em média 600 cavalos de potência, não há qualquer dúvida de que a entrega instantânea de torque por parte dos propulsores elétricos deverá ser algo bem interessante de ver – além dos saltos, batidas e tudo mais. A única parte realmente estranha vai ser lidar com o silêncio dos veículos.