Um tema recorrente entre os fãs de jogos de corrida é se eles podem ser equivalentes à experiência real. Diversas opiniões estão aí pela internet, mas a fabricante de óleo para motores de alta performance Castrol resolveu dar um passo a frente e lançar o desafio "Clone Rival", que consistiu em colocar dois carros raríssimos para disputar contra suas versões virtuais.

A ideia era colocar o piloto Darren Turner para pilotar um Aston Martin Vulcan em um simulador e depois, com base em seu melhor tempo, fazê-lo competir com a versão de verdade – uma das 24 produzidas. Turner já foi piloto da equipe oficial da montadora britânica e vencedor das 24 Horas de Le Mans em duas ocasiões em sua categoria. Além disso, ele tem sua própria empresa de simuladores profissionais.

O Vulcan conta com carroceria de alumínio e fibra de carbono e tem um motor V12 que produz 800 cv de potência, mas só pode ser utilizado nas pistas. Para ter um, você tem que desembolsar algo em torno de R$ 8,5 milhões.

A coleta de informações foi realizada através de um simulador da empresa britânica Rewing, e os caras fizeram até um vídeo de making of. De qualquer forma, ver – e ouvir, principalmente – um Aston Martin Vulcan voando baixo na pista de Ascari, na Espanha, é simplesmente espetacular. No fim, Turner vence seu doppelganger virtual por 1,1 segundo.

Se não bastasse a primeira experiência, a Castrol fez algo muito parecido, mas dessa vez utilizando um verdadeiro foguete sueco: o Koenigsegg One:1, batizado assim por pesar 1.360 kg e ter potência de 1.360 cv, gerando uma proporção de peso x potência de 1:1. Ele é ainda mais raro que o Aston Martin, já que apenas seis unidades foram produzidas.

No volante, tanto na versão virtual como na real, estava Christoffer Nygaard, o piloto de testes da Koenigsegg – que, inclusive, já dividiu o volante de um Aston Martin de corrida com Darren Turner.

A corrida de Nygaard foi ainda mais acirrada, com ele conseguindo bater sua performance virtual por apenas 0,8 segundo.