Se você acha que ainda estamos distantes de ter veículos autônomos dirigindo por aí, é melhor pensar de novo. Isso porque, enquanto diversas empresas de tecnologia estão apenas nos primeiros passos de criar carros que dirigem sozinhos, várias empresas famosas como a Volvo, a Scania e a Daimler colocaram caminhões autônomos para dar algumas voltinhas pelas estradas da Europa.

O caso foi resultado de uma iniciativa conjunta de várias fabricantes de caminhões no desafio European Truck Platooning, que reuniu veículos vindos de diversas regiões europeias em uma viagem para fazer “entregas” em Rotterdam e na Holanda. A ideia, com isso, é mostrar as vantagens que tecnologias como essas podem oferecer para o mercado.

Para aqueles curiosos em ver os caminhões em operação, basta conferir o vídeo abaixo:

Mesmo com um objetivo tão ambicioso, parece que tudo acabou bem. A jornada foi incrivelmente longa para alguns dos veículos (um dos caminhões, por exemplo, percorreu mais de 2 mil km de asfalto), mas teve um fim bem-sucedido na última quarta-feira (6), uma semana depois de partirem de suas bases.

As vantagens de um bom trabalho em equipe

Muitos leitores, a esse ponto, podem estar se perguntando quanto às vantagens de usar caminhões autônomos. A resposta está em uma técnica simples, chamada platooning (algo como “criar pelotão”, em uma tradução livre), que coloca os veículos para se moverem em um único comboio de maneira unida e organizada.

Uma vez que todos se mantêm próximos, apenas o primeiro deles no comboio recebe toda a resistência do ar, enquanto o resto se desloca sem precisar de tanto esforço e economiza combustível no processo. Esse método, vale notar, é algo comum de ser feito nas estradas por motoristas.

Graças ao controle autônomo, é possível levar isso a um nível completamente diferente de eficiência na técnica. Isso porque, uma vez que estão conectados uns aos outros via WiFi, os caminhões conseguem se manter a uma distância exata do resto do comboio, se aproveitando da menor resistência do ar gerada pelo veículo à frente dele com ainda mais perfeição, gerando até 15% de economia de combustível no processo.

Não se limitando a isso, a ausência de uma pessoa também evita que acidentes ocorram por falha humana – que é um dos maiores causadores de incidentes. Ao mesmo tempo, o controle mais preciso reduz a congestão das pistas, segundo um estudo feito pela firma de pesquisa TNO. Junte tudo isso, e a previsão é de que, através do platooning, dois caminhões autônomos possam economizar 6 mil euros (25 mil reais) a cada 100 mil milhas percorridas.

Longe de chegar às pistas, por enquanto

Por mais que esses veículos já tenham se provado prontos para entrar em operação, essa tecnologia ainda tem um enorme obstáculo a ultrapassar. Estamos falando, é claro, de toda a burocracia envolvida em sua legalização.

Segundo o site Quartz, há um bom número de obstáculos a serem enfrentados, por enquanto. As companhias, por exemplo, têm de trabalhar juntas para encontrar um padrão comum em seus sistemas, para que todos os comboios consigam interagir via WiFi e se conectar a um mesmo pelotão. Além disso, as empresas devem encontrar uma maneira de se adequar às mais variadas regulamentações exigidas pelos países por onde seus caminhões passarem.

Ainda mais companhias devem começar a se unir ao projeto de caminhões autônomos em 2017

Com isso, não adianta ter esperanças de ver caminhões autônomos levando suas cargas pelas estradas tão cedo: na melhor das hipóteses, espera-se que as empresas aceitem um roteiro de desenvolvimento para colocar esses veículos em operação dentro dos próximos cinco anos.

Quanto tempo falta para os veículos autônomos chegarem ao público? Comente no Fórum do TecMundo