Se você acompanha os artigos de fotografia aqui no Baixaki, provavelmente leu o último artigo sobre fotografia de grupos, explicando um pouco do básico para se obterem boas fotos de grupos grandes ou pequenos. Porém aquele artigo era só o começo, já que explorou apenas conceitos essenciais para esse tipo de retrato. Agora você vai descobrir um pouco mais sobre os específicos, pensando em diversas ocasiões e em vários lugares diferentes.

A ideia aqui é dar algumas dicas que sirvam de base para você melhorar seus resultados, então não se prenda apenas ao que é mostrado no artigo. A partir dos exemplos que você encontrar no decorrer deste material, use sua criatividade e combine diversos elementos, altere técnicas dentro do que faz você se sentir confortável. Liberdade, criatividade e experimentação são as palavras de ordem quando se fala de fotografia – seja ela profissional ou amadora.

Salto familiar, por Evil Erin.

Relembrando

Para reforçar o básico abordado no primeiro artigo dessa série, vale recordar alguns fatores essenciais para uma boa fotografia de grupo.

  • Luz: sem ela não há fotografia, e com atenção e cuidado pode-se aproveitar praticamente todo tipo de iluminação para ressaltar os efeitos desejados.
  • Grupos pequenos: variando de duas a aproximadamente cinco pessoas, são mais fáceis de fotografar, e permitem maior criatividade.
  • Grupos grandes: normalmente só existem em eventos oficiais, e são bem complicados de retratar, mas com bom senso e jeito, oferecem fotos incríveis.

O outro ponto comentado no artigo inicial era a escolha do lugar onde fotografar. Como essa é a variável mais inconsistente de todo o projeto de fotografar grupos, é no “onde” que esse artigo se baseia. Vale lembrar que, mesmo focado em fotografia de grupos, muito do que é dito aqui também pode – e deve – ser usado para retratos individuais.

Na cidade

Urbana, por Egor Gribanov.Existem várias maneiras de se fotografar na cidade mas, para o objetivo desse artigo, uma das principais é a fotografia de rua. As ruas apresentam várias dificuldades para fotografar. Carros, bicicletas, outras pessoas são as mais óbvias, mas deve-se sempre prestar atenção também à iluminação e às sombras. Se você tiver a sorte de encontrar uma rua visualmente bonita e que não tenha muitos prédios e outras barreiras de luz, aproveite! Caso não tenha como fugir dos prédios, tente incluí-los nas suas imagens aproveitando reflexos nas janelas, por exemplo.

Outra possibilidade interessante e que pode gerar contrastes bacanas é fotografar em um parque ou praça. Com o entorno urbano, as áreas verdes desses lugares acaba se tornando um pano de fundo especial para retratos, com resultados muitas vezes mais bonitos do que se houvesse apenas um dos ambientes na foto.

Em casa

Seja em uma festa de família ou em uma reunião de amigos, o ideal é trabalhar com a própria iluminação do ambiente, mesmo que isso signifique usar um ISO um pouco mais alto do que o normal. Cuidado para não acrescentar ruído demais na sua foto devido à sensibilidade exagerada (ISO 1600 para cima, na maioria das câmeras profissionais e semiprofissionais, ou a partir de 800 em compactas).

Nada de fotos com todo mundo enfileirado e olhando para a câmera, certo? Existem várias possibilidades de explorar os espaços da casa para obter resultados interessantes. Procure um lugar bonito, como uma salinha de estar em que as pessoas possam interagir, e tente fotografar situações naturais. Com um pouco de prática você vai perceber que o resultado desse tipo de imagem é muito mais representativo.

Xing Fu - o amor de uma família, por JasonDGreat.

Para a “foto oficial” que sempre exigem – principalmente em festas de família – vale a pena dispor todo mundo ao redor do parente mais idoso – em um sofá ou na mesa de jantar – mas sem colocar todo mundo lado a lado. Na foto acima, por exemplo, a família faz um círculo em torno dos avós, mais ou menos em formato de coração, graças às diferenças de altura entre as pessoas.

Também é importante lembrar que mesmo em casa você pode encontrar espaços abertos – um quintal, jardim, áreas comuns de condomínios etc – que podem servir como locação para fotos mais descontraídas, como o salto coletivo que abre este artigo.

Na balada

Fotografar dentro de um ambiente lotado de gente e com iluminação bem longe da ideal significa passar aperto para conseguir boas imagens. Mas é perfeitamente possível consegui-las, ainda bem. Alguns cuidados são necessários, claro, mas nada muito complicado.

Casal em clube noturno, por machismtango.Antes de todo o resto, o flash. É quase impossível – perceba bem o “quase” – fotografar em uma danceteria sem usar flash. Mesmo como iluminação de apoio, a lâmpada da câmera permite conseguir resultados pelo menos aceitáveis. Cuidado com a sensibilidade (ISO) selecionada na câmera, pois flash muito forte e sensibilidade alta significam foto estourada.

O ideal nesse tipo de situação é reunir grupos pequenos para fotografar, pois isso permite que a luz do flash faça seu serviço corretamente. Com grupos grandes, os extremos sempre estarão menos iluminados. Uma boa sacada para esse grupo pequeno é tentar poses diferentes, fora do “abraçados na balada” que você encontra na maioria dos sites de cobertura de festas, como essa foto ao lado.

Um outro tipo de foto interessante – mas não tão fácil de conseguir, já que exige equipamento um pouco mais complexo – é a foto da pista, destacando seus amigos. Com o flash relativamente fraco, e um tempo de exposição mais longo, você consegue aproveitar a própria iluminação do lugar para obter um efeito de luz especial, mostrando bem o agito e – graças ao disparo da lâmpada – também deixando bem nítidas as pessoas que você quer na foto.

Na pista de dança, por machismtango.

Pronto, essa foi uma visão bem rápida sobre algumas maneiras de aproveitar melhor o espaço onde você vai fotografar para enriquecer suas imagens. Continue ligado que outras dicas como essas vão aparecer no Baixaki mais adiante!

Cupons de desconto TecMundo: