Os avanços tecnológicos proporcionam mais comodidade, conforto e praticidade para nosso cotidiano. Basta observar as previsões para os novos eletrônicos e acompanhar a evolução destes mesmos aparelhos.

A Nintendo inovou com a criação Wii, mas a Electronic Entertainment Expo (E3) 2009 mostrou que os videogames podem ir além. A gigante Microsoft deixou gamers do mundo inteiro boquiabertos com o anúncio do Project Natal, a verdadeira integração com o Xbox 360 e eliminação da necessidade de utilizar controles. Para saber o relatório completo, acesse o artigo: Microsoft revoluciona a forma de se jogar videogame.

Do celular "tijolão" até o novo iPhoneE o que comentar dos aparelhos celulares? Eles surgiram com a simples função de fazer e receber chamadas telefônicas. Agora, aqueles velhos aparelhos são apelidados de “tijolão”, porque os modelos atuais estão cada vez menores e mais finos, apesar dos inúmeros recursos como câmera fotográfica, player de áudio e vídeo, conectividade à Internet e até mesmo a possibilidade de efetuar pagamentos através deles.

Agora, imagine uma tecnologia que tivesse como objetivo a transmissão de dados e informações entre dois dispositivos, de forma instantânea, que permitisse ao indivíduo, por exemplo, exibir vídeos contidos em uma máquina digital na tela de sua televisão, ou ainda obter informações sobre bens de consumo e até mesmo comprá-los através do seu próprio celular, e tudo isso sem a menor necessidade de fios. Como isso é possível? É o que tentaremos explicar neste artigo que fala sobre a “Near Field Communication”.

Comunicação instantânea e sem fio

Desenvolvida em uma parceria entre as gigantes Sony e Phillips, a chamada “Near Field Communication” (NFC, comunicação em área próxima) permite a comunicação, leia-se troca de dados, entre dois dispositivos eletrônicos compatíveis que estejam a poucos centímetros de distância ou encostados, de forma extremamente rápida e segura. No caso, primeiramente haveria a identificação de um dispositivo pelo outro e em um segundo momento ocorreria a transmissão dos dados, efetivamente.

Imagine como seria útil possuir tal tecnologia acoplada ao seu mp3 player de bolso e ao seu computador. Assim, quando quisesse transferir algumas de suas músicas preferidas do computador para o player, ou vice versa, bastaria encostar os dois aparelhos e como em um toque de mágica seria disponibilizada a você, tal possibilidade. Com certeza seu cabo USB agradeceria a você pelas férias permanentes dadas a ele.

Além disso, a tecnologia ainda pode muito bem ser utilizada para facilitar suas compras. O vídeo abaixo exibe cinco situações que transmitem como isso funcionaria no dia-a-dia.

O jovem compra ingressos para o show de uma banda através de um cartaz na parede do bar. O aparelho telefônico funciona como um cartão de crédito/débito para efetuar o pagamento. Mais tarde ele encontra um amigo e transfere informações instantaneamente para o outro celular.

Finalmente no show, o rapaz encosta o celular no leitor da catraca para liberar sua entrada. Ele vai até a loja com os produtos da banda e compra uma camiseta pelo dispositivo. Já na saída, depois de curtir as músicas que foram tocadas, ele encontra um cartaz com as datas das próximas apresentações. Bastou ele aproximar o celular no leitor para conseguir as informações.

Vantagens

Como a operação é feita a uma distância curtíssima entre os aparelhos (de 0 a 15 cm), o indivíduo possui o controle da situação, pois ela somente será iniciada se os dispositivos estiverem praticamente encostados. Exatamente por isso, não há como outra pessoa capturar os dados transmitidos durante a operação.

É interessante observar que em alguns países da Europa e da Ásia a tecnologia já é utilizada em diversas situações do cotidiano, como por exemplo, para o pagamento da tarifa de transporte no metrô.

NFC permite a transferência de dados sem fios

NFC no futuro

Quem sabe como será aplicada essa comunicação no futuro, afinal, a tecnologia não parece encontrar obstáculos para evoluir. Pensando assim, talvez as chaves comuns pudessem ser substituídas: no lugar de trincos e fechaduras, existiriam leitores de chaves eletrônicas.

Também se pode imaginar em carteiras de identidade eletrônicas e você apresentaria uma espécie de cartão quando o segurança pedisse seu documento para entrar em algum bar.

As cenas de filmes como Minority Report e Quinto Elemento pareciam ficção demais para os espectadores. Porém, analisando o histórico dos equipamentos eletrônicos, percebe-se que aquelas imagens do cinema não estão tão distantes assim da vida real.