Você costuma trocar de operadora de telefonia celular com frequência? Se sim, basta qualquer alteração no pacote que você assina? Ou permanece com a mesma durante anos, independente das adversidades?

Esse tipo de pergunta fez parte do último estudo realizado pela empresa de consultoria GfK na América Latina. A pesquisa constatou que o brasileiro é considerado "mercenário", ou seja, tende a trocar de operadora quando fica sabendo da existência ou recebe qualquer oferta de uma empresa melhor.

O estudo concluiu que 52% da população entra no perfil "mercenário", ou seja, que mudaria de operadora em todos os cenários apresentado pelo questionário. O número de "leais" (que não trocariam por nada) é bastante baixo: somente 5%.

Entendendo os apelidos

Antes que você saia xingando a GfK por ser chamado de "mercenário", é preciso entender o que esse termo significa para a empresa: o brasileiro topava mudar se o pacote oferecido fosse de mesma velocidade que o atual, porém sob um preço menor — junto com descontos atrativos na aquisição de dispositivos de geração mais avançada.

Ou seja, o leal seria o sujeito que recusasse até mesmo essas ofertas tentadoras. Segundo a pesquisa, entretanto, somente 19% dos entrevistados brasileiros mudaram de operadora nos últimos 12 meses.

Foram entrevistados também voluntários de Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, México e Peru. A maior taxa de mercenários foi no Peru (59%) e a menos na Argentina (35%). Já os leais são os chilenos (16%), enquanto a menor taxa de lealdade foi encontrada no México (3%). Além disso, 20% dos colombianos alegam terem trocado de operadora no último ano.

Cupons de desconto TecMundo: