(Fonte da imagem: Reprodução/Wikimedia Commons)

O governo brasileiro está com planos bem avançados de colocar três novos satélites geoestacionários no espaço. Esses equipamentos teriam funções voltadas às comunicações governamentais estratégicas e militares, o que permitiria que as forças armadas deixassem de utilizar satélites da Embratel — o que ocorre atualmente com dois equipamentos. E eles seriam colocados em órbita até 2026.

Segundo a Agência Brasil, Caio Bonilha (presidente de Telebras) e Edwin da Costa (assessor do Ministério da Defesa) informaram que a meta do governo brasileiro é a de lançar um novo satélite a cada cinco anos, já que a vida útil desses equipamentos é de apenas 15 anos. O primeiro seria colocado em funcionamento em 2016 e ficaria ativo até 2031, quando um novo equipamento o substituiria.

Este primeiro satélite não será construído por empresas brasileiras e também não será lançado por aqui. A participação brasileira estaria apenas no gerenciamento, que será feito pela Visiona (uma parceria entre Embraer e Telebras). Quando estiver ativo no espaço, o satélite terá as comunicações civis controladas pela Telebras e as militares pelo Ministério da Defesa. Vale dizer que os dois postos de operação ficarão em bases militares.

A Agência Brasil ainda informa que os equipamentos vão trabalhar em três faixas diferentes. Uma delas é nacional (abrangendo todo o país), outra é regional (cobrindo América do Sul, Central e parte dos oceanos Atlântico e Pacífico) e a terceira é móvel (podendo variar a área de suporte de acordo com a demanda do governo brasileiro). Não foram informados mais detalhes sobre os outros satélites  que devem ser lançados até 2026.

Cupons de desconto TecMundo: