Enquanto o Ethereum vem sofrendo alguns reveses após uma ascensão meteórica ao topo, uma das criptomoedas mais populares do mundo pode voltar a render alguns bons trocados aos seus proprietários. Se depender das projeções feitas pela Goldman Sachs, o Bitcoin muito em breve pode ter uma valorização acima dos 50% e chegar bem perto dos US$ 4 mil (R$ 13,2 mil).

A analista Sheba Jafari explica em entrevista ao portal CNBC que isso deve ser o reflexo de uma quinta leva de altas do Bitcoin cujo pico deve superar o da atual onda – iniciada entre 2010 e 2011. Se os seus dados e gráficos estiverem corretos, a moeda pode bater a marca de US$ 3.915 (cerca de R$ 13 mil) e superar em 52% a sua cotação atual de US$ 2.567 (R$ 8,5 mil).

Desempenho da moeda no último trimestre

A projeção pode restabelecer a confiança de parte do público no Bitcoin

Esse pode ser um marco considerável para a criptomoeda e a prova que ela ainda tem um longo caminho pela frente, mesmo que outros concorrentes de peso surjam ao longo do percurso. Além disso, a projeção pode restabelecer a confiança de parte do público no Bitcoin, já que, desde que ele atingiu a sua máxima histórica em junho deste ano – US$ 3.025,47 (pouco mais de R$ 10 mil) – houve um período de grande instabilidade e queda até que tudo voltasse ao patamar atual.

Na ocasião, a moeda passou rapidamente da faixa dos US$ 3 mil (R$ 9.9 mil) para cerca de US$ 2.185 (R$ 7,2 mil). Felizmente, isso não impediu que o Bitcoin ganhasse fôlego mais uma vez, fechasse o mês de junho no positivo e acumulasse um aumento total de 158% em 2017 até o momento. Seja qual for o futuro da moeda, não deixa de ser interessante ver como cada vez mais os “peixes grandes” do mercado financeiro estão voltando seus olhos para ela. Ou alguém aí imaginava conferir um relatório da Goldman Sachs sobre o Bitcoin há alguns anos?

Cupons de desconto TecMundo: