É uma regra geral: pessoas de grande destaque são bem mais reconhecidas por eventuais erros e tropeços do que por grandes conquistas. Esse é o caso de Bill Gates, que fundou a Microsoft e construiu um império da informática, mas sofre duras críticas e brincadeiras até hoje por opiniões ditas por ele em diferentes épocas.

Atuando apenas como executivo na Microsoft e gerenciando a Bill & Melinda Gates Foundation (entidade filantrópica que mantém juntamente com a esposa), o homem por trás do Windows vê hoje várias de suas ideias ditas em 1995 chegando agora ao mercado – e muitas outras bem longe de acontecer.

(Fonte da imagem: Flickr / World Economic Forum)

Afinal, os críticos pegam pesado, é verdade, mas não deixam de ter um pouco da razão: Gates já desferiu pérolas como “1 GB  é espaço demais para guardar emails”, “o spam irá desaparecer” e “640 KB de memória em um computador pessoal é o suficiente para qualquer pessoa”.

Mas ele também é considerado a pessoa mais influente na área de tecnologia pela Forbes, por exemplo, além de, acredite, dar chutes certeiros sobre novos aparelhos e tendências atuais no mundo dos computadores. O Tecmundo mostra a seguir alguns desses acertos – e o porquê de Bill Gates ainda merecer tanto respeito.

O computador-carteira

Gates nunca parou de opinar sobre a internet. Mesmo assim, 1995 é um ano especial: ele lançou “A Estrada do Futuro” (“The Road Ahead”, no original), um livro que tem como assunto a revolução que a informática estava passando, quando se consolidava como um meio de comunicação capaz de influenciar todo o cotidiano de seus usuários.

(Fonte da imagem: Divulgação / Microsoft)

Foi nele, por exemplo, que surgiu o conceito do computador do tamanho de uma carteira, que caberia perfeitamente no bolso do usuário. Através desse dispositivo, seria possível verificar emails, calendários, previsão do tempo, notícias em geral ou pesquisar coisas aleatórias pela rede.

Atualmente, não temos exatamente a miniatura de um computador, mas os smartphones e tablets realizam todas essas (e mais algumas) funções que também se aplicam aos PCs. Ponto para o Bill.

Muito antes da rede social

A maior moda da internet nos dias de hoje também foi pedra cantada por Gates. Ainda em “A Estrada do Futuro”, ele afirma que a ligação entre as pessoas, apesar da distância física, ficaria cada vez menor. Tudo isso por causa da tal estrada virtual da informação.

Através da troca de mensagens por esse canal, seria possível fazer novos amigos e conhecer pessoas com quem você nunca havia conversado antes. E essas amizades virtuais seriam apenas um primeiro passo para que essas pessoas se encontrem pessoalmente, formando uma sociedade conectada entre si também pelo mundo real.

Esse conceito pode ser facilmente aplicado em qualquer site de relacionamento atual, como o Orkut e o Facebook. Apesar de nem todas as amizades passarem para a vida real, vários laços pelo mundo foram construídos inicialmente pela rede.

A câmera em miniatura

Na década de 1990, a transmissão em vídeo ainda estava em desenvolvimento nos computadores, com a integração entre esses equipamentos ainda sem uma popularização completa. Aí entra a previsão do fundador da Microsoft, que apostou em pequenos dispositivos de vídeo que funcionariam online, através de câmeras acopladas em computadores ou outras telas.

Desse modo, seria possível trocar informações com outras pessoas e obter imagens de boa qualidade, tudo por um preço baixo.

O resultado? Pouco tempo depois, o mundo conheceu a webcam, que hoje é um acessório barato e quase indispensável para a comunicação online, sendo incorporada automaticamente em quase todos os modelos atuais de notebooks.

Novos formatos de distribuição

Com o avanço das tecnologias, o modelo de distribuição de alguns produtos seria obrigado a mudar. Em seu livro, Gates sugere que as gravadoras armazenariam suas músicas em um servidor na tal “estrada da informação”. Ironicamente, quem melhor aproveitou isso no futuro foi Steve Jobs, com o iTunes.

Além disso, ele também apostou em uma tecnologia que engatinhava na época e que apenas hoje começa a ganhar o devido respeito: os e-books.

Para ele, melhorias na tela e na computação em si, aliadas com o menos peso dos aparelhos portáteis, traria uma forma universal de leitura digital. Tablets e produtos mais específicos, como o Amazon Kindle, por exemplo, são provas desse sucesso.

(Fonte da imagem: Divulgação / Amazon)

E mais: Gates ainda alertou que esse paraíso de produtos poderia se tornar um inferno para as produtoras, caso elas não tomassem um extremo cuidado. O motivo? A pirataria poderia facilmente tomar conta desse mundo. E tomou.

Integração é a chave

Alguns dos palpites foram baseados na ideologia da empresa. O suporte e o incentivo ao uso de vários formatos de arquivos, por exemplo, fazem parte de um ideal da Microsoft frente ao mercado digital.

Publicar arquivos na internet em extensões que possam ser lidas por Mac e Windows seria ideal, mas não era algo comum até então. Para Gates, era importante incentivar essa política, pois ela seria de grande importância no futuro.

Hoje em dia, temos um número imenso de aplicativos capazes de integrar ambos os sistemas, estreitando as relações de duas empresas que sempre pareceram tão distantes.

O que está por vir?

Enquanto algumas das previsões de Bill Gates tornaram-se realidade – e outras não passaram de sonho ou ficção científica -, o empresário continua na espera. Afinal, alguns palpites recentes ainda podem se tornar realidade (ou não) nos próximos anos.

Segundo ele, sendo otimista, daqui a dois anos o mercado será inundado com produtos touchscreen. Em 2008, quando o chute foi feito, alguns produtos já contavam com esses recursos, mas Gates fala em popularização.

Dezenas de milhões de pessoas vão ouvir música, tirar fotos e acessar a rede apenas com o movimento dos dedos na tela. Os tablets seriam a forma de computador mais vendida no mundo, mais até que notebooks ou desktops.

Além disso, ele ainda aposta na força do Bing, o buscador da Microsoft. Gates não deixa de elogiar o trabalho da Google, mas acredita que as pessoas ficarão surpresas com o trabalho que sua empresa pode realizar na área.

Por fim, sobre compras online, que hoje já abocanham uma grande fatia das vendas totais de algumas lojas, ele vai longe: muito mais do que um código de rastreamento dos Correios, será possível acompanhar por videoconferência todo o processo de entrega, desde o empacotamento até o transporte de seu produto.

...

Se algumas dessas previsões vão realmente se concretizar ou apenas vão se juntar aos vários erros de Bill Gates, só o tempo pode nos dizer. Mas, pelo menos, já não é possível afirmar que o fundador da Microsoft apenas divaga em suas adivinhações.

E você, acredita que as previsões de Bill Gates podem se concretizar? Se não, o que o futuro nos reserva na área da internet, que nem um dos homens mais poderosos da área de tecnologia foi capaz de adivinhar?