Aos 94 anos de idade, John B. Goodenough já poderia ter se considerado satisfeito com o legado que deixou para a humanidade: a criação das baterias de íon-lítio. No entanto, o professor da Universidade do Texas continua ativo e, recentemente, anunciou a criação de uma alternativa melhor à sua antiga invenção.

Em parceria com a pesquisadora sênior Maria Helena Braga, da Cockrell School, e de um pequeno time de cientistas, ele ajudou a criar uma bateria em estado sólido mais segura que as opções de íon-lítio. A novidade também é capaz de armazenar o triplo de energia, que pode ser carregada em questão de poucos minutos (em vez de horas). A solução também é capaz de suportar uma quantidade muito grande de ciclos de carga e descarga.

Ao apostar em vidro sólido, as novas baterias não formam dendritos

A nova tecnologia funciona a partir do uso de eletrólitos de vidro, que substituem os líquidos usados na solução de íon-lítio. Ao apostar em vidro sólido, as novas baterias não formam dendritos, elemento responsável por criar os curtos-circuitos nos componentes atuais que, eventualmente, resultam em incêndios.

Para completar, a solução é capaz de operar em temperaturas abaixo de 20 graus Celsius negativos. Atualmente, Goodenough e sua equipe buscam parcerias com fabricantes interessados em testar a nova tecnologia em veículos elétricos e sistemas de armazenamento de energia, com a esperança de que um dia a solução substitua totalmente a invenção mais antiga do cientista.

Cupons de desconto TecMundo: