Recentemente, a Força Aérea Brasileira (FAB) realizou a aquisição de 36 caças Gripen NG fabricados pela empresa sueca Saab. Os aviões a jato só serão entregues em 2019 e vão custar cerca de US$ 5,4 bilhões (cerca de R$ 13,9 bilhões na atual cotação), sendo que existem poucos detalhes sobre as transações confirmados até agora. Mas um deles já é sabido e vem causando certa polêmica.

Como a própria Saab confirmou para o site G1, o preço dos aviões subiu muito após a FAB pedir algumas alterações no projeto original. Cerca de US$ 900 milhões foram adicionados por causa de pedidos de personalização nos aviões, o que inclui um display panorâmico de alta tecnologia chamado WAD (Wide Area Display), que exibe informações capturadas por sensores de voo.

Como você pode ver na imagem abaixo deste parágrafo — reproduzida a partir de um infográfico do G1 —, em um cockpit convencional do Gripen NG as informações são mostradas em três telas e uma delas é destinada às informações do sensor de GPS, com outro monitor mostrando dados dos sistemas eletrônico e de combate, com um terceiro dedicado ao outros sensores.

Fonte da imagem: Reprodução/G1

Com o sistema personalizado, todas essas informações são centralizadas em uma tela única e mais ampla do que as outras. Mas é importante deixar claro que não está somente nos monitores o encarecimento dos caças comprados pela FAB. Há diversas outras personalizações  que foram adicionadas às aeronaves e que as deixaram com valores acima do que era esperado.

Os aviões personalizados para os brasileiros vão ter sistemas de comunicação criptografada, mudanças na pressão interna do cockpit, sistemas de interceptação e destruição de mensagens de interferência, integração com armas nacionais, capacete montado com óculos-monitor, minimização de “assinatura radar” e sensores infravermelhos para busca e salvamento.