Há histórias em nossas vidas que têm tudo para entrar naqueles documentários incríveis do “Discovery Channel”, ainda mais quando o desfecho delas, apesar de parcialmente trágico, mostra alguma notícia boa. Há duas semanas, um avião de porte médio foi desintegrado num desastre que matou um dos pilotos. O outro foi ejetado a mais de 15 mil metros do chão e sobreviveu – com feridas, mas milagrosamente sobreviveu.

O SpaceShip Two, da Virgin Galactics, ainda está passando por investigações que buscam apurar as causas do acidente. O piloto que sobreviveu foi imediatamente levado ao hospital após a queda. Ligeiramente recuperado, Peter Siebold deu algumas palavras ao NTSB desta que será a história de sua vida – daquelas que passam para filhos, netos etc.

Em comunicado oficial enviado à imprensa, Siebold contou um pouco dessa trajetória. Basicamente, o piloto contou o seguinte: em algum momento da desintegração da aeronave, ele foi subitamente ejetado. A mais de 15 mil metros do chão em temperaturas geladas dos céus do Deserto de Mojave, na Califórnia, o avião de porte médio, utilizado em testes para um programa de turismo espacial, passou por problemas técnicos que ainda carecem de explicações (sendo apuradas em investigações que estão em andamento).

No pico dessa altura, o piloto contou que sua fivela foi aberta e, “em algum momento inexplicável” da desintegração, Siebold foi ejetado e seu paraquedas foi automaticamente acionado segundos depois. Como o piloto não estava usando roupa adequada para a pressão do ar durante a queda, a sobrevivência foi realmente “milagrosa” e “marcante”, nas palavras de Jeff Sventek, psicólogo que atua junto à Associação Médica Aeroespacial dos EUA.

“Foi marcante [essa sobrevivência]. Não posso imaginar as forças que ele teve de enfrentar ao ser atirado para fora da aeronave”, disse o terapeuta ao Bloomberg.

A investigação permanece em andamento até que as possíveis causas da desintegração da SpaceShip Two sejam apuradas.