(Fonte da imagem: Divulgação/Boeing)

Na semana passada, o mundo inteiro teve a sua atenção capturada por um especialista em segurança que teria criado um app para Android que poderia tomar o controle de uma aeronave. Muito se falou sobre as possibilidades catastróficas disso, causando certo receio em muita gente. Agora, órgãos de aviação americanos e europeus mostram que não existe motivo para preocupação.

O FAA (Federal Aviation Administration) e a EASA (European Aviation Safety Administration) divulgaram comunicados em que explicam o funcionamento do aplicativo e como ele não apresenta perigo para viajantes. De acordo com a FAA, o app supostamente controla o sistema de um simulador, mas não conseguiria acessar o sistema de uma aeronave real, já que existem diferenças no hardware.

O FAA ainda completou que a maneira como o aplicativo supostamente funcionaria não conseguiria evitar que o piloto recuperasse o controle do avião. Finalizando, o órgão informa que a ideia que o consultor de segurança disseminou — a de que um hacker poderia assumir total controle de uma aeronave — não é correta.

Os europeus concordam com os americanos

De acordo com a EASA, existe uma grande diferença entre um programa de treino de aviação, baseado em um PC, e um software de aviação instalado em um avião. O aplicativo hackeado não contaria com sistemas de proteção que são incluídos em uma aeronave de verdade.

Mesmo assim, tanto a EASA quanto o FAA não ignoram completamente uma possível ameaça, já que outras pessoas podem querer aproveitar possíveis falhas. O que pode deixar muita gente mais tranquila é que Hugo Teso, o especialista que criou o aplicativo, não liberou as chaves de programação do app e estaria trabalhando com agências do governo para assegurar que os sistemas sejam atualizados e melhorados.