(Fonte da imagem: Reprodução/Wired)

O novo Boeing 747-8 é a versão para passageiros do maior avião de carga da Boeing. O modelo é um dos mais longos do mundo e mede 76,4 metros de comprimento. Porém, um problema muito grave tem preocupado a empresa, impedindo que a aeronave possa trafegar com os tanques de combustível plenamente completos.

Alguns testes realizados pela Boeing apontaram que o 747-8 não pode encher os tanques de cima da parte horizontal das asas da cauda (os estabilizadores horizontais) em mais de 15% do total. Caso contrário, a aeronave ficará sujeito a problemas de “flutter”, que é a agitação e trepidação excessiva das asas — causando problemas em todo o resto do avião. O vídeo abaixo, retirado do Wired, demonstra o que é extamente o problema.

De acordo com o site Flightglobal, para amenizar o problema até que consiga resolver a situação, a Boeing cortou a alimentação dos tanques traseiros. Segundo declarações da própria empresa, “quando eles [os tanques] estão vazios a aeronave não apresenta problemas”. Entretanto, a diminuição de abastecimento implica em uma considerável perda de autonomia para o jato, uma vez que os tanques traseiros carregam em torno de 12.500 litros de combustível.

A mudança também foi no sentido de atender as exigências de segurança da US Federal Aviation Administration, que é o órgão responsável pela aviação nos EUA. Interromper o uso dos depósitos traseiros de combustível também implicará na diminuição do peso que o avião carrega, alterando, assim, seu centro de gravidade.