Ser piloto de avião comercial deve ser um esquema realmente complicado. Você não tem estradas e placas e tudo mais para guiar você: sua orientação é altamente dependente do sistema de navegação da aeronave e, com isso, está suscetível a erros. Erros do tipo... Voar 6 mil quilômetros na direção equivocada, por exemplo.

Foi isso que aconteceu em março deste ano com um piloto da AirAsia que deveria sair de Sydney, na Austrália, e ir diretamente para Kuala Lumpur, na Malásia. O relatório foi emitido recentemente pelo órgão australiano responsável pela segurança nos transportes e mostra como um pequenino engano se transformou em uma experiência tragicômica.

O piloto e o copiloto trocaram suas posições depois que um dos fones usados para comunicação apresentou problemas e, por isso, as coordenadas de posicionamento do avião foram colocadas manualmente – e foi aí que toda a confusão aconteceu.

Em vez de digitar o comando de 15109.8 leste, o piloto colocou 01519.8 leste, e isso fez com que a aeronave fosse direcionada para a pista de decolagem errada. Depois de algum tempo no ar, o comandante percebeu que suas coordenadas estavam “apenas” 17 mil quilômetros longe de seu destino original, o que acabou fazendo com que o sistema de navegação não funcionasse direito.

Foi aí que o piloto decidiu retornar para Sydney, mas isso significaria controlar o avião manualmente, além do fato de que o tempo na cidade estava realmente ruim e dificultaria o retorno. Sobrou, então, a opção de retornar para Melbourne, onde a aeronave permaneceu por 3 horas até decolar novamente – e dessa vez para o lado certo, em direção a Kuala Lumpur.