Aquele famoso avião movido a energia solar, o Solar Impulse 2, concluiu hoje o último grande segmento do seu trajeto ao redor do mundo. Ele foi a primeira aeronave movida a energia solar a cruzar o oceano Atlântico, saindo de Nova York, nos EUA, e pousando em Sevilha, na Espanha.

O trajeto durou quatro dias sem nenhuma parada, sendo esse o segundo maior percorrido pelo avião. O maior recorde de voo sem paradas do Solar Impulse 2 foi no trajeto entre o Japão e o Havaí, que durou quatro dias e 21 horas.

Esse avião voa em altitudes relativamente baixas, pois não possui cabine pressurizada ou aquecida. Em voos muito longos, dois pilotos decolam com o Solar Impulse e se revezam para completar o trajeto em segurança.

Bom dia, Sevilha! Vocês têm muitos voos diretos para Nova York?

Esse trajeto entre os EUA e a Espanha fez parte da volta ao mundo do Solar Impulse que começou em março de 2015 em Abu Dhabi. A viagem já teria terminado caso o avião não tivesse precisado de reparos depois de seu pouso no Havaí.

Lá ele ficou em um hangar por 10 meses, uma vez que o inverno chegou e ele não poderia mais voar com segurança. Nos últimos dias, a viagem foi retomada e deve ser completada em breve. É possível que as próximas paradas sejam realizadas na Grécia e no Egito antes de o Solar Impulse seguir novamente à Abu Dhabi.

Como ele voa

O Solar Impulse 2 tem o peso de um carro SUV, mas sua envergadura é maior que a de um Boeing 747, medindo 72 m de ponta a ponta das asas. Entretanto, sua velocidade máxima é limitada a 140 km/h, e seu alcance máximo sem paradas é de 8.183 km, contra 13,8 mil de um Boeing 747.

Em teoria, o Solar Impulse poderia voar indefinidamente, uma vez que os painéis solares das asas acumulam energia durante o dia em baterias para que ele possa voar à noite. Contudo, por questão de conforto e capacidade de tripulantes, ele consegue voar direto por “apenas” cinco ou seis dias.