Imagem de: Novo chip ARM funciona mais de dez anos com apenas uma carga

Novo chip ARM funciona mais de dez anos com apenas uma carga

1 min de leitura
Avatar do autor

Em um mundo onde os aparelhos eletrônicos portáteis possuem baterias incapazes de durar um dia inteiro por carga, não são poucas as empresas determinadas a criar tecnologias com baixo consumo de energia. Mas o caso de um novo chip criado pela Atmel certamente promete impressionar nesse aspecto: o SAM L21, como é chamado, é capaz de durar nada menos do que uma década sem precisar recarregar.

Para conseguir essa façanha absurda, o dispositivo aposta em um consumo ridiculamente baixo de energia. Quando ativo, ele usa apenas 35 microampères de processamento; já em seu estágio de hibernação, o gasto baixa para ínfimos 200 nanoampères. Isso é tão pouco, de fato, que uma bateria comum permitiria a um aparelho com esse chip funcionar por mais de dez anos.

O SAM L21 também impressiona por trazer outra característica interessante: ele possui diferentes níveis de hibernação, o que permite ao aparelho continuar interagindo com outros dispositivos a que está conectado e ainda manter um baixíssimo consumo. Em comparação, um chip comum só é capaz de entrar em um nível de hibernação, o que economiza energia, mas obriga o aparelho a ter que “despertar” toda a vez que você o usa – tomando tempo precioso, no processo.

Baixo consumo, baixo poder

Infelizmente, nem tudo é perfeito com relação ao chip. Seu hardware, como você já deve imaginar, é de baixíssimo desempenho, composto por um processador Cortex Mo de 42 MHz, 256 KB de memória Flash, 32 KB de memória RAM estática e mais 8 KB de memória RAM estática, voltada para baixo consumo de energia.

Pois é, não espere ver um smartphone usando algo assim – mas aparelhos focados em realizar operações mais simples certamente podem se beneficiar com a tecnologia. Resta agora esperar que a Atmel revele a data e o preço dessa tecnologia, mas a empresa já prometeu disponibilizar kits para desenvolvedores dentro dos próximos meses.

Fontes

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Veja também
Novo chip ARM funciona mais de dez anos com apenas uma carga