A Apple divulgou, por meio de uma nota publicada no site oficial da empresa, a notícia da morte de seu cofundador e ex-presidente, Steve Jobs. Não foram dados detalhes sobre a causa, mas é provável que ele tenha sucumbido ao câncer no pâncreas, doença contra a qual lutava desde 2004.

Jobs foi um dos maiores ícones da nossa era e responsável por inovações que mudaram o mundo em que vivemos. “Gênio criativo” e “visionário” são adjetivos utilizados na nota oficial da Apple. A paixão que ele tinha também foi ressaltada em uma mensagem da diretoria da empresa, que consegue resumir, em uma frase, o impacto causado por ele nas últimas décadas: “O mundo está muito melhor por conta do Steve”.

O Tecmundo preparou um especial com dez momentos marcantes da carreira de um dos grandes gurus da tecnologia. Confira.

1984 — Somos a Apple

Naquele ano, a Apple apresentou o Macintosh, marcado por ser o primeiro computador a utilizar uma interface de comando baseada em gráficos. Icônico também é o comercial de televisão anunciando a novidade, batizado “1984”. A plataforma tornou a Apple mundialmente conhecida, até mesmo evangelizada.

Jobs e o Macintosh lançado em 1984. (Fonte da imagem: myoldmac.net)

1985 e 1986 — Oportunidade em períodos de crise

Jobs foi demitido da Apple em 1985. No ano seguinte, ele comprou o The Graphics Group, que mais tarde foi renomeado para Pixar. Quando a empresa mudou seu foco de hardwares gráficos para animações, fez-se uma parceria com a Disney, e, como resultado, foram produzidos vários filmes de sucesso, como Toy Story, WALL-E e Os Incríveis.

A Pixar foi vendida em 2006, e então Jobs se tornou o acionista majoritário da Disney com detenção de direito sobre 7% das ações da empresa. Ele fez parte do quadro de diretores da companhia, influenciando decisões que envolviam as animações produzidas pelo estúdio.

1996 e 1997 — O retorno triunfal

Em 1996, Jobs retornou à Apple após ser demitido da própria empresa que fundara 11 anos antes. Com sua volta, a empresa foi reformulada. Projetos considerados pouco promissores foram cancelados, o que gerou apreensão entre funcionários, temerosos por perder seus empregos.

Em 1997, ele tomou uma das decisões mais inteligentes em termos de negócios: uma parceria com a Microsoft para que a empresa de Bill Gates produzisse softwares para o Macintosh. À época, a atitude dividiu os fãs, mas depois se provou uma decisão primordial para a sobrevivência da Apple no mercado.

1998 — Desktop em uma peça

O iMac, lançado em 1998, revolucionou mais uma vez os computadores pessoais ao incorporar elementos do desktop ao monitor do aparelho, tornando-o muito mais compacto. Era algo novo, moderno e acessível.

O teclado curvado e o mouse de formato peculiar são inesquecíveis, e o iMac praticamente moldou o padrão Apple, facilmente reconhecido até hoje.

Primeiro iMac, de 1998. (Fonte da imagem: binapple.com)

2001 — Todas as suas músicas no seu bolso

Há dez anos, a Apple apresentava ao mundo o iPod. Hoje, o player é líder do mercado e representa o começo de uma mudança total no mundo da música digital, mas nem sempre foi assim.

Nos primeiros anos após o lançamento, o iPod chegou até mesmo a ser ridicularizado. As coisas começaram a mudar em 2003, com o lançamento da iTunes Music Store, que hoje é a maior loja musical, e com sobra.

(Fonte da imagem: Apple)

2005 — Todas as suas músicas, agora no seu bolso menor

Em 2005, a Apple lançou o iPod nano, com o bom humor característico das apresentações encabeçadas por Jobs. “Vocês já pararam para pensar para que serve esse bolso aqui?”, ele perguntou, apontando para aquele bolso menor de uma calça jeans. “Agora nós sabemos, porque esse é o iPod nano”, completou, tirando o pequeníssimo player de dentro do bolso.

A família nano.

2005 — Discurso emocionante e a revelação do câncer

Também em 2005, em junho, Jobs emocionou os estudantes recém-formados de Stanford com um bonito e impactante discurso sobre vida e morte, sobre perseguir seus sonhos e sobre enxergar oportunidades em momentos de crise.

Como exemplo, ele lembrou a experiência de ter sido demitido da Apple 20 anos antes. Foi também a primeira vez que Jobs falou sobre o câncer, diagnosticado um ano antes. "Ninguém quer morrer. Mas a morte é o destino que todos compartilhamos. Ninguém até hoje conseguiu escapar dela”, afirmou.

2007 — Música, internet e telefone em um único aparelho

Mais uma vez, a Apple chacoalha o mundo tecnológico, dessa vez o nicho dos celulares. Foi lançado o iPhone, primeiro smartphone com tela multitouch. Um marco para a Apple, para Jobs e para o mercado de celulares.

Durante o lançamento do iPhone, em uma conferência naquele ano, uma cena histórica: Steve Jobs e Bill Gates, dois dos mais influentes homens da atualidade, juntos e conversando casualmente.

(Fonte da imagem: divulgação/Apple)

2010 — Existe um meio-termo entre smartphone e laptop? Sim!

Como não listar o iPad, lançado oficialmente em janeiro de 2010? Quando o assunto é tablet, o modelo da Apple é a referência de qualidade, o aparelho que a concorrência tem que se inspirar e correr atrás. Assim como o iPod, de início, alguns até previram o fracasso do portátil, mas o sucesso estrondoso provou o contrário, e o iPad gerou impactos na educação, publicação, consumo de mídia e computação em geral.

(Fonte da imagem: Apple)

2011 — Debilitado, mas ainda Jobs

Em março de 2011, sete meses antes de sua morte, Steve surpreendeu a todos. Ele retornou de uma licença médica para anunciar a segunda geração do iPad. Ao subir ao palco, foi aplaudido de pé. Mesmo muito franzino e debilitado, estava animado e conduziu a apresentação como sempre.

Legado

(Fonte da imagem: Unitechy)

Estes foram alguns dos momentos marcantes da vida de um dos homens de negócio mais respeitados da história. Para comprovar o sucesso dele em frente à diretoria da Apple, basta observar a valorização da empresa a partir de seu retorno ao cargo de presidente.

Em 2000, cada ação da companhia valia aproximadamente US$ 12,88. Já em julho de 2011, o valor unitário pelos papéis da marca era de US$ 403,41, uma valorização de 3100%.

Claro, nem tudo são flores, e a empresa falhou muitas vezes — como nos casos do Apple III (que superaquecia), Lisa (extremamente caro para a época) e o TAM (abandonado um ano após seu lançamento).

Mas, com certeza, o currículo de Steve Jobs é repleto de decisões positivas e inovadoras — Apple II, Mac, iMac, iPod, iPhone e iPad, entre outros “i” (como em “inesquecíveis”, por que não?).

Fechamos este artigo com uma foto e uma frase inspiradora para muitos “gênios de garagem” que podem estar em qualquer canto, dita por Jobs em 1982:

Jobs em sua casa, em 1982. (Fonte da imagem: Diana Walker)

“Isso era típico da época. Eu era solteiro. Tudo o que você precisava era de uma xícara de chá, uma luz, você sabe, e era tudo o que eu tinha”.

Cupons de desconto TecMundo: