Na terça-feira passada (10), rolou a conferência Google I/O 2011, evento que visava divulgar as principais novidades que a dona do Android trará para o mundo em breve. A maioria das apresentações focou no sistema operacional para portáteis, mas também houve as introduções ao serviço de música e a locadora de vídeos da Android Market.

Apesar de essas novidades terem chamado a atenção, algo que realmente foi revolucionário foi a introdução dos futuros acessórios que terão compatibilidade com o Android. A demonstração na conferência deixou claro que o objetivo é criar projetos para que o Android possa ajudar as pessoas a realizar as tarefas de uma forma diferente no cotidiano.

Para fazer isso, a Google pretende facilitar as atividades comuns através de um projeto que possibilitará a programadores e fabricantes criarem gadgets compatíveis com os smartphones que rodem o Android. A realização de tal projeto só será possível com a união de software e hardware, o que obrigou a Google a começar a padronizar as coisas. Como? Apelando para o Arduino.

Em um primeiro momento, esse nome soa bem estranho. Já o segundo pensamento é de que o tal Arduino seja uma nova tecnologia da Google. Na verdade, a estranheza do nome é comum, afinal, você não deve ter ouvido falar nesse assunto antes. E achar que o Arduino é uma nova cartada da Google é um engano comum.

Apesar de a empresa ter introduzido o assunto para muitos, ela não detém quaisquer direitos sobre a plataforma. Na realidade, o Arduino já existe há um bom tempo e foi desenvolvido em cima de outras ideias. Mas antes de entrar na história e nos mínimos detalhes, vamos explicar o que exatamente é essa plataforma.

Afinal, o que é o Arduino?

Cruamente falando, o Arduino é um conjunto de ferramentas que possibilitam a criação de aparelhos eletrônicos. O objetivo desse projeto é facilitar a vida dos amantes da eletrônica que buscam uma maneira descomplicada de montar pequenos protótipos.

Tecnicamente, podemos dizer que o Arduino é tanto um software quanto um item básico de hardware. Ao mesmo tempo em que ele é um SDK (kit de desenvolvimento de software), é também um ADK (kit de desenvolvimento de acessório).

A ideia do Arduino é possibilitar que desenvolvedores criem aplicativos específicos para rodar em um circuito eletrônico básico. A partir de tais circuitos, o Arduino possibilitará a criação de gadgets e eletrônicos de alta qualidade.

Circuitos eletrônicos baseados na placa básica do Arduino podem receber diversos tipos de sinais, graças aos sensores (como mostrado na imagem abaixo) que podem ser adicionados nos protótipos. Além disso, projetos baseados no Arduino podem aproveitar tais sinais para interagir com outros aparelhos. Com isso é possível controlar luzes, motores e outras funções de dispositivos compatíveis.

Placas Arduino possuem um microcontrolador especial, o qual torna os eletrônicos ainda mais robustos. Esse pequeno chip pode ser programado através da linguagem Arduino (que é baseada na Wiring) e do ambiente de desenvolvimento Arduino (que tem parte do código copiado do software Processing).

Só para esclarecer, os dispositivos baseados no Arduino podem funcionar de maneira independente (sem a necessidade de um software de alta complexidade) ou podem se comunicar com aplicativos instalados em um computador. O Arduino traz essa flexibilidade justamente para que o programador tenha a liberdade de escolher se prefere criar algo simples ou montar gadgets robustos.

E mais: além da personalização do software, os interessados no Arduino podem escolher se preferem iniciar a montagem do circuito do zero ou se preferem adquirir uma placa pré-montada (com os microcircuitos já interligados). Para melhorar ainda mais, o software de programação do Arduino é gratuito, assim como os arquivos de referência para os desenhos dos circuitos.

Android e Arduino no combate à Apple

Agora que você sabe o que é o Arduino, fica fácil imaginar quais são os planos da Google com o projeto “Android Open ADK baseado no Arduino”. Segundo os primeiros anúncios, o objetivo dos gadgets criados para o Android será formar uma lista gigantesca de produtos “Made for Android” (Feito para o Android) e “Compatible with Android” (Compatível com o Android).

Essa tática é semelhante à que a Apple vem usando há anos. A empresa de Steve Jobs possui diversos modelos do iPod e, para aumentar ainda mais a fama do produto, adotou uma ideia fantástica: os produtos “Made for iPod”.

A Apple facilitou a vida dos fabricantes que pretendiam criar produtos compatíveis com os players de música, padronizando alguns detalhes que possibilitaram ao consumidor ter um interesse maior nos iPods.

Acontece que a briga entre Apple e Google deve esquentar agora. A Apple vinha concorrendo, de certa forma, com a Microsoft e a Sony (as quais forneciam players de música razoáveis). Entretanto, nenhuma parecia uma verdadeira ameaça. Já a Google parece ter mais chances nesse combate. Apesar de o Android não ter grandes perspectivas em players de música, ele é um sistema que ganhou um espaço absurdo no ramo dos smartphones e tablets.

O plano da Google consiste justamente nisto: possibilitar que o consumidor escolha a marca do seu produto (seja Samsung, LG, Sony ou outros) e, independe de qual escolher, possuir outros eletrônicos compatíveis com o smartphone desejado, o tablet em questão ou outro dispositivo qualquer que trabalhe com o Android.

Desse modo, a Google pretende construir uma enorme árvore de possibilidades para os usuários que vêm adotando o Android em suas vidas. Em um primeiro momento, os gadgets baseados no Arduino devem ser simples: docks, fones, rádios, home theaters, radiorrelógios e outros.

Posteriormente, o Android deve contar com eletrônicos mais robustos. E é nesse ponto que pode, inclusive, entrar a ideia do Android at Home (apesar de a Google não ter declarado oficialmente que o Arduino fará parte do projeto Android at Home). O usuário poderá contar com aparelhos de ginástica inteligentes (como o da imagem acima), eletrodomésticos capazes de interagir com o Android, acessórios para controlar a iluminação e muitos outros dispositivos úteis nas residências.

Quando isso vai acontecer ninguém sabe, mas considerando a gratuidade do Arduino e do Open ADK da Google, pode-se esperar que alguns gadgets apareçam muito em breve. Uma aplicação curiosa do Arduino foi demonstrada durante a  Google I/O 2011: uma plataforma gigante controlada por um tablet com Android. Pode não parecer muito útil, mas quem sabe veremos eletrônicos desse tipo em jogos de diversão num futuro breve.

O Arduino já está revolucionando!

Apesar de você nunca ter ouvido falar no Arduino, os produtos baseados nessa plataforma já estão disponíveis no mercado. Desde pequenos gadgets até alguns eletrônicos robustos já contam com software e hardware baseados no Arduino. Confira agora alguns projetos simples que contam com Arduino:

Dirt Simple POV LED Display

Teclado musical de bolso com placa Arduino

Arduway - Mistura de Arduino com Segway