Review: tela digitalizadora Wacom Cintiq 13HD

6 min de leitura
Imagem de: Review: tela digitalizadora Wacom Cintiq 13HD
Avatar do autor

Se você trabalha com arte digital (ou mesmo se interessa pelo assunto), certamente já ouviu falar da Wacom, uma companhia japonesa que virou um verdadeiro símbolo de mesas digitalizadoras e outros produtos relacionados. Em maio deste mesmo ano, a empresa lançou oficialmente a Cintiq 13HD no Brasil, modelo mais modesto de uma série de telas para desenho voltadas para uso profissional.

Diferente dos tablets gráficos mais tradicionais (que capta traços da caneta e reflete-os no computador), uma tela digitadora funciona realmente como um monitor sensível ao toque, permitindo que o artista trabalhe como se estivesse utilizando uma folha de papel. Contudo, apenas a caneta é reconhecida pelo display, permitindo que você possa apoiar suas mãos sem atrapalhar o progresso da obra.

Sem dúvida alguma, estamos falando de um equipamento que tem tudo para se tornar o sonho de consumo de qualquer artista gráfico. Mas será que vale mesmo a pena sacar a carteira e investir neste produto? Para responder essa dúvida, o Tecmundo testou o aparelho e avaliou tanto seus pontos positivos quanto os negativos. Confira agora nosso veredicto.

(Fonte da imagem: Reprodução/Tecmundo)

Especificações técnicas

  • Tela: LED IPS de 13,3 polegadas
  • Resolução: 1920x1080 (Full HD)
  • Número de cores: 16,7 milhões
  • Brilho: 250 cd/m2
  • Dimensões: 375 x 248 x 14 mm
  • Área útil para desenho: 293,8 x 165,2 mm
  • Peso: 1,2 kg
  • Caneta: Pro Pen KP503E00 com 2.048 níveis de pressão e dois botões configuráveis
  • Tipo: Sensível à pressão, sem fios e sem pilhas
  • Intervalo de inclinação: 60 graus
  • Pontas incluídas: Cinco pontas-padrão, três pontas de feltro, uma ponta para desenho

(Fonte da imagem: Reprodução/Tecmundo)

Aprovado

Design atraente e elegante

Com a Cintiq 13HD, a arte já começa na ferramenta do artista. É difícil não ficar “namorando” o equipamento durante os primeiros contatos, apreciando seu acabamento fino e visual atraente. A tela é razoavelmente fina e leve, o que ajuda na sua mobilidade e manuseio. Embora o equipamento conte com um suporte integrado para mantê-lo de pé em cima de sua mesa, é perfeitamente possível utilizar a 13HD no colo ou como se fosse uma prancheta tradicional.

A Pro Pen também não faz feio nos primeiros contatos visuais. O componente vem armazenado em um elegante estojo plástico, que armazena conjuntamente o grupo de pontas extras e alguns anéis coloridos de identificação (você pode inseri-los em suas canetas para distingui-las, caso você possua várias). E, por falar na Pro Pen, sua empunhadura – feita de borracha de silicone – se mostra bem confortável, proporcionando um manejo firme e evitando eventuais escorregadas que podem danificar seu trabalho.

(Fonte da imagem: Reprodução/Tecmundo)

Instalação prática

Sabe aquele amontoado de fios que costuma tomar toda a sua área de trabalho? A Wacom pensou em uma maneira de evitá-lo e trabalhou para que o set-up da Cintiq 13HD fosse o mais simples possível. O gadget utiliza um cabo três em um bastante interessante. De um lado, encontramos um plug que deve ser conectado à tela digitalizadora; do outro, temos uma conexão USB (que deve ser inserida no seu computador/notebook), uma HDMI (idem) e uma de energia que deve ser utilizada em conjunto com o cabo de força. Basicamente, é possível montar e desmontar o produto em menos de cinco minutos – excluindo, obviamente, o tempo necessário para instalar os drivers necessários para o funcionamento do equipamento, distribuídos através de um DVD convencional.

(Fonte da imagem: Reprodução/Tecmundo)

Suporte ajustável

Como citado anteriormente, a Cintiq 13HD conta com um suporte integrado em sua traseira que pode ser utilizado para manter a mesa no ângulo mais confortável para o artista trabalhar. Tal suporte chama a atenção por contar com três níveis diferentes de inclinação da tela (22⁰, 35⁰ e 50⁰) e possuir com um sistema fácil para alternar entre tais ângulos. Basta “destacar” o suporte que mais lhe agrada e encaixar sua ponta na pequena ranhura encontrada na traseira da 13HD.

(Fonte da imagem: Reprodução/Tecmundo)

Precisão impressionante

Os 2.048 níveis de pressão suportados pela Pro Pen realmente fazem a diferença na hora de desenhar. O aparelho consegue detectar seus traços com perfeição, respeitando a força que você faz para desenhar e respondendo de maneira meticulosa. Obviamente, a percepção desses níveis de pressão depende muito do software que você estiver utilizando: programas de nível mais profissional obviamente apresentam resultados melhores, devido a seus recursos avançados.

Atalhos práticos e personalizáveis

A Cintiq 13HD conta com alguns botões bem úteis localizados em sua lateral. Tais botões são totalmente personalizáveis para atuarem da maneira que mais lhe convier, e podem servir para emular algumas teclas comumente utilizadas em softwares gráficos (como o Ctrl, o Alt e a função “Desfazer”). Também há um botão reservado para abertura de um menu de configurações rápidas.

Uma das teclas é reservada para ativar o “Modo Precisão”, recurso que foca uma parte em específica da ilustração e torna a resposta da caneta um pouco mais lenta do que o habitual. Trata-se de uma funcionalidade útil para fazer detalhes mais complicados e evitar erros causados por movimentos bruscos.

Por sinal, vale observar que a Cintiq 13HD não conta com uma orientação definida. Isso quer dizer que é possível utilizá-la tanto com os botões voltados para o lado esquerdo quanto para o lado direito, adaptando o equipamento para uso de desenhistas canhotos.

Reprovado

Cadê meus óculos?

Uma tela de 13 polegadas pode parecer grande o suficiente para trabalhar de forma confortável – na teoria. Na prática, a situação é diferente. A Cintiq 13HD é, de fato, um tanto diminuta, e seu uso intensivo se mostra um pouco desconfortável para quem tem o mínimo problema de visão. Quem está acostumado a trabalhar com mesas digitalizadoras – que refletem o desenho em um monitor grande – também terá um pouco de dificuldade para se adaptar.

Os problemas começam nos menus dos softwares utilizados para ilustrar e editar. Os botões e sliders do Adobe Photoshop, por exemplo, tornam-se minúsculos e os erros começam a ser frequentes. Um de nossos ilustradores que ficou encarregado dos primeiros testes foi obrigado a aplicar zoom constantemente para fazer detalhes em seus desenhos, coisa que ele não costuma fazer com frequência em sua mesa digitalizadora “tradicional”.

Contudo, ressaltamos: estamos falando simplesmente de uma questão de adaptação, que pode acabar tornando o trabalho do profissional um pouco desconfortável durante os primeiros dias de uso da 13HD.

(Fonte da imagem: Reprodução/Tecmundo)

Preço assustador

A Cintiq 13HD foi lançada no Brasil com o preço sugerido de R$ 4,9 mil – hoje, o aparelho já está algumas centenas de reais mais barato. Ainda assim, estamos falando de um valor muito mais alto do que o praticado no estrangeiro: nos Estados Unidos, por exemplo, não é difícil encontrar o modelo por mil dólares (cerca de R$ 2,1 mil sem adição de impostos). Isso quer dizer que adquirir o equipamento em território nacional significa pagar mais do que o dobro de seu preço original.

Vale lembrar ainda que a 13HD é o modelo mais modesto da série Cintiq. A edição 22HD está valendo nada menos do que R$ 8,1 mil, enquanto a 24HD Touch (top de linha) chega a incríveis R$ 13,9 mil. O fato da tela digitalizadora ser um produto de nicho bem específico pode justificar seu valor mais alto, mas ainda assim é um tanto desconfortável pagar mais do que o dobro do custo original.

(Fonte da imagem: Reprodução/Tecmundo)

Vale a pena?

Depende. Se você estiver disposto a comprar uma Cintiq 13HD no exterior (seja por importação, viagem ou amigos que morem em países estrangeiros), podemos dizer que vale a pena sim. O preço do equipamento nas gôndolas brasileiras é incompatível com suas características e pontos negativos citados acima, transformando-o em um produto pouco acessível e com um custo-benefício duvidável. Afinal, com R$ 4,9 mil é possível comprar o modelo 22HD (US$ 1,9 mil) nos Estados Unidos e se ver livre do problema da tela pequena.

Vamos deixar bem claro que a Cintiq 13HD está longe de ser um equipamento ruim – muito pelo contrário. Estamos falando de uma mesa realmente profissional, com potencial para se tornar o companheiro fiel de qualquer ilustrador, designer, editor de imagens e outros artistas do ramo de arte digital. Contudo, o alto custo no território brasileiro acaba por transformar o aparelho em um verdadeiro artigo de luxo, quando o objetivo original da Wacom era o de lançar um produto “de entrada”.

Em suma, apenas adquira a Cintiq 13HD no Brasil se você realmente estiver com o orçamento bem tranquilo. Caso contrário, tente importá-la ou procure alternativas de qualidade com preços mais acessíveis: algo relativamente difícil, visto que a Wacom domina este nicho do mercado.

Cupons de desconto TecMundo:

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Review: tela digitalizadora Wacom Cintiq 13HD