Quem acompanha as novidades sobre o mundo dos smartphones sabe que, conforme novos lançamentos são anunciados, a linha que separa esses aparelhos dos tablets se torna cada vez mais confusa. Exemplo maior disso é a linha Galaxy S, que a cada ano ganha alguns centímetros extras em seu display.

Com o Fonepad (não confundir com o Padfone) a ASUS decide acabar de vez com a distinção entre essas duas categorias de aparelhos, entregando um tablet que também é capaz de fazer ligações. Segundo a fabricante, a ideia é oferecer a combinação perfeita entre as duas categorias de produto, dispensando o consumidor de ter que investir neles de forma separada.

Passamos pouco mais de uma semana com o produto em mãos e, após uma bateria intensa de testes, trazemos a você uma análise completa de suas qualidades e defeitos. Confira nossas impressões e, após a leitura, não se esqueça de deixar sua opinião sobre o gadget em nossa seção de comentários.

Aprovado

Aparelho atraente

Possuindo um visual que lembra bastante o Nexus 7 (também fabricado pela ASUS), o Fonepad sem dúvidas é um dispositivo atraente. Em sua parte frontal, a tela de 7 polegadas é o que mais chama a atenção, sendo acompanhada somente por um pequeno logotipo da fabricante, uma saída de som e a pequena webcam integrada.

(Fonte da imagem: Divulgação/ASUS)

Já a parte traseira é tomada por uma superfície plástica com acabamento que imita metal escovado e uma pequena proteção que, quando retirada, revela entradas para cartões microSD e microSIM. Basta manusear um pouco o aparelho para sentir uma sensação de firmeza confortável, que ajuda a dar a impressão de que estamos lidando com algo resistente e duradouro.

Mesmo usando uma proteção externa em plástico, em nenhum momento o phablet passa a sensação de que a ASUS decidiu usar produtos de baixa qualidade para diminuir o preço do aparelho. Também é positivo o fato de que a proteção traseira do aparelho se mantém firme em seu lugar, sendo necessário exercer um pouco de pressão para retirá-la — algo que ajuda a evitar que seu interior seja revelado acidentalmente durante o transporte do aparelho.

(Fonte da imagem: Divulgação/ASUS)

Pesando 340 gramas, o Fonepad é um dispositivo que não cansa os braços mesmo quando é necessário manuseá-lo durante um tempo relativamente grande. Somado às demais qualidades listadas anteriormente, isso contribui para tornar o produto bastante atraente ao toque e ao olhar, o que pode até fazer você se esquecer de que ele não é voltado para o mercado de alto desempenho.

Display eficiente

Graças à resolução 1280x800 pixels, as 7 polegadas do display do Fonepad se mostram capazes de apresentar conteúdos de forma bastante clara. Atividades como ler textos, navegar pela internet ou assistir a vídeos são feitas de maneira confortável, e somente fazendo certo esforço é que se torna possível observar os pixels que formam os elementos mostrados na tela.

(Fonte da imagem: Divulgação/ASUS)

Um destaque nesse sentido é a presença do aplicativo ASUS Spledind, que permite realizar uma série de alterações relacionadas à maneira como o phablet exibe conteúdos. Entre os critérios que podem ser modificados estão a temperatura e a saturação das cores, características que normalmente não são vistas em aparelhos do tipo.

Embora relativamente grandes, as bordas laterais do dispositivo não chegam a ser uma característica que incomoda. Isso se deve muito em parte ao fato de o produto empregar o sistema operacional Android 4.1.2 (Jelly Bean), o que se traduz na ausência de qualquer botão de controle físico — algo que ajuda a dar mais espaço para os aplicativos em si.

Desempenho satisfatório

Caso isso fosse possível, seria ideal que todos os donos do Fonepad só procurassem saber as características técnicas do produto depois de usá-lo constantemente durante uma semana no mínimo. Mesmo dispondo de somente um núcleo de processamento, o produto surpreende por seu desempenho, que não parece condizente com seu hardware.

(Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)

O principal responsável por isso é a CPU Intel Atom Z2420, que, combinada com a GPU PowerVR SGX540, se mostra capaz de lidar muito bem com a maioria das necessidades cotidianas. Apesar de o phablet demorar para realizar algumas tarefas e poder levar de um a dois segundos para abrir aplicativos mais pesados, em geral usar o dispositivo se mostra uma tarefa bastante agradável.

Só é possível notar uma queda notável de desempenho em games mais pesados, como Dead Trigger, cujos requerimentos acabam superando as características do Fonepad. Apesar disso, o aparelho está longe de poder ser considerado decepcionante, ainda mais quando se leva em consideração o fato de que ele conta com somente um único núcleo de processamento.

Confira abaixo o resultado dos testes realizados nos softwares Vellamo e AnTuTu, responsáveis por transformar o desempenho do gadget em números. Vale notar que não pudemos realizar os testes HTML5 do Vellamo devido a uma incompatibilidade da CPU Intel com o teste Aquarium Canvas feito pelo aplicativo.

Benchmarks

Quanto maior a pontuação, melhor (Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)


Quanto maior a pontuação, melhor (Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)

Android Jelly Bean ligeiramente modificado

Embora o Fonepad não possua uma versão “pura” do Android, a interface criada pela própria ASUS interfere muito pouco sobre os recursos-padrão do sistema operacional da Google. Assim, você poderá usar todos os aplicativos disponíveis na loja virtual Google Play sem qualquer restrição ou elemento que possa modificar a experiência fornecida por eles.

(Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)

A principal diferença apresentada pelo produto em relação a seus concorrentes é a inclusão do sistema “Floating App”. Exibida na forma de um ícone adicional com o formato de uma flecha sobreposta por um traço, a ferramenta serve como uma forma mais rápida de lidar com múltiplas tarefas.

(Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)

Ao acionar algum aplicativo a partir do sistema, ele é exibido de forma simplificada, tomando somente uma fração do display do aparelho. Diversos programas podem ser abertos dessa forma e, para alternar entre eles, basta um toque dos dedos sobre o software desejado — o lado ruim fica pelo fato de que nem todos os apps disponíveis no Google Play são compatíveis com esse sistema.

Aplicativos proprietários pouco intrusivos

Apesar de o ASUS Fonepad acompanhar diversos softwares feitos pela própria fabricante, felizmente eles nunca se mostram intrusivos. Além do já citado Spledind, o aparelho acompanha um dicionário automático, um aplicativo de anotações, uma opção para ajustar o modo de som do dispositivo (AudioWizard) e um medidor de bateria (Economizador).

Além deles, o phablet também apresenta um visualizador de imagens próprio (ASUS Studio), que conta com algumas ferramentas de edição básicas. Para completar, o gadget acompanha uma opção de armazenagem na nuvem (WebStorage) e um gravador de som capaz de enviar conteúdos para a rede (MyBitCast).

Boa duração da bateria

Apresentando uma bateria de 4.270 mAh, o phablet da ASUS surpreende pelo tempo de uso oferecido sem que uma recarga seja necessária. Mesmo em condições nas quais aplicativos exigentes combinados com um uso constante de conexões WiFi e 3G eram algo frequente, o dispositivo conseguia se manter afastado de tomadas durante um tempo extenso.

Para comprovar a real duração da bateria do dispositivo, realizamos um teste simples. Primeiro desabilitamos qualquer modo de economia de energia e, em seguida, habilitamos sua conexão de rede WiFi e deixamos o brilho da tela em 50% da capacidade máxima.

(Fonte da imagem: Divulgação/ASUS)

Finalmente, iniciamos a reprodução em loop de um vídeo em qualidade 720p até que a carga do gadget chegasse a seu fim (em tela cheia) — tudo isso sem que o produto tenha entrado em modo de descanso em nenhum instante.

Ao todo, foram necessárias 10 horas de uso contínuo até que o ASUS Fonepad chegasse ao fim de sua carga — número bastante impressionante quando se leva em consideração que a reprodução de filmes em alta qualidade não é exatamente leve e o fato de que muitos aparelhos considerados “top de linha” não conseguem apresentar o mesmo desempenho.

Em geral, durante o uso cotidiano, foi preciso recarregar o produto somente uma vez ao final de cada dia, algo que se encaixa no que é esperado em dispositivos da categoria. Caso você não use o Fonepad de forma muito intensa, no entanto, esse tempo pode ser ainda maior — algo ótimo para viagens prolongadas nas quais o aparelho só se mostra necessário para checar eventualmente sua caixa de entrada de emails.

Reprovado

Smartphone medíocre

Embora a intenção do Fonepad seja unir as características de tablets e smartphones, é difícil ver o aparelho como um simples aparelho celular. Colocar o dispositivo no ouvido para conversar se mostra uma experiência bastante estranha, sensação que não some nem mesmo após participar de várias conversas dessa maneira.

(Fonte da imagem: Divulgação/ASUS)

Embora seja possível resolver esse desconforto com o auxílio de um microfone Bluetooth, as dimensões do aparelho apresentam uma grande restrição no que diz respeito a seu transporte. Como o dispositivo simplesmente não cabe em um bolso comum, é necessário sempre utilizar uma mochila ou sacola para levá-lo de um lado para outro — algo que não é exatamente prático nem confortável.

Outro ponto que incomoda é o volume das caixas de som do dispositivo, que nunca chegam a ultrapassar níveis considerados medianos. Assim, o Fonepad acaba se mostrando útil para fazer ligações somente em ambientes com condições controladas, o que diminui bastante sua mobilidade, característica que realmente define um smartphone.

Câmera fotográfica que se atém ao básico

Ciente de que são poucas as pessoas que usam tablets como ferramenta preferencial na hora de tirar fotografias, a ASUS incluiu sensores bastante básicos em seu produto. Contando com uma câmera traseira de 3 megapixels, o ASUS Fonepad é bom somente para registrar situações cotidianas, sem em nenhum momento se mostrar capaz de fazer mais do que isso.

Caso sua intenção seja meramente adicionar imagens à sua galeria de fotos no Facebook, não há do que reclamar do dispositivo. A não ser, claro, que você queira usá-lo em ambientes mal-iluminados, nos quais a falta de um flash impede que qualquer imagem seja capturada com o mínimo de competência.

AmpliarDa esquerda para a direita: ASUS Fonepad, iPad Mini e Samsung Galaxy S3 (Fonte da imagem: )

Após usar o aparelho certo tempo, fica a sensação de que a ASUS incluiu uma câmera simplesmente para cumprir uma série de requerimentos em uma lista de “tarefas a fazer”. Quando se leva em conta o fato de que algumas versões internacionais do phablet somente contam com uma câmera frontal, é difícil não ficar com a sensação de que a fabricante tratou esse quesito meramente como algo dispensável.

Tela que atrai sujeira

Todos que já lidaram com um aparelho touchscreen sabem que não há como escapar de marcas deixadas por impressões digitais quando se lida com um produto do tipo. Porém, o Fonepad parece exagerar nesse sentido, se mostrando um verdadeiro ímã de sujeira e poeira. Com isso, prepare-se para sempre ter ao alcance das mãos uma pequena flanela para tentar diminuir um pouco esse problema.

Alguns problemas com a tela

Embora a tela do ASUS Fonepad mereça elogios, isso não se aplica quando estamos lidando com o aparelho em ambientes muito iluminados. Caso você pretenda usar o produto em um ambiente ensolarado, dificilmente você conseguirá ver o que está sendo exibido por ele devido à grande reflexibilidade de seu display.

Outro problema evidente é o fato de o phablet não contar com tecnologias como o Gorilla Glass em sua composição. Assim, é aconselhável investir o quanto antes em capas e plásticos de proteção caso você não queira ter que conviver com riscos que tiram um pouco da beleza do display IPS do gadget.

Teclado ASUS

Ciente de que o teclado-padrão do Android não é exatamente a opção mais confortável na hora de digitar textos, a ASUS incluiu uma opção proprietária no phablet. Porém, após uma análise mais aprofundada, teria sido mais sábio à empresa poupar esforços e nem sequer disponibilizar o software da forma como ele existe.

(Fonte da imagem: Divulgação/ASUS)

Digitar textos no Teclado ASUS se mostra uma tarefa complicada devido ao tempo de resposta lento apresentado pela ferramenta. Com isso, não é raro demorar mais do que o comum para digitar uma palavra simplesmente pelo fato de que algumas letras não seren registradas devido à incapacidade do aparelho em acompanhar a velocidade dos dedos do usuário.

Felizmente, é possível desabilitar a ferramenta e voltar a usar o teclado convencional do Android, o que diminui as dores de cabeça proporcionadas pelo produto. Não entendemos os motivos que levaram à ASUS a incluir uma opção do tipo em seu produto, já que ela em nada supera a solução-padrão desenvolvida pela própria Google.

Vale a pena?

Apesar de ter seus defeitos, o ASUS FonePad é um produto muito bom, ainda mais quando se leva em consideração o preço cobrado pelo produto no Brasil — R$ 1.099, sendo que já é possível encontrá-lo em grandes redes por um valor menor. Mesmo não possuindo um hardware poderoso, o aparelho lida muito bem com tarefas cotidianas e consegue proporcionar diversão para amantes de jogos (contanto que eles evitem os títulos mais pesados).

Embora o aparelho não consiga substituir um bom smartphone, a possibilidade de receber ligações através dele se mostra um bônus interessante, contanto que você não esteja em um ambiente muito barulhento. Já a possibilidade de utilizar conexões 3G se mostra muito bem-vinda, tornando você independente de uma rede WiFi para se conectar à internet.

Quando comparado a outros tablets com características técnicas modestas, o Fonepad se mostra uma ótima opção não só pelo seu hardware confiável, mas também pela sua bela apresentação. Ainda mais quando se leva em consideração as características de produtos com preços semelhantes vendidos no Brasil, o dispositivo da ASUS é uma compra bastante satisfatória — a não ser, claro, que você pretenda usá-lo como seu telefone principal.

Cupons de desconto TecMundo: