A CeBit já está rolando e pode ser que vamos conferir as primeiras unidades da Radeon R9 390X durante o evento. Pelo menos é o que podemos presumir de acordo com uma postagem do vice-presidente da XFX em sua página no Twitter.

De acordo com a representante da marca, ele tem “390 coisas para fazer na CeBit”. Isso não é uma confirmação de que a placa vai ser realmente apresentada durante o evento, mas não há como não ligar uma coisa à outra.

Deixando essa especulação de lado, temos uma notícia quente vinda do site WCCFTech à respeito da nova tecnologia HBM que pode nos dar uma pista do quão poderosa será a nova GPU da AMD. A High Bandwidth Memory (daí a abreviação HBM) tem esse nome por um motivo bem óbvio: ela apresenta ampla largura de banda de memória.

O padrão de memória desenvolvido em uma parceria entre SK Hynix e AMD funciona como uma “pilha” de múltiplas células de DRAM que se conectando através de uma estrutura tridimensional. Os componentes são conectados na vertical, algo que aumenta significativamente a quantidade de dados transferidos por cada ciclo.

É interessante ressaltar que mesmo trabalhando com clocks mais baixos, se comparado ao que vemos no GDDR5, as memórias HBM podem ser ainda 9 vezes mais rápidas! Isso por si só já é fantástico, mas o fato de que a AMD desenvolveu a interface da memória (que conecta os módulos à GPU) é algo que pode dar uma boa vantagem à nova Radeon.

Basicamente, isso quer dizer que a AMD será a pioneira com esta tecnologia, que já devem aparecer na Radeon R9 390X. Posteriormente, a companhia deve aderir à segunda geração da HBM, que será disponibilizada em 2016. A NVIDIA também tem planos de usar o HBM em sua próxima atualização.

Por ora, só de saber que a nova placa pode ser até 60% mais poderosa (com base nos slides que foram publicados pela VideoCardZ) do que a geração passada é algo que deve animar os jogadores que apostam na marca. O que você achou das novidades? Ansioso pelo anúncio do novo chip?

Cupons de desconto TecMundo: