Como noticiado no último mês de janeiro, a AMD finalmente anunciou a sua nova linha de processadores combinados. Batizada como Richland, a família de chips surge para substituir os produtos da linha anterior da companhia, a Trinity.

De acordo com as informações divulgadas à imprensa, muitos aspectos foram mantidos. A construção e a microarquitetura dos novos produtos utiliza 32 nanômetros e o mesmo número de transistores, ou seja, tudo muito parecido com o visto na família Trinity. Até por isso, alguns desenvolvedores vinham chamando a nova linha de “Trinity 2.0”.

Contudo, além de contar com a nomenclatura Richland, a AMD também batizou os seus produtos com outro nome: AMD Elite A-Series APUs. E isso tem uma explicação: a companhia garante que os novos chips são bem mais poderosos, econômicos, e, principalmente, têm foco em experiências inovadoras para as pessoas que utilizam o computador. A combinação de processador com o poder gráfico de uma Radeon HD 8000M, por exemplo, promete chamar a atenção.

Novas experiências

Segundo apurou o Venture Beat junto a Bernd Lienhard, gerente-geral da Unidade de Clientes Coorporativos da AMD, a ideia é oferecer novidades diferenciadas aos clientes finais, trazendo também experiências de uso mais ricas e um desempenho extremamente superior.

Por isso, as novas APUs vêm acompanhadas de outros produtos desenvolvidos pela própria AMD. O AMD Face Login3, por exemplo, se utilizará da câmera dos notebooks para realizar um rápido reconhecimento de face, permitindo que você consiga entrar em suas contas de usuário de forma muito mais ágil.

Já o AMD Gesture Control4 foca a utilização de gestos com as mãos para que você comande diversas aplicações no computador. A ideia seria facilitar a navegação em seus gerenciadores de arquivos de mídia, permitindo que você passe fotos ou abra vídeos sem ter que utilizar o mouse ou o teclado, por exemplo.

Na mesma toada e também focando a “diversão” dos usuários, o AMD Screen Mirror5 utiliza o poder dos Richland para compartilhar via wireless diversos conteúdos “pesados”, como a realização de streaming de vídeos em 720p.

Alguns recursos, contudo, devem ter limitações de software e hardware. O desbloqueio facial, por exemplo, só trabalhará em computadores com o Windows 8 e que utilizarem as variações A10 e A8 dos novos quad-core, por exemplo. Mais detalhes sobre o assunto devem ser explicitados pela AMD no futuro.

Games de ponta

Uma das novidades mais esperadas para a nova linha de APUs da AMD diz respeito à utilização dos processadores para se jogar games pesados. Se os produtos da linha Trinity já davam conta do recado e conseguiam carregar títulos exigentes, como o game Sleeping Dogs, a expectativa é a de que agora lançamentos ainda mais pesados possam ser rodados sem problemas.

Testes apresentados pela AMD (Fonte da imagem: Divulgação/AMD)

Os processadores gráficos foram substituídos por modelos Radeon HD 8000. Com isso, segundo a AMD, há um ganho de performance bastante expressivo no processamento gráfico, algo que deve girar entre 20% e 40% dependendo da aplicação.

Em testes de desempenho utilizando o 3DMark e apresentados pela empresa durante o anúncio, o modelo mais poderoso da companhia, o quad-core A10-5750M, consegue superar um laptop com processador Intel Core i7 em mais de 50%.

Menor consumo

Em termos de consumo de energia, um dos aspectos mais importantes nos dias de hoje, a família Richland também deve entregar mais eficiência. Enquanto a antiga linha Trinity consumia 5,5 watts quando estava em “descanso” e 12,8 watts rodando vídeos em 720p, os novos processadores AMD Elite A-Series APUs gastam 5,2 watts em descanso e 9,6 watts quando estão processando filmes em HD – uma melhora considerável.

Os processadores com voltagens mais altas devem começar a serem distribuídos às fabricantes de computadores já no próximo mês, ou seja, ultrabooks com os novos produtos da linha Richland podem surgir em breve. Já os chips com voltagem mais baixa serão entregues no final do primeiro semestre e prometem turbinar os notebooks ultrafinos.