Realidade aumentada. O termo já deixou de ser uma novidade e é cada vez mais comum ouvirmos falar dele. Aplicativos com essa tecnologia têm surgido com muita freqüência na propaganda ou em ações de marketing como um complemento divertido à outras ações mais tradicionais.

Aqui no Baixaki, já abordamos em detalhes como funciona a realidade aumentada e a sua aplicabilidade nos games do futuro. Se na tela do seu computador, utilizando uma webcam, já é grande o número de experiências lançadas que tal aproveitar as inovações deste recurso na tela do seu celular?

Muitos aplicativos, mas poucas aplicações. Por enquanto.

Embora a tecnologia já esteja presente em PCs e até mesmo em celulares, ainda estão sendo feitos muitos testes e não se definiu nenhuma ação comercial propriamente dita em função do novo recurso. O que existe são ações pontuais, amplamente utilizadas pelo marketing e por agências de propaganda para divulgação de novos produtos e lançamentos.

Em geral, estas ações têm como modo de operação a interação de determinado objeto, ou doreconhecimento de determinado ponto, com alguma função específica pré-programada pelo aplicativo. Assim, temos o exemplo de uma ação de marketing do filme Star Trek, em que após imprimir um determinado código e projetá-lo em uma webcam, o aplicativo simulava a nave Enterprise em ação “nas mãos” do usuário.

Da mesma forma, no filme Transformers – A Vingança dos Derrotados, um aplicativo similar reconhecia a face do usuário via webcam e nela projetava uma máscara similar à utilizada pelos robôs no filme.

As primeiras funcionalidades.

Sem nenhum demérito aos exemplos anteriores, eles podem ser bastante interessantes do ponto de vista do uso da tecnologia, mas são pouco práticos para o usuário que, em tese, não tira nenhum proveito desta realidade aumentada.

As primeiras funções práticas desta tecnologia começam a surgir em forma de games e complementos de conteúdo. Um dos pioneiros nesse sentido é o Nokia Point & Find Beta. Com ele é possível tem um novo mundo de informações práticas e úteis ao seu redor, que vão muito além do mero entretenimento.

A idéia é que apontando o aparelho para determinados serviços ou elementos você consiga ter acesso a mais informações sobre aquele assunto diretamente em seu celular. Explicando, segundo o site oficial do produto você pode apontar ele para o cartaz de um filme no cinema e, no celular, ver o trailer, receber informações sobre a sinopse, horários de sessões em determinadas salas além de adquirir ingressos.


O aplicativo também permite comparação de preços de determinados produtos, desde que as lojas estejam compartilhando o mesmo sistema. Basta direcionar o celular para o código de barras, na etiqueta de preços do produto.

Outras funções ainda permitem que você coloque tags em objetos reais. Assim, quando outra pessoa direcionar o celular para um restaurante, por exemplo, poderá ver as tags que outros usuários associaram àquele estabelecimento. A novidade ainda está em testes nos Estados Unidos e em alguns países da Europa como a Alemanha.

O que o futuro reserva?

Capacidade de processamento. Esta é a chave para o desenvolvimento dos aplicativos de realidade aumentada nos aparelhos celulares. É preciso ter uma boa capacidade de processamento para que o aparelho entenda as imagens que “vê” e transforme em algum outro tipo de informação.

Com telas mais flexíveis, compostas por polímeros mais leves, os celulares podem ganhar ainda o reforço dos óculos tridimensionais. Com isso toda a parte eletrônica e de software poderia estar embutida neles.

Devemos levar em consideração ainda que, praticamente tudo que utiliza essa tecnologia está em estágio experimental. Imagine então tudo que poderá ser feito integrando a realidade aumentada com funções que já conhecemos no dia a dia?