(Fonte da imagem: Reprodução/WhatsApp)

Mal o WhatsApp foi comprado pelo Facebook e parece que uma verdadeira guerra pelo domínio desse mercado começou. E enquanto vários aplicativos rivais tentam oferecer serviços com vantagens exclusivas para derrubar o atual líder de seu trono, o WhatsApp também faz sua parte, permitindo, por exemplo, a ligação entre pessoas que utilizam a ferramenta.

Mesmo assim, existem certas “táticas” que Jan Koum, presidente do WhatsApp, não está disposto a fazer para manter o público, segundo o G1. Durante um encontro de empreendedores na MWC 2014, o CEO deixou claro que não pretende levar o serviço para fora dos smartphones – ou seja, nada do aplicativo para tablets ou computadores.

Simplicidade é tudo

O motivo para isso, de acordo com ele, está no foco da simplicidade que Koum quer para o software. Além do fato de o celular ser o único dispositivo realmente pessoal, para ele, ter várias notificações simultâneas vindo de plataformas diferentes se torna uma experiência “cansativa”.

Isso não quer dizer, entretanto, que o WhatsApp ficará parado diante das ações de seus concorrentes. Além dos planos que ela já está executando, a empresa mostra que pretende crescer ainda mais em um futuro próximo; para tal, Koum afirma estar procurando engenheiros para ter um quadro de pelo menos 100 funcionários.