Uma startup brasileira nascida na Base Tecnológica de Itajubá, em Minas Gerais, desenvolveu o BabyHug, primeiro dispositivo vestível – ou wearable – criado no Brasil que monitora a criança com informações essenciais em relação ao seu desenvolvimento. A Ventrix desenvolve soluções para medicina, pensando no bem-estar e na qualidade de vida de pais e bebês.

O produto verifica informações essenciais como respiração, movimentos bruscos, barulhos, eventuais quedas e distanciamento do aparelho. No formato de um bóton, ele fica preso na roupa do bebê para realizar o monitoramento. Todos os dados coletados são enviados para os celulares dos pais, em tempo real, por meio de um aplicativo.

Babá eletrônica moderna

Além disso, o BabyHug também permite verificar o que acontece no quarto da criança. Um segundo aplicativo conecta o sistema a outros dispositivos móveis, como tablets e smartphones, fazendo com que esses equipamentos funcionem como câmeras. Dessa forma, é possível saber se o bebê está acordado, dormindo, se mexendo ou chorando.

“Assim como em uma babá eletrônica, é possível ver a imagem do bebê e ouvi-lo. Entretanto, o equipamento se diferencia por permitir que os adultos, por meio do smartphone, falem com a criança a distância e até mesmo selecionem músicas para acalmá-la”, diz Roberto Castro Junior, sócio-proprietário da Ventrix e Doutor em Engenharia Biomédica pela Universidade de São Paulo. “Trata-se de um aparelho leve, prático e que chega ao mercado brasileiro como uma opção inédita e eficiente no monitoramento de bebês, garantindo a tranquilidade dos pais”, completa Marcel Pilipovícius, head de produtos da Ventrix.

BabyHug pode ser encontrado nas principais lojas do ramo.

Você acha que dispositivos wearables podem ser benéficos para bebês? Comente no Fórum do TecMundo