Recomendações sugeridas pelas políticas de privacidade das televisões inteligentes da Samsung quase reduziram a empresa sul-coreana à figura do “Big Brother”, o líder máximo da distopia criada por George Orwell no livro “1984”. De acordo com os termos vigentes até pelo menos o último dia 10, usuários das smart TVs deveriam ser cautelosos ao compartilhar informações sigilosas em voz alta perto dos aparelhos.

“Por favor, tome cuidado se suas palavras faladas mencionarem informações delicadas ou pessoais, pois essas informações serão, junto dos dados, capturadas e transmitidas a terceiros”, dizia o texto publicado pela Samsung, segundo informa o Newsweek. A sugestão causou reboliço em meio à mídia e deixou, também, os clientes da empresa com a pulga atrás da orelha. Estaríamos, então, sendo vigiados? Afinal, por qual companhia de terceira parte esses dados são coletados?

Para evitar eventuais interpretações equivocadas acerca de suas políticas, a Samsung logo tratou de esclarecer o tom acinzentado dos termos referentes à coleta e ao processamento de dados dos televisores inteligentes: não apenas a frase que recomenda o não compartilhamento em voz alta de dados privados foi retirada do documento oficial, mas até mesmo a empresa que atualmente realiza a coleta das informações faladas foi nomeada em uma atualização recentemente publicada.

Trocando em miúdos, significa que a coleta de dados é feita somente quando o recurso de reconhecimento de voz (Voice Recognition) é ativado – gravações incessantes, feitas durante 24 horas e sem autorização do usuário não são realizadas. Confira a seguir o trecho atualizado que, agora, cita a empresa responsável por processar a informação capturada através dos microfones das smart TVs.

“Se você ativar a função de reconhecimento de voz, será possível interagir com sua Smart TV usando sua voz. Para possibilitar a você o recurso de reconhecimento de voz, alguns comandos de voz interativos podem ser transmitidos (junto de informações sobre seu dispositivo, incluindo os identificadores do aparelho) para um provedor de serviços de terceira parte (atualmente ao Nuance Communications, Inc.), que converte seus comandos interativos de voz para texto na medida necessária para que os serviços de reconhecimento de voz possam ser oferecidos a você”.

A recomendação ao não compartilhamento de dados pessoais em voz alta foi retirada da versão atualizada dos termos da política de privacidade das smart TVs da Samsung (leia o documento na íntegra aqui, em inglês).

Seu celular, computador e video game têm “ouvidos”

O suporte a comandos de voz não é um serviço exclusivo da Samsung. Assistentes como Siri (Apple), Cortana (Windows 10) e Google Now (Google) realizam interações às custas do reconhecimento de voz há anos. A coleta da fala é feita somente a partir do momento em que a palavra-chave que ativa os “ouvidos” do aparelho é dita (como “Ok, Google”, no Android, ou “Hi, TV”, para as smart TVs da Samsung).

Os comandos de voz são coletados por empresas terceirizadas que têm por objetivo otimizar o funcionamento dos assistentes – nuances de entonação, como os gerados por variações dos sotaques, por exemplo, são processados para que a ativação das funções possam ser feitas sem a necessidade de se usar uma frase em tom mecânico.

O usuário que não deseja ter sua fala monitorada pode desativar o recurso de reconhecimento de voz junto dos vários assistentes, o que pode resultar em limitações no uso de determinadas funções oferecidas pelos televisores, celulares ou computadores. 

...

Você usa as facilidades oferecidas pelo recurso de reconhecimento de voz em seu celular? Comente no Fórum do TecMundo