Ainda há privacidade? (Fonte da imagem: Reprodução/NSA)

Nos últimos dias, uma verdadeira bomba explodiu no mundo da internet. Um ex-agente da NSA, a Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos, revelou que o país monitora tudo o que eu, você ou praticamente qualquer outra pessoa faz na internet. Chamado de PRISM, o projeto contaria com a colaboração de empresas de telefonia e também de algumas das maiores companhias digitais do mundo, como Facebook, Microsoft, Apple e Google.

Os segredos foram trazidos à tona por Edward Snowden, um engenheiro e administrador de redes que trabalhava no órgão governamental. Snowden denunciou as práticas de espionagem em uma entrevista porque, segundo ele, “quem deve decidir se os governos devem – ou não – investigar o que as pessoas comuns fazem na internet são os próprios cidadãos.”

O fato é que o assunto pode ter despertado a atenção do mundo para uma prática cujas ações já vêm sendo especuladas há muito tempo. Agora, contudo, as denúncias trazem uma espécie de “choque de realidade”, mostrando que sim, podemos estar sendo monitorados em quase tudo o que fazemos na rede mundial de computadores. Esmiuçamos o assunto para tentar explicar para você tudo o que envolve o PRISM e a sua privacidade navegando na internet. Confira.

Quem é a NSA?

Já que toda a polêmica envolve um órgão do governo norte-americano, vale a pena conhecer um pouco mais sobre a instituição. Chamada de National Security Agency e muito mais conhecida pela sigla NSA, a agência cuida de assuntos de inteligência, ou seja, espionagem.

Keith Alexander, o chefão da NSA (Fonte da imagem: Reprodução/CNet)

O órgão foi criado alguns anos após o fim da Segunda Guerra Mundial, contudo, desde o final da Guerra Fria a sua atuação vinha enfraquecendo – algo que mudou com os atentados em 11 de setembro de 2001. O acontecimento despertou o país para um monitoramento mais ferrenho de atividades com potencial terrorista, algo que deu novo fôlego aos seus projetos. Hoje eles contam com mais de 37 mil funcionários civis e militares, além de investimentos bilionários em um novo e gigantesco quartel-general – assunto abordado por nós nesse infográfico.

Houve também uma suposta mudança de foco. Agora, a agência deveria investigar somente acontecimentos dentro de territórios estadunidenses, voltando as suas atenções para os cidadãos do paí – algo que é contradito pelas denúncias.

Para quem você andou telefonando?

A revelação do programa criado pela NSA tem sido chamada por algumas publicações dos Estados Unidos como “a ponta do iceberg”. Isso porque, um dia antes de o PRISM ser divulgado, o jornal The Guardian teve acesso a um documento comprovando uma ordem governamental obrigando a operadora Verizon a entregar cópias de dados completos sobre as ligações via celular entre os meses de abril a julho de 2013.

Esses relatórios englobam a identificação completa de quem faz e recebe as chamadas telefônicas, a duração, a data e até mesmo o local das pessoas envolvidas, definido graças às ferramentas de geolocalização das antenas de telefonia móvel. O The Verge destaca nessa matéria outro detalhe importante do processo: o fato de que a Verizon jamais poderia reconhecer a existência de tais transferências de dados.

Isso, no entanto, não seria algo restrito à operadora. Diversas outras prestadoras dos Estados Unidos também estariam repassando esses “metadados”, como AT&T e Sprint. O Wall Street Journal afirma que a agência vem coletando as informações de todas as ligações telefônicas feitas nos Estados Unidos nos últimos sete anos.

Além disso, o jornal chegou a destacar que, além das telefônicas, companhias de cartões de crédito também estariam tendo que ceder informações à NSA. E tudo isso foi revelado dias antes de o PRISM chocar pessoas do mundo todo.

PRISM: de olho em tudo o que você faz na internet

Trocando em miúdos, o PRISM seria um programa de vigilância constante e em tempo real realizado pela NSA, a Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos, e que estaria monitorando ligações telefônicas, atividades realizadas com cartões de crédito e tudo o que fazemos na internet, seja o envio de emails, conversas por meio do Facebook ou a simples navegação aleatória por sites de notícias, por exemplo.

Dados que seriam enviados pela empresa à NSA (Fonte da imagem: Reprodução/Washington Post)

A primeira denúncia foi feita pelo jornal Washington Post, na quinta-feira passada. Um repórter da publicação conversou e recebeu slides e informações de um ex-agente da NSA chamado Edward Snowden, que, como dito acima, não concorda com a atuação do governo e a forma como esse monitoramento é feito.

A denúncia de Snowden diz que a NSA teria acesso direto e irrestrito às informações de nove dos principais sites e portais dos Estados Unidos. Slides entregues pelo ex-agente mostrariam diversas empresas como Yahoo!, Google, Microsoft, Facebook, PalTalk, YouTube, Skype, AOL e Apple como “colaboradores”.

Além disso, as imagens também mostram o que estaria sendo entregue pelas companhias – e o volume de dados deve ser enorme. Praticamente todas as informações trocadas na internet, como emails, vídeos, fotos, históricos de navegação, enfim, tudo o que fazemos na rede estaria também nas mãos da NSA.

Linha do tempo mostra a adesão das empresas (Fonte da imagem: Reprodução/Washington Post)

A sequência de slides mostra, ainda, uma linha do tempo, ilustrando quando cada companhia passou a colaborar com o programa. Tudo teria começado com a Microsoft, em setembro de 2007, e evoluído até os dias de hoje. A última gigante a aderir ao PRISM teria sido a Apple, em outubro de 2012. Até mesmo os custos do programa, cerca de 20 milhões de dólares, são citados nas imagens.

Dentro da lei?

A “brecha” que talvez justificasse o uso de tal ferramenta estaria em um artigo do chamado “USA Patriot Act”, uma lei de 2001 que teria surgido para fortalecer as agências de segurança dos Estados Unidos na hora de enfrentar os riscos de potenciais ações terroristas. Entre as diretrizes do ato, há a seção 215, que garante ao governo emitir ordens de vigilância para atingir qualquer um que seja considerado “relevante” para uma investigação de segurança nacional.

Essa abertura, inclusive, já havia sido exposta por dois senadores norte-americanos no ano passado. Em março de 2012, Ron Wyden e Mark Udall, ambos membros do Comitê de Inteligência do Senado dos EUA, enviaram uma carta ao procurador-geral Eric Holder dizendo que “a maioria dos americanos ficaria surpresa ao saber os detalhes” de como tais leis são aplicadas.

EUA: vigilância salvou vidas

Ao atender um chamado do senado dos Estados Unidos para prestar esclarecimentos sobre o PRISM e as demais atividades de monitoramento da NSA, o general Keith Alexander, o diretor da agência, defendeu a atuação do governo. Segundo ele, graças a esses programas eles foram capazes de frustrar dezenas de atentados e ataques terroristas.

Presidente Obama defendeu o programa da NSA (Fonte da imagem: Reprodução/Terra)

Alexander afirmou que tudo acontece sob uma forte vigilância e que a NSA trabalha firme para se tornar mais transparente. Isso, contudo, não significa que os trabalhos possam ser revelados ao público.

De acordo com o general, “dada a natureza do trabalho, obviamente, poucas pessoas fora dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário estão a par dos detalhes do que fazemos ou sabem que operamos todos os dias sob diretrizes rígidas e com um dos regimes de supervisão mais rigorosos do governo americano”.

Já o presidente dos EUA, Barack Obama, disse que a invasão de privacidade feita pela NSA seria “modesta” e que “ninguém estaria ouvindo telefonemas”. Além disso, o governante também afirmou que tais ferramentas seriam utilizadas para monitorar estrangeiros – o que pode ser bem recebido pelos norte-americanos, mas que causou desconforto em pessoas de todo o planeta.

O mundo quer explicações

Com as declarações de que o programa serve para espionar somente os “não americanos”, não demorou para que diversos outros países começassem a se manifestar sobre as revelações feitas pelo ex-agente. Segundo a AFP, a secretária de Justiça da União Europeia, Viviane Reding, já teria entrado em contato com os Estados Unidos para exigir explicações sobre o programa.

Isso porque, além da declaração da NSA, os sites contam com usuários de mundo todo e, dessa forma, as informações trocadas por meio deles podem ser advindas de pessoas residentes em várias outras partes do mundo. Segundo ela, “programas como o PRISM e as leis que justificam esses programas podem ter consequências desfavoráveis para os direitos fundamentais dos cidadãos da UE”.

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, também se manifestou, dizendo que deve cobrar explicações do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, acerca do programa de vigilância da NSA já na próxima visita do norte-americano ao país, prevista para acontecer na semana que vem.

E as empresas, de que lado estão?

Acusadas de colaborar com a Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos, algumas das maiores companhias do país começaram a se manifestar sobre o caso. Se em um primeiro momento a maioria das empresas negou ter qualquer participação no monitoramento, como fizeram Mark Zuckerberg e Larry Page, novos pronunciamentos trouxeram uma postura um pouco diferente.

Após essa fase de negação, as companhias mudaram de discurso. Empresas como Google, Facebook e Microsoft passaram a pedir à NSA mais transparência no funcionamento do PRISM. Além disso, a Google, por exemplo, também solicitou à agência a autorização para divulgar ao público quais dados dos usuários foram entregues – e sob quais circunstâncias isso ocorreu.

Isso foi feito por meio de um comunicado no blog oficial da companhia, que se justifica dizendo que tal ação poderia ajudar a empresa a provar que as informações passadas pela Google à NSA são em proporções bem menores do que as divulgadas pelas denúncias.

Já o Facebook citou que gostaria de ter a oportunidade de revelar um relatório de transparência, para compartilhar com todos os que usam a rede social um quadro completo dos pedidos do governo norte-americano – e como é que a empresa respondeu a tais requisições de dados.

NSA teria ligação direta com os datacenters das empresas (Fonte da imagem: Reprodução/The New York Times)

Todas as empresas também negaram de forma veemente que a NSA teria algum tipo de conexão direta aos seus bancos de dados. Isso teria sido confirmado como verdade pelo jornal New York Times, contudo, haveria outra maneira bem “dinâmica”, vamos dizer assim, para que os dados fossem passados.

De acordo com a publicação, algumas caixas com servidores ou HDs especialmente colocados para tal ação é que receberiam as informações específicas sobre os usuários que deveriam ser monitorados. Esse material, em seguida, seria entregue à agência, sem que eles tivessem acesso ao banco de dados completo das companhias.

Edward Snowden: herói ou vilão?

Desde que fez a sua denúncia, Edward Snowden ganhou a primeira página de jornais por todo o planeta. E além de chamar a atenção, a sua atitude também despertou reações diversas em todos os cantos.

Enquanto governantes dos Estados Unidos, tanto da base política de Obama como também da oposição, consideram Snowden um traidor, pessoas “comuns”, jornalistas e analistas de todo o planeta vêm chamado o jovem de herói. Até mesmo Julian Assange, do Wikileaks, se manifestou, dando total apoio à atitude do ex-agente da NSA.

O fato é que as revelações feitas por Edward Snowden mudam radicalmente o rumo da sua vida. E o próprio jovem sabe disso, pois fugiu do Havaí (onde ficava a sua base) para Hong Kong, na China, um país teoricamente inimigo dos EUA – e que poderia se recusar a extraditá-lo de volta. Contudo, essa convicção de Snowden também pode ter mudado.

Após dar entrevistas em vídeo para o The Guardian, explicando alguns pontos da sua denúncia, e de ter conversado com algumas publicações chinesas, o rapaz desapareceu do mapa, tendo sido visto pela última vez na segunda-feira, perto de um hotel de luxo em Hong Kong. Teorias da conspiração citam que ele já teria sido capturado por forças norte-americanas, enquanto outros acreditam que ele possa estar escondido – inclusive podendo ter viajado para outros países, como a Rússia ou alguma nação da América Latina.

A reação popular

Em várias partes do mundo, diversas reações puderam ser vistas. A maioria das pessoas, como não poderia deixar de ser, mostra-se revoltada com tal invasão de privacidade. Outros, no entanto, citam não se importar, pois dizem que não fazem nada de errado e que, por isso, não têm o que temer.

Petição online quer o perdão para o ex-agente (Fonte da imagem: Reprodução/White House)

Além disso, manifestações de apoio a Edward Snowden também têm surgido – principalmente nos Estados Unidos. Uma petição online, por exemplo, pede que o jovem seja perdoado pelo governo norte-americano – mesmo que nenhuma acusação formal tenha sido feita até o dia de hoje.

Como não poderia deixar de ser, muitas piadas sobre o assunto também povoam os sites da internet. No site Deny PRISM, por exemplo, você pode utilizar um texto pronto e aproveitar para citar que a sua empresa não colaborou com o programa da agência norte-americana. Além dele, diversas tirinhas e imagens são vistas nas redes sociais como Twitter e Facebook.

E você, o que acha disso tudo? O governo dos Estados Unidos passou mesmo dos limites ao monitorar ligações telefônicas, navegação na internet, mensagens e emails? Você acha isso uma invasão de privacidade ou não se importa em ter a sua vida “monitorada” pelos agentes norte-americanos? Não deixe de comentar.