As 7 tecnologias mais insanas do século XXI

Relembre algumas das invenções mais memoráveis deste século, e outras que ainda vão mudar o nosso estilo de vida no futuro.
  • Visualizações62.678 visualizações
Por Jonathan D. Machado em 5 de Setembro de 2011

O emprego de novas tecnologias vem mudando o modo como nós vivemos desde os primórdios, na origem da humanidade. No momento em que o primeiro primata ancestral usou uma pedra para abater um animal, ele não só conseguiu comida de um jeito mais eficiente, mas também iniciou a uma revolução tecnológica que durou para sempre.

O ritmo com que novas técnicas e ferramentas aparecem nunca foi tão acelerado quanto hoje. Foram necessários mais de quatro mil anos entre a domesticação dos primeiros cavalos até a invenção da sela com estribo, que permitia aos cavaleiros ficar montados sem cair para os lados. Atualmente, estudos indicam que o conhecimento da humanidade dobra a cada 10 anos.

Mas o que será que nos aguarda no futuro? O Tecmundo preparou essa matéria que mostra algumas das tecnologias mais surpreendentes desenvolvidas nos últimos anos, e outras que podem mudar nossas vidas ao longo do século. Confira!

Som direcional

Essa é uma tecnologia que concentra a energia acústica em um feixe estreito e muito bem controlado que pode ser direcionado para uma área específica, algo semelhante ao que o laser faz com a luz.

Assim, seria possível fazer com que apenas uma pessoa ouvisse música mesmo estando no meio de uma multidão, deixando o fone de ouvido no passado. Outras aplicações incluem o uso do “laser sonoro” como arma não letal, já que seria possível enviar um sinal de alta-frequência para atordoar apenas uma pessoa, ou um grupo específico.

A “Holosonics”, umas das principais empresas que desenvolvem o laser sonoro, já usa a tecnologia em alto-falantes direcionais no supermercado, permitindo que apenas o consumidor que está em frente a uma prateleira específica ouça a propaganda destinada aos produtos dela.

Holograma

Há tempos que sonhamos com comunicadores iguais àqueles usados nos filmes Star Wars, em que a pessoa com quem você está conversando aparece em forma de holograma na palma da sua mão.

Pois bem, tal tecnologia já existe e, assim como muitas outras à frente do nosso tempo, foi criada no Japão. Os hologramas podem ser vistos em shows da cantora virtual Hatsune Miku, que aparece nos palcos em forma de feixe de luz e leva o público à loucura.

A artista tecnológica pertente à empresa Crypton, que não revela como os efeitos tridimensionais são possíveis. Ainda assim, é bastante provável que os primeiros smartphones holográficos apareçam nos próximos anos.

Alto-falantes finos e planos

As 7 tecnologias mais insanas do século XXIBreve, suas caixas de som poderão ser assim (Fonte da imagem: Divulgação Warwick Sound Technologies)

Em 2009, a Universidade de Warwick, no Reino Unido, revelou ao mundo uma nova tecnologia que poderia mudar o mundo da acústica para sempre: o Flat Flexilble Loudspeaker, ou FFL. Como o nome sugere, o que os engenheiros conseguiram foi viabilizar alto-falantes construídos em forma de uma superfície fina e flexível.

As aplicações para o FFL são infindáveis: carros, celulares, TVs, home theaters e tudo mais com algum tipo de reprodutor sonoro teriam seus alto-falantes cônicos, grandes e pesados substituídos por superfícies planas. Além disso, elas também são mais eficientes na produção sonora e gastam menos energia.

Produtos que usam a tecnologia FFL ainda têm uma presença tímida no mercado. Ainda assim, a Warwick Sound Technologies, empresa que detém a patente, espera que os primeiros carros com os seus alto-falantes superfinos apareçam em breve.

Foodtubes

Este projeto de uma empresa do Reino Unido veio com a proposta de agilizar o transporte de alimentos e diminuir as emissões de carbono ao mesmo tempo. Trata-se de um sistema de encanamentos onde grãos são transportados dos campos rurais até as unidades de processamento nas cidades por meio de tubos subterrâneos.

Assim, poderia haver uma extensa malha de tubos ligando os produtores as fábricas e aos mercados, evitando os congestionamentos dos meios urbanos ou o mal tempo que pode haver nas estradas. As capsulas são transportadas em trilhos, parecido com o metrô, sendo impulsionadas por um sistema elétrico de baixo consumo.

Robôs andarilhos

O simples ato de se equilibrar sobre duas (ou mais) pernas ainda é algo que só natureza faz com perfeição, mas, graças a empresas como a Boston Dynamics, isso pode mudar em breve. Robôs quadrúpedes como o Big Dog (vídeo abaixo) já conseguem andar razoavelmente bem sobre terrenos difíceis, além de terem um senso de equilíbrio inacreditável.

Outro bom exemplo é o MABEL, da Universidade de Michigan, que consegue andar sobre duas pernas e se adaptar a condições difíceis, como um degrau inesperado. Já existem até planos para a construção de um robô mais rápido que um guepardo, deixando o animal terrestre mais veloz do planeta para trás.

O trem que não precisa parar nas estações

Outra tecnologia que poderia revolucionar os meios de transportes. Trata-se de uma técnica que permitira que passageiros embarcassem e desembarcassem de um trem que está sempre em movimento, sem nunca parar nas estações. Parece impossível? Veja o vídeo demonstrativo abaixo e confira você mesmo

Sempre que o trem se aproxima da estação, uma cabine de transição que fica em um trilho acima dele é liberada e, seguindo os princípios naturais da inércia, perde velocidade gradativamente enquanto o trem continua em movimento. Algo semelhante acontece no embarque, com outra cabine que ganha velocidade à medida que o trem passa por baixo dela.

Grande Colisor de Hádrons

Esta lista estaria incompleta se nós não mencionássemos aquela que pode ser a maior, mais complexa e mais avançada máquina já construída pelo homem: o LHC (Large Hadron Collider).

As 7 tecnologias mais insanas do século XXILHC (Fonte da imagem: Divulgação WordPress)

Enterrado a 100 metros de profundidade na fronteira da França com a Suíça, esse anel de tubos magnéticos com 27 quilômetros de circunferência é um dos projetos mais caros e ousados da humanidade, com o propósito de acelerar partículas até a velocidades próximas da luz e recriar as condições mais instáveis que a matéria e a energia podem assumir.

O LHC levou 10 anos para ser construído e quase não saiu do papel, já que foi difícil convencer empresas e governos a gastarem mais de 20 bilhões de dólares “apenas” para realizar experimentos da física teórica.

Hoje, o maior acelerador de partículas do mundo representa o que a NASA foi no século passado: o ápice da tecnologia humana, “indo onde nenhum homem jamais esteve”, mas sem sair do planeta.



Viu algum erro ou gostaria de adicionar uma sugestão para atualizarmos esta matéria?
Colabore com o autor clicando aqui!