Parece que quando se trata de manter as regras do motor de busca da Google, nenhuma empresa está a salvo, nem ela mesma. Depois da enorme gafe causada pela Unruly Media que, na tentativa de promover o Chrome, causou um enorme flood nos resultados do site, a empresa de Mountain View decidiu punir a página do próprio navegador severamente.

De acordo com uma declaração feita ao site Search Engine Land, o Google Chrome terá sua página rebaixada no PageRank por um período mínimo de 60 dias, o que a deixou várias posições para trás.

E “várias”, nesse caso, são dezenas: atualmente, se você pesquisar por um termo mais genérico, como “browser” – que normalmente mostraria o navegador na primeira posição – verá que a página em português do Chrome está variando entre a 50.ª e a 70.ª colocação.

Mesmo assim, quem estiver atrás do navegador e não tiver interesse em sair buscando pelo link certo pode ficar tranquilo. A queda de ranking foi grande, mas não a ponto de tirá-lo do topo no caso de uma busca específica, como “Google Chrome”.

Sem exceções

Muitos podem achar a atitude tomada pela empresa como excessivamente drástica por culpa de um erro tão simples, mas a Google vê a situação de forma diferente.

Em sua declaração, ela também explicou que, embora a campanha não tenha sido autorizada e o problema já tenha sido corrigido, eles acreditam que “a Google deve se manter em um padrão mais alto”. E por esse motivo, foram necessárias medidas mais rigorosas do que teriam sido aplicadas contra um site comum.

Vendo dessa forma, a punição ganha muito mais sentido. Afinal de contas, como a Google poderia esperar que outras empresas tentassem seguir as regras se nem ela mesma o fizesse? Isso também serve para tranquilizar as companhias, que não precisam temer penalidades tão grandes para o caso de uma gafe semelhante.