Apesar de ter recentemente passado por alguns problemas com o público, incluindo acusações de não registrar valores corretos de batimentos ou de causar coceira em usuários, a pulseira de monitoramento cardíaco Fitbit continua popular, marcando as frequências do coração de milhares de usuários no mundo inteiro, além de controlar andanças por aí e o consumo de calorias.

Acontece que a pulseira do estudante de Direito e empreendedor israelense Koby Soto registrou um momento bastante peculiar de sua vida: o exato instante em que sentiu o coração ser “partido” por uma desagradável decepção amorosa.

Segundo Soto, ele e seu namorado de alguns meses tinham planos para um sábado à noite após uma série de provas desgastantes. Ao receber um telefonema de seu (agora) ex-parceiro, a conversa não foi nem um pouco agradável e culminou com o término do relacionamento entre os dois. Depois de levar a famosa “bota” por telefone mesmo, Soto buscou conforto entre amigos, mas não conseguiu mais dormir bem nem estudar.

Coração partido e monitorado

Ao acessar sua pulseira de monitoramento para verificar seus batimentos e pegar um “print” da tela para compartilhar seu estado de agitação, ele descobriu que seu Fitbit Charge HR havia registrado suas atividades durante o dia todo. Após boa parte do dia com uma média de 72 batimentos por minuto, o valor sobe para 88 no momento em que recebeu a ligação e se mantém alto o dia inteiro, culminando em 118 bpm.

A frequência de batimento sobe repentinamente em torno do meio-dia

O monitoramento foi inesperado, visto que Koby Soto apenas ativa seu Fitbit durante os períodos em que se exercita, o que não era o caso do dia em questão. Sem querer, sua pulseira havia sido ativada e foi capaz de monitorar sua reação fisiológica ao término do relacionamento.

Você acha que pulseiras como a Fitbit são confiáveis para o monitoramento cardíaco? Comente no Fórum do TecMundo