O cenário político brasileiro está em clima de guerra com o desenrolar das investigações da Operação Lava Jato, realizadas pela Polícia Federal. O que não se discute muito por trás desse processo todo são os métodos que os agentes utilizam para adquirir dados cruciais para o andar das apurações.

Para analisar os dados contidos em aparelhos celulares dos investigados e suspeitos da Operação Lava Jato, a Polícia Federal utiliza uma tecnologia criada por especialistas em ciência forense de Israel que realiza uma busca total de maneira inteligente em um dispositivo móvel, recuperando todo tipo de informação.

De última geração

Esse sistema é utilizado não penas pela Polícia Federal brasileira, mas também por órgãos como o FBI – a polícia federal norte-americana – e a CIA – a agência de inteligência dos Estados Unidos, além de outros setores de inteligência e agentes da lei no mundo todo.

O sistema israelense é capaz de extrair todo tipo de informação de um celular, independentemente de fabricante e sistema operacional. Cerca de 17 mil aparelhos são compatíveis com essa tecnologia de espionagem, incluindo aparelhos “alternativos”, aqueles sem marca definida produzidos geralmente na China e vendidos baratinhos no comércio paralelo.

Essa tecnologia consegue extrair completamente o conteúdo de um celular em pouco tempo, além de quebra a criptografia de praticamente qualquer senha que tenha sido configurada no aparelho. E não para por aí: até dados já deletados do aparelho são recuperados pelo sistema. Uma varredura completa em um smartphone leva cerca de cinco horas para ser realizada, gerando uma grande quantidade de informações.

Procedimento minucioso

Quando o processo de remoção de informações de um dispositivo móvel é concluído, os agentes têm como resultado um único arquivo que contém todos os dados extraídos. Esse arquivo pode ser armazenado normalmente, mas só consegue ser lido por um software específico, que faz uma varredura completa e minuciosa nas informações contidas nele.

Esse programa analisa completamente tudo que está armazenado nesse arquivo e utiliza diversos filtros para cruzar informações retiradas de todos as fontes de dentro do celular. Tudo é devidamente catalogado e sistematizado para que seja consultado de maneira mais fácil pelos investigadores. Além disso, o software também bate informações com os dados retirados de outros dispositivos, encontrando coisas que os mesmos têm em comum, o que pode ser muito útil em uma acareação.

Direto dos filmes

Tudo isso pode até parecer ficção científica, coisa tirada de filmes ou seriados policiais de investigação forense, mas não é. Na verdade, esse tipo de programa para obter e analisar informações é mais comum do que se imagina e ajuda bastante em investigações onde é necessário quebrar o sigilo de informações pessoais de um suspeito. Assim, é possível descobrir tudo sobre alguém mesmo que a pessoa tente apagar tudo.

Polícia Federal usa programa israelense de espionagem nas investigações da Operação Lava Jato. Comente no Fórum do TecMundo