O brasileiro Murilo Gun (31) foi um dos 80 candidatos selecionados pela Singularity University (SU), escola localizada no Vale do Silício (Califórnia, EUA) conhecida também como “Universidade da Google”. Fundada pelos visionários e empreendedores Ray Kurzweil e Peter Diamandis, o centro de educação adota uma didática bastante singular. Focada sobre tecnologias capazes de crescer em ritmo exponencial, a escola se dedica ao estudo pormenorizado de robótica, biotecnologia e nanotecnologia. Além disso, os “oito desafios globais” são também objetos de análise por parte da SU (pobreza, comida, segurança, meio ambiente, energia, água, educação e saúde).

O programa GSP (Graduate Series Program) é realizado todo o ano entre os meses de junho e agosto; Murilo participa, portanto, deste módulo de curso. Com a duração de 10 semanas, 80 pessoas são selecionadas mundo afora. Ao final da empreitada, um projeto individual ou cooperativo desenvolvido pelos alunos deve ser apresentado – exige-se que a ideia tenha o potencial de impactar positivamente ao menos 1 bilhão de pessoas em 10 anos. “O objetivo final da SU é resolver problemas. A tecnologia é apenas uma ferramenta. E a criatividade é outra. Por isso vim parar aqui”, escreve o brasileiro em seu blog.

Processo de seleção

Das 80 vagas disponibilizadas anualmente pela escola, 50 delas são preenchidas por meio de aplicação direta; o restante, portanto, é disputado por pensadores de todo o globo através de competições de inovação (Global Impact Competitions). A seleção, ainda conforme descreve o brasileiro, leva em conta a avaliação de currículo, repostas a perguntas abertas, análise por meio de vídeos (entrevistas via Skype) e cartas de recomendação. Quem tentar uma vaga por meio do método de aplicação direta de ingresso deve pagar US$ 29,5 mil para estudar junto à SU; candidatos selecionados por meio das competições de inovação ganham bolsas.

Como participar

Se você possui uma mente criativa e acredita que suas ideias podem afetar o desenvolvimento da sociedade de modo positivo e de forma exponencial, por que não se candidatar ao processo de seleção da Singularity University? Vale dizer que o Brasil já possui ao menos uma vaga garantida: acontece que a FIAP promove anualmente uma competição para um bolsista. Naturalmente, um tema basilar é proposto pelo órgão. “Como não tive nenhuma ideia inovadora para mobilidade urbana, fui pelo caminho da aplicação direta”, explica Murilo.

Murilo Gun teve a oportunidade de testar o Google Glass na SU.

Acompanhe estes links e fique por dentro de todas as novidades sobre a seleção para 2015:

Dicas

Murilo Gun mantém um blog atualizado em parceria com a Locaweb. E o jovem empreendedor já listou algumas dicas a quem deseja participar do programa da SU. “Se eu pudesse dar uma dica seria uma clichê de processos seletivos: conheça bem a empresa/escola, de modo que você possa reforçar os pontos mais valorizados”. Abaixo, outras sugestões de Gun:

  • O futuro: parece que a escola dá mais atenção aos seus projetos para o futuro do que para as atividades listadas em seu currículo. Respostas adequadas às perguntas e cartas de recomendação são decisivas.
  • Saiba se comunicar: nenhum tipo de certificado de fluência em inglês (como o TOEFL) é exigido pela SU. Mas comunicar-se bem (entender e fazer-se entender) é outro aspecto de valia à escola. “Se você conseguir conversar bem através do Skype, tá ótimo”, explica Murilo.
  • Inovação: uma proposta naturalmente original aliada a um formato de currículo, por exemplo, esteticamente atraente pode ser outro dos fatores decisivos durante o processo de seleção. Certifique-se, dessa forma, de ser ao menos original até mesmo na hora de redigir seu CV.

O blog de Murilo Gun pode ser conferido por meio deste link. Atualizações constantes têm sido feitas pelo jovem brasileiro. O que esta mente empreendedora irá apresentar ao mundo após a conclusão de seu curso?