(Fonte da imagem: JavierByte)

Se você anda acompanhando as principais notícias publicadas aqui no Tecmundo, certamente deve saber que o WhatsApp está com seu reinado ameaçado por um desafiante oriundo de terras distantes: o Telegram, serviço russo que ganhou mais de 5 milhões de usuários ao longo dos últimos dias.

O programa figurou no top dos mais baixados da App Store e ganhou notoriedade internacional por ter servido como “rota de fuga” para os internautas cansados das falhas do WhatsApp. Mas, no fim das contas, será que o Telegram realmente tem o potencial para se tornar o próximo “rei dos mensageiros instantâneos” e desbancar a criação de Jam Koum? Foi para responder essa pergunta que decidimos colocar os dois serviços lado a lado e observar seus principais pontos positivos e negativos.

(Fonte da imagem: Real State Nova)

As armas do desafiante

Surpreendentemente, ainda que o Telegram pareça ser exatamente igual ao WhatsApp, basta passar poucos minutos estudando o aplicativo para descobrir suas vantagens e seus recursos exclusivos.

Devolvendo a sua privacidade

O maior trunfo do Telegram é, de fato, sua grande preocupação e transparência quanto a segurança e privacidade de seus usuários. O serviço utiliza duas camadas de um protocolo criptográfico baseado no clássico AES-256, além de trabalhar com encriptação RSA 2048 e troca de chaves de Diffie-Hellman. Além disso, o aplicativo conta com um recurso inédito bastante interessante e batizado de “Secrets Chats” (ou “Chats Secretos”, em português).

Tratam-se de chats ainda mais seguros do que os convencionais, que utilizam criptografia end-to-end (as mensagens só são descriptografadas quando chegam ao telefone do destinatário) e não deixam qualquer rastro nos servidores do Telegram. Além disso, você pode atribuir um prazo de validade para seus chats secretos de forma que eles sejam deletados automaticamente após alguns minutos.

E não acaba por aí: o aplicativo não permite que você encaminhe qualquer conteúdo recebido através de um Secret Chat, dificultando assim o compartilhamento de imagens ou vídeos impróprios para pessoas não autorizadas.

Aplicativo é focado em segurança (Fonte da imagem: Reprodução/Tecmundo)

Gratuito de verdade

Ainda que a maioria das pessoas não preste atenção neste pequeno detalhe, vale lembrar que o WhatsApp não é um software 100% gratuito – ele só oferece um período realmente longo de testes, popularmente conhecido como trial. Depois de um ano de uso, é necessário desembolsar US$ 0,99 (cerca de R$ 2,31) por uma assinatura anual. De fato, trata-se de um valor irrisório, mas que pode chatear bastante algumas pessoas (especialmente aquelas que não possuem cartão de crédito internacional, necessário para pagamento de tal taxa).

O Telegram, por sua vez, é gratuito para sempre. Nada de compras ou subscrições periódicas escondidas – e ele também não conta com as tão odiadas propagandas. Isso se dá ao fato de que os criadores do serviço não planejam obter lucros financeiros: todos os custos com a infraestrutura do aplicativo são quitados com uma doação generosa feita pela investidora Digital Fortress (que, por sua vez, é chefiada por Pavel Durov, irmão do programador Nikolai Durov, que foi o responsável pela criação efetiva do mensageiro).

De acordo com o site oficial do Telegram, o dinheiro doado por Pavel ainda está bem longe de terminar e, quando isso eventualmente acontecer, o serviço dependerá de donativos de seus próprios usuários ou venderá recursos adicionais não essenciais.

(Fonte da imagem: Salon)

Eu sou de todo mundo!

Por ser um software open source, qualquer pessoa pode estudar e modificar o código-fonte do Telegram, criando apps derivados ou conferindo por si mesmo se não há nada de suspeito por trás do programa.

Os códigos dos aplicativos oficiais podem ser encontrados no Github; o protocolo de criptografia e a API também estão disponíveis para qualquer pessoa que estiver interessada neles. Em um futuro próximo, os próprios usuários do Telegram poderão traduzir o serviço para o seu idioma nativo de forma colaborativa.

Os criadores do software prezam tanto pela filosofia open source que estão pensando inclusive em permitir que qualquer pessoa crie seus próprios servidores para o serviço. Já imaginou como deve ser legal fazer parte da infraestrutura de um dos mensageiros instantâneos mais famosos do mundo?

M igram, um app de Windows Phone para acessar o Telegram (Fonte da imagem: Divulgação/Migram)

Multiplataforma e sincronização

Com versões oficiais para Android e iOS (e não oficiais para Windows Phone, Windows, Mac, Linux, Chrome App e interface web), o Telegram chama a atenção por manter os dados de seus usuários sempre sincronizados entre as múltiplas plataformas suportadas pelo serviço.

Isso quer dizer que, basicamente, você pode iniciar uma conversa no seu smartphone e continuá-la na versão para a web, tendo acesso a todo o seu histórico de mensagens e arquivos compartilhados entre todos os seus contatos.

A única exceção é, obviamente, para os chats seguros, nos quais as mensagens enviadas são apagadas instantaneamente assim que passam dos servidores do Telegram para o dispositivo do destinatário.

Cliente do Telegram para Mac OS (Fonte da imagem: Divulgação/Messenger for Telegram)

Uma verdadeira reunião

Outra vantagem do Telegram é sua enorme capacidade para chats em grupo: o app russo permite que você converse com até 200 pessoas simultaneamente, enquanto o WhatsApp não suporta mais de 50 contatos em um mesmo bate-papo.

Chats com até 200 pessoas são realidade no Telegram (Fonte da imagem: Telegram)

E quando o WhatsApp leva a melhor

Obviamente, nem tudo são flores: o Telegram também conta com alguns pontos negativos que merecem ser destacados e através dos quais o WhatsApp acaba saindo vitorioso. E algumas dessas fraquezas do app russo são:

Recados de voz e ligações VoIP

Uma das funções mais divertidas (e úteis em certas ocasiões) do WhatsApp é o envio de recados de voz para um contato ou chat em grupo. O Telegram, infelizmente, ainda não possui esse tipo de recurso e não há previsão para que algo do gênero seja desenvolvido.

Da mesma forma, faz parte dos planos do WhatsApp incluir o recurso de chamadas VoIP em seu aplicativo em um futuro breve, na tentativa de competir diretamente com o Viber. Quando isso acontecer, o Telegram ficará ainda mais atrasado no quesito de voz, o que nos obriga a tirar alguns pontos do serviço europeu.

Recados de voz fazem falta no Telegram (Fonte da imagem: Quick Online Tips)

Variedade de idiomas, cadê?

Pois é: por enquanto, o Telegram só possui suporte para inglês, espanhol e arábico. Não há uma interface em português, o que pode acabar espantando alguns usuários tupiniquins. O WhatsApp, por outro lado, além de ter versão adaptada para os brasileiros, também suporta 35 linguagens diferentes – incluindo chinês, alemão, neerlandês, francês, italiano e até catalão. Só faltou esperanto, élfico e LOLCat.

Brincadeiras à parte, o Telegram é um app bem simples e uma interface em inglês não é um obstáculo realmente grave para quem quiser usufruir do serviço. Contudo, precisamos sempre encarar os fatos como uma disputa do mercado a nível global: se os irmãos Durov realmente estiverem dispostos a ultrapassar o WhatsApp, eles precisam tomar providências o mais rápido possível para levar o aplicativo para outros países (aumentando, assim, sua base de usuários ao redor do globo).

WhatsApp ganha pontos por estar disponível em uma série de idiomas diferentes (Fonte da imagem: NuTech)

Em suma, quem é o vencedor?

É impossível negar que o Telegram é um software com um potencial gigantesco. O app traz tudo o que o WhatsApp tem de melhor e ainda adiciona recursos de privacidade interessantíssimos para quem preza pela segurança de seus dados pessoais.

Sua postura open source é outro ponto que nos agradou bastante: ainda que o serviço não tenha compatibilidade com algumas plataformas menos populares (como BB 10, Symbian e Firefox OS), seu código-fonte está disponível para qualquer programador que tenha boa vontade o suficiente para criar aplicativos para os SOs supracitados.

Os pontos negativos apontados ao longo desta matéria não são o suficiente para tirar o brilho do serviço. Certamente são problemas que merecem ser tratados com urgência pela equipe responsável pelo software; quando eles forem resolvidos, contudo, é fato que o Telegram certamente cairá no gosto popular e se tornará o próximo grande aplicativo para troca de mensagens instantâneas.

A principal preocupação é quanto ao aspecto financeiro do serviço. Será que os irmãos Durov conseguirão manter uma infraestrutura de qualidade sem recorrer a investimentos de terceiros ou inserção de publicidade no app? Ao que tudo indica, teremos a resposta para essa questão em um futuro próximo – afinal, com tantos usuários se registrando no serviço diariamente, não vai demorar muito até que o Telegram tenha que expandir sua estrutura e instalar um número absurdo de servidores.