Depois de testarmos o Sony VAIO Duo, ficamos curiosos para saber como outras fabricantes iriam proporcionar experiências similares com o Windows 8. A Lenovo entra no mercado com um produto híbrido um pouco diferente. O Yoga é um aparelho que traz tela flexível, a qual pode proporcionar diferentes experiências de uso.

Além desse diferencial, o ultrabook da fabricante chinesa tem dimensões reduzidas, configuração de hardware de alto desempenho e um design que chama muito a atenção. Na teoria, a proposta do Yoga é muito é boa, mas será que a Lenovo acertou na hora de mesclar as funções? Analisamos o aparelho tanto no modo de ultrabook quanto no modo tablet.

Agora, vamos falar sobre os diferenciais desta máquina e quais as vantagens que ela leva sobre as concorrentes. Se você está pensando em mudar para o Windows 8, a leitura desta análise pode mudar sua visão sobre o sistema. Antes de partirmos para os testes, vamos conferir as especificações:

(Fonte da imagem: Tecmundo/Baixaki)

Aprovado

Fino, leve e elegante!

O Lenovo Yoga foge do comum. Claro, parte das mudanças radicais no visual é notada por conta da proposta do aparelho. Os ultrabooks são mais leves e finos, mas, no caso deste produto, podemos notar que há capricho em outros detalhes.

O acabamento do aparelho é muito bom. Ele conta com materiais de alta resistência que passam a sensação de segurança. No interior, o aparelho conta com um revestimento que oferece conforto para quem vai usar o teclado por longos períodos.

(Fonte da imagem: Tecmundo/Baixaki)

O layout do teclado é perfeito. As teclas bem dispostas dão um toque de elegância e ajudam na usabilidade. O touchpad é gigante e responde perfeitamente aos comandos. Nas laterais, as conexões do aparelho e os botões são dispostos de forma discreta.

Vale destaque também para a tela, que não tem bordas e fica centralizada. Acima dela, uma pequena câmera fica posicionada discretamente para você fazer videoconferências. Enfim, todos os componentes externos deste aparelho ajudam de alguma forma a deixar o produto mais elegante.

Um híbrido fácil de usar

A grande surpresa do Yoga está na possibilidade de girar a tela 360 graus. O nome do produto se deve justamente a essa versatilidade. São quatro posições para você usar o aparelho: tablet, ultrabook, stand (com o teclado virado para baixo) e display.

(Fonte da imagem: Divulgação/Lenovo)

A possibilidade de regular a tela em diferentes posições é sensacional, pois não é preciso manter o aparelho em mãos para desfrutar dos comandos de toque. Basta posicionar o display em um ângulo de 90 e poucos graus para trabalhar com um tablet que fica perfeitamente instalado sobre sua mesa.

Ficamos impressionados com a alta qualidade das dobradiças do produto, as quais são versáteis e garantem segurança para manter a tela quase imóvel. Quando transformamos o Yoga em um tablet, temos uma experiência completamente diferente. Basicamente, esta máquina pode agradar a todos os tipos de pessoas.

Hardware pronto para o cotidiano

Os componentes de hardware são muito bons e garantem resultados satisfatórios para quem vai trabalhar com apps do Windows 8 e alguns softwares pesados. O Intel Core i5 de dois núcleos dá conta de gerenciar múltiplas tarefas e de cuidar de alguns truques extras.

(Fonte da imagem: Tecmundo/Baixaki)

Além das experiências de toque que exigem o processamento imediato, a CPU do Yoga dá conta da navegação por gestos. Aliás, este é um recurso que já é prometido há muito tempo, mas que poucas fabricantes oferecem. Posicionando a mão em frente à câmera, você pode realizar alguns movimentos para navegar na sua galeria de imagens.

Bateria na medida para recursos multimídia

O display reproduz cores com nível de brilho excelente e reconhece perfeitamente comandos de múltiplos toques. Pudemos aproveitar games e apps do Windows 8 com boa performance. A tela tem tamanho ideal para você reproduzir vídeos e desfrutar da alta definição na interface moderna do Windows 8.

O Yoga ainda oferece alto-falantes de boa qualidade. O som não surpreende pelos graves, mas, na maior parte do tempo, o sistema de áudio mantém a fidelidade na reprodução. A câmera  do aparelho é razoável e serve muito bem para você fazer videoconferências.

(Fonte da imagem: Tecmundo/Baixaki)

O mais impressionante é que a Lenovo conseguiu embutir uma bateria de alta capacidade no produto. Em nossos testes, executamos vídeos no YouTube com brilho em configuração máxima por quase 4 horas. Isso quer dizer que o produto sabe gerenciar muito bem a energia, mesmo quando WiFi e processador trabalham em peso.

Reprovado

Um tablet desconfortável

O Lenovo Yoga é um aparelho ousado no conceito, mas que deixa a desejar na eficiência. A ideia da tela rotativa não é muito funcional, visto que, ao usar o aparelho como tablet, o teclado fica posicionado na parte de baixo. Isso é ruim tanto para usar o computador na mão quanto para deixá-lo sobre a mesa.

Vale notar que, por se tratar de um ultrabook com tela grande, a utilização como tablet acaba não sendo muito confortável. Devido ao peso e às dimensões, é complicado usar o Yoga nas mãos. Basicamente, não há maneira de conciliar conforto e usabilidade em um tablet gigante.

(Fonte da imagem: Divulgação/Lenovo)

Ao tentar jogar um game que exija a utilização dos sensores, você vai sofrer um pouco para movimentar o aparelho de um lado para outro. O peso do produto impede que você obtenha boa experiência, portanto ele fica muito mais interessante na mesa.

Tela e hardware não impressionam

Outro ponto que nos desapontou foi a baixa resolução da tela. Não se trata de um display de baixa qualidade, mas esperávamos que ele trouxesse suporte para a exibição de vídeos em Full HD.

Por fim, devemos ressaltar que a configuração de hardware do aparelho não é das melhores. Ainda que seja um ultrabook que dê conta do recado, o Yoga não é tão potente quanto seu principal concorrente: o Sony Vaio Duo.

Tanto o processador quanto o chip gráfico são de médio desempenho. Para jogos básicos do Windows 8, os componentes demonstram bons resultados, mas não espere executar games de verdade. Em nossa análise, o Yoga passou vergonha ao tentar executar Resident Evil 6.

A falta de desempenho se deve à falta de uma GPU mais poderosa. O Yoga com Intel Core i7 até tem alguns ganhos em um jogo dessa qualidade, mas ainda não executa o título com taxa de frames aceitável. Talvez, o problema seria resolvido com um Core i5 ou i7 de quarta geração, os quais já contam com chips gráficos mais robustos.

(Fonte da imagem: Tecmundo/Baixaki)

Com apenas 4 GB de memória, esse aparelho é voltado a consumidores que não vão trabalhar com muitos apps simultaneamente. O SSD de 128 GB é muito rápido e garante leveza, mas o espaço limitado impede que você guarde uma enormidade de arquivos e instale jogos grandes.

Vale a pena

O Yoga é um ultrabook muito elegante, bonito e versátil. A Lenovo focou na praticidade e na bateria do produto, mas acabou se esquecendo de investir no hardware e na tela. O resultado é um híbrido focado em um público bem específico.

(Fonte da imagem: Tecmundo/Baixaki)

O Yoga chega ao Brasil com um preço médio de 5 mil reais. Ao pagar no boleto, você até consegue um desconto de 500 reais. É um valor bem salgado para um híbrido que não oferece tantos benefícios.

No fim das contas, acreditamos que o Yoga é muito mais um ultrabook para quem deseja impressionar pelo visual do que um aparelho realmente robusto. Infelizmente, não é um produto que vale a pena para quem pensa sempre na relação custo-benefício.