Imagem de Uncharted: The Nathan Drake Collection
Imagem de Uncharted: The Nathan Drake Collection

Uncharted: The Nathan Drake Collection

Nota do Voxel
86

Isso sim é um belo trabalho de remasterização

Uncharted é uma das franquias exclusivas de maior sucesso da Sony. Aproveitando a enxurrada de remasterizações que a empresa está trazendo — como God of War e, futuramente, Heavy Rain e Beyond: Two Souls —, é óbvio que as antigas aventuras de Nathan Drake pintariam no PS4.

Para quem está por fora, a série narra a emocionante vida do caçador de tesouros Nathan "Nate" Drake e dos seus fiéis companheiros Victor "Sully" Sullivan e Elena Fisher, que viajam ao redor do mundo procurando por riquezas. O interessante é que essas fortunas são baseadas na história real. O game traz ao seu enredo grandes personagens que existiram, como Francis Drake e Marco Polo.

Uncharted: The Nathan Drake Collection é a reformulação dos três primeiros episódios da franquia: Uncharted: Drake's Fortune, Uncharted 2: Among Thieves e Uncharted 3: Drake's Deception. Todos os títulos foram extremamente bem-recebidos pela critica e tiveram notas altíssimas tanto aqui no TecMundo Games quanto em vários outros sites especializados.

Sendo assim, vamos nos focar nas reformulações gráficas (e algumas poucas de mecânica) pelas quais a série passou, e não em seu enredo, já que nisso muitos sabem que a trilogia arrebenta.

Isso sim é uma remasterização

Os jogos passaram por um retrabalho incrível. Todas as texturas, efeitos de iluminação, elementos do cenário e modelos dos personagens foram refeitos para melhorar a experiência visual dos títulos, que rodam em 1080p e 60 fps. Vários fatores gráficos receberam um carinho muito grande e tornaram a coletânea uma boa pedida até mesmo para quem já platinou a franquia.

Um dos principais atrativos visuais são os efeitos de luz e sombra dentro de cavernas ou quando os raios de sol atravessam as folhagens das florestas.Essa remasterização, feita pela desenvolvedora Bluepoint, pode ser notada de uma maneira muito mais clara quando comparamos o título com o game original, que chegou ao PlayStation 3, em 2007, como a primeira grande obra da Naughty Dog no console.

Não que isso não tenha acontecido com Among Thieves ou Drake's Deception, mas, levando em consideração que o Uncharted original foi lançado há oito anos, é claro que é o título em que conferimos a maior parte das mudanças. O efeito das lanternas na escuridão e as sombras que se movem em perfeita sincronia demonstram que a responsável pelo trabalho estava preparada para dar seu toque às obras.

Um bom exemplo: em Drake's Fortune, há uma parte em que Nate e Elena são perseguidos por bandidos em jipes. Esse é um ponto no qual muitos perceberão a evolução. Não que tenha se transformado da água para o vinho, mas o efeito de motion blur, adicionado aos movimentos do protagonista ao mover a mira, deixa a cena com um aspecto menos truncado do que no título original. É claro que essa técnica serve mais como uma maquiagem, contudo, funcionou muito bem aqui.

Devemos lembrar que estamos falando de uma REMASTERIZAÇÃO, portanto, é obvio que o visual da coletânea não é nada quando comparado com os gráficos dos games atuais, mas ressaltamos que as diferenças para os títulos lançados para PS3 são gritantes.

São só gráficos?

Não, meus caros aventureiros, nem só de visual vive um remaster — apesar de ser o principal atrativo. Algumas mecânicas também foram modificadas, como a movimentação do personagem, o pulo — muitas vezes impreciso — e a fluidez da mira, que chegava a irritar bastante os jogadores e tornava os headshots algo muito tedioso de se fazer, principalmente no primeiro game.

Uma boa notícia: os infames controles de tiro com L1 e R1 foram mudados. Parece que alguém na Bluepoint teve o bom senso de perceber que usar os botões L2 e R2 faz muito mais sentido na hora de disparar uma arma. Obrigado!

"Aqui é Brasil!"

Esqueça o "ora pois" e o "pa"! Nate agora fala o nosso idioma. Diferente da original, a obra foi dublada em português brasileiro, e não podemos deixar de citar que Uncharted 2 também ganhou uma versão nacional. Além disso, o tão criticado trabalho de voz de Uncharted 3 foi parcialmente melhorado, mas ainda não atingiu o ponto ideal. Muitos queriam que o trabalho fosse feito pelo estúdio Zeger, que na época da produção do jogo enviou um material para teste que foi recusado pela Naughty Dog.

Algumas escorregadas

Como nem tudo são flores, durante a nossa experiência com a coletânea, encontramos alguns bugs. Em raras situações, os inimigos aparecem do nada, como em um passe de mágica, ou então mudam de lugar instantaneamente.

O mais bizarro foi quando Nathan resolveu deixar essa vida de explorador malandrão e travar no meio do tiroteio na posição de um manequim:

Apesar de a Bluepoint ter dado um tapa na movimentação do personagem, em algumas partes, nas quais o protagonista deve saltar ou rolar, os controles se confundem e o personagem acaba fazendo outra ação, atrapalhando bastante a conclusão da missão.

O sistema de cobertura continua o mesmo. Em certos momentos, pular para trás de um muro, caixa ou pedra para se proteger da chuva de tiros pode ser um tanto decepcionante, já que o controle de rolamento de Drake (usando o botão "bola") não é muito preciso. (espaço sobrando) Quem está acostumado com jogos que dominam esse recurso, como Gears of War, pode achar bem estranho.

Contudo, o maior de todos os problemas de The Nathan Drake Collection foi a retirada do divertido multiplayer tanto de Among Thieves quanto de Drake’s Deception. A jogatina online dos títulos era um chamativo a mais e dava uma vida extra aos games, permitindo que dois grupos de players se digladiassem em vários modos diferentes.

E você que nunca jogou...

Agora que falamos com quem conhecia as obras, vamos mudar o foco e explicar por que Uncharted é uma franquia que vale a pena ser jogada. Primeiramente, cada um dos títulos oferece cerca de 15 horas de um ótimo roteiro, porradas, tiroteios e reviravoltas. Não vamos listar gráficos como um chamariz, já que The Nathan Drake Collection é uma remasterização, mas o capricho do trabalho, quando comparado com o de outras obras que seguiram o mesmo caminho, é mesmo impressionante.

Em segundo lugar: apesar das mecânicas um tanto desatualizadas, os games não envelheceram tão mal. As melhorias implementadas pela Bluepoint deixaram os jogos o mais atuais possíveis e podem ajudar a cativar novos fãs para a saga.

Por último, se você estava chateado porque queria comprar Uncharted 4, mas nunca se aventurou na série, essa é uma ótima oportunidade para poder entrar de cabeça no universo da franquia e descobrir que Nathan Drake não é apenas uma Lara Croft de cueca.

Pontos Positivos
  • Um belíssimo trabalho de remasterização
  • Algumas mecânicas de controle e movimento do personagem foram atualizadas
  • Dublagem em português brasileiro
Pontos Negativos
  • Alguns bugs bem estranhos
  • Sistema de cobertura e de rolamento ainda precisam de um tapinha para ficarem perfeitos
  • Sem multiplayer online