Imagem de The Witcher 2: Assassins of Kings
Imagem de The Witcher 2: Assassins of Kings

The Witcher 2: Assassins of Kings

Nota do Voxel
93

Sem bruxaria, Geralt retorna em um dos melhores RPGs desta geração

Videoanálise

Há quem diga que os jogos para PC estão perdidos. E, infelizmente, o principal motivo para isso é a pirataria, que simplesmente acaba com todo o investimento de quem lança o jogo. É simples: uma desenvolvedora e uma publicadora gastam milhões para criar um game para que alguns baixem sem pagar nada. A solução? Deixar o PC de lado e lançar somente nos consoles, onde a incidência disso é muito menor — mas mesmo assim existe.

Uma pena, já que o PC é uma plataforma extremamente poderosa, capaz de comportar jogos que jamais poderiam aparecer nos consoles. Felizmente, algumas companhias ainda acreditam na boa vontade dos usuários e continuam apostando nessas máquinas.

A polonesa CD Projekt RED lançou The Witcher exclusivamente para PC em 2007. E, para a surpresa de todos, o título se tornou um dos grandes RPGs da época. Mesmo com vendas medianas e alguns defeitos, a obra acabou se saindo muito bem na crítica, o que garantiu uma sequência aos fãs.

Agora, The Witcher 2: Assassin’s of Kings finalmente chega às lojas, com a missão de consertar os poucos problemas que impediram o primeiro de ser um grande clássico. Mas a grande questão é a seguinte: será que a sequência acabará apenas classificada como um “bom RPG”? Ou The Witcher 2 conseguirá se elevar ao patamar de outros gigantes do gênero, como Mass Effect, Oblivion e Fable? É isso que você confere em nossa análise.

Considerar The Witcher 2 um dos melhores RPGs desta geração não é um exagero. A CD Projekt RED conseguiu criar um game maduro e extremamente profundo, graças a uma história de peso e uma vasta gama de possibilidades na personalização, no combate e na estratégia.

Em suma, quem gosta de Mass Effect, Oblivion e até mesmo de Fable não deve deixar de conferir esta sanguinária obra-prima que certamente elevou a franquia The Witcher ao topo,  status mais que merecido. E, por favor CD Projekt RED, faça a versão para consoles sair do papel, nem que seja com bruxaria!