Imagem de Sniper: Ghost Warrior 2
Imagem de Sniper: Ghost Warrior 2

Sniper: Ghost Warrior 2

Nota do Voxel
65

O novo tiro da Crystal Interactive passa longe do alvo

Quando se pensa em jogos que têm como palco conflitos bélicos, quase automaticamente vem à mente um sistema que permite utilizar diversos tipos de equipamentos e táticas de combate diferentes. Sniper: Ghost Warrior 2 quebra essa expectativa  ao colocar  o jogador no papel de um atirador de elite cuja missão principal é dar apoio a seus aliados a partir das sombras.

Fonte da imagem: Felipe Gugelmin/BJ
Na pele do Capitão Cole Anderson, cabe a você sobreviver a uma série de missões que têm como palcos locais como Sarajevo, as montanhas do Tibet e as florestas tropicais de Burma. Seu objetivo é deter um traficante internacional que tem em mãos uma arma química com enorme potencial destrutivo.

Apesar de não ser um game genial, Sniper: Ghost Warrior 2 possui atrativos o bastante para justificar ao menos a finalização de seu modo single player. Apresentando uma história interessante (embora longe de genial), o título é daqueles que vale a pena jogar uma vez, mas que inevitavelmente vai acabar esquecido em uma prateleira qualquer depois disso.

Fonte da imagem: Felipe Gugelmin/BJ
Caso você possa escolher, vale a pena investir na versão PC do título e deixar de lado aquelas feitas para consoles. Isso porque o título não é exatamente atraente, apresentando ambientes quadrados marcados pelas texturas em baixa resolução, povoados por personagens com animações pouco convincentes — algo que se torna ainda pior nas plataformas da Microsoft, Nintendo e Sony.

Em resumo, Sniper: Ghost Warrior 2 é um título que tem ideias boas, cuja execução infelizmente está longe de ser a ideal. Vale a pena para uma locação, mas é difícil justificar a compra do título da City Interactive, a não ser que ele seja encontrado em alguma promoção atrativa.