Imagem de Silent Hill: Downpour
Imagem de Silent Hill: Downpour

Silent Hill: Downpour

Nota do Voxel
70

Entre velhos erros e novos acertos [vídeo]

VideoanáliseÉ fácil perceber que, conforme ganham novas gerações nas costas, franquias clássicas tornam-se cada vez mais difíceis de gerenciar. De um lado, há todo o legado de anos ou décadas que deve ser respeitado — quer dizer, a série precisa manter as suas raízes, de forma que não vire apenas uma máquina caça-níqueis concebida para explorar à exaustão uma marca conhecida.

Por outro, uma fórmula simplesmente datada seria capaz de no máximo arrancar um sorriso saudosista de um fã de longa data... Dessa forma, inovar se mantém sempre como uma necessidade. De fato, Silent Hill parece mesmo um caso típico desse “fio de navalha”, cujo mais recente “equilibrista”, por assim dizer, é o controverso Downpour.

Dessa vez, Silent Hill se tornou o inferno particular do presidiário Murphy Pendleton, um personagem tão ambíguo quanto a trama e as novas paisagens da cidade. Murphy é um interno do presídio Ryall State Prison, embora o motivo para o encarceramento demore bastante tempo para aparecer — tal e qual a política do “levante a saia aos poucos”, algo absolutamente clássico em Silent Hill.

Img_normal
Entretanto, enquanto a temática se mantém razoavelmente idêntica, o mesmo não se pode dizer do andamento geral do jogo. Embora Silent Hill ainda mantenha em Downpour parte da sua atmosfera original, uma ação toda orientada para combates e resolução de puzzles acabou por abalar um pouco a impressão forte que a cidade fantasma causava em títulos anteriores.

No controle de Pendleton, você passará grande parte do tempo lutando não contra abominações, mas contra mecânicas de jogo falhas, e quase sempre no mais absoluto silêncio — impossível não reparar na falta que o compositor Akira Yamaoka faz para ambientação do jogo. Vamos aos detalhes.

Silent Hill é o tipo de franquia que, seja lá o que faça, sempre será levada a sério por uma devotada legião de fãs. Afinal, há muito tempo que a série tem sido questionada em relação aos rumos tomados, o que nunca a impediu de seguir caminhando, naturalmente.

Mas Silent Hill: Downpour representa um ponto de tensão considerável. Embora exista quem reconheça no projeto da Vatra Games um “retorno às origens”, fato é que muitas escolhas aqui acabam novamente por afastar propostas mais abrangentes — digamos, para além da clássica cidade fantasma.

São mecânicas de batalha defeituosas, falhas de ambientação e mesmo algumas escolhas para o andamento da trama que podem fazer mesmo o fã mais purista esboçar um sorriso amarelo. Por outro lado, justiça seja feita: são exatamente esses pontos que tentam trazer Silent Hill para novos ares — incluindo a boa escolha de acrescentar missões paralelas, por exemplo.

Enfim, Downpour repousa em algum lugar entre a inovação completa e o respeito às origens... Sem, contudo, conseguir se decidir. De qualquer forma, é Silent Hill, certo? Talvez a cidade não valha mais todo um período de férias... Mas um fim de semana no “Poço do Diabo” ainda pode ser interessante.

Silent Hill: Downpour foi gentilmente cedido pela Compare Games.