Imagem de Mega Man Zero Collection
Imagem de Mega Man Zero Collection

Mega Man Zero Collection

Nota do Voxel
75

Apesar de não aproveitar o potencial do DS, esta coletânea diverte

Quem nunca ouviu falar em Mega Man? Trata-se de uma franquia extremamente conhecida no mundo dos jogos eletrônicos, principalmente para aqueles que gostam de ação em perspectiva de visão lateral (“side-scrolling”). O assunto, aqui, é justamente isso: Mega Man Zero, uma divisão da série que foca — como o nome sugere — o personagem Zero.

Collection agrupa os quatro títulos dessa divisão no portátil de sétima geração da Nintendo. O protagonista principal da “quadrilogia” é um robô que foi desativado durante um século. A cientista Ciel, fugindo dos terríveis Pantheons em um laboratório subterrâneo, encontra uma maneira de reativar um Zero sem memórias concretas, mas que está determinado a ajudar a humana.

O contexto é um mundo no qual os “reploids” (robôs) estão constantemente perseguidos por uma entidade chamada Neo Arcadia, controlada pelo infame X. Os quatro guardiões da terrível ameaça devem ser derrotados: Harpuia, Leviathan, Fefnir e Phantom. Mas Zero é um legítimo herói cibernético e extermina todos os Pantheons e demais inimigos que encontra pelo caminho.

A jogabilidade é um dos pilares de Collection, pois imita perfeitamente o esquema de comandos dos games feitos para Game Boy. Por exemplo: mais uma vez, surgem as telas de pontuação após o término das fases, com “codenames” — denominações que representam o desempenho do jogador na etapa — e todo o resto.

Logo de início, a tela principal da coletânea apresenta uma opção curiosa: Easy Scenario. Aqui, o jogador tem a possibilidade de participar diretamente das aventuras de Zero nos quatro jogos através de um modo amigável, que facilita os embates. É um modo de jogo altamente recomendado para quem desconhece a fórmula básica de Mega Man.

No mais, os desenvolvedores colocaram novidades de menor porte como dispositivos (Chain Rod e Zero Knuckle) na tentativa de diferenciar a coleção dos títulos originais. Mas não houve escapatória: Collection é essencialmente um agrupamento de títulos que marcaram presença no mundo dos video games e não vai além disso.

É uma boa coleção. Por aproximadamente US$ 30 (cerca de R$ 54,48 na taxa de câmbio atual), os fãs de Mega Man têm a oportunidade de adquirir quatro jogos satisfatórios da série Mega Man Zero. O tão conhecido “reploid” continua intenso nas telinhas do DS e, como mencionado acima, desperta facilmente a nostalgia.

Só que a quantidade limitada de novidades estruturais e o fraco uso das características distintas do pequeno console da Nintendo (tela sensível a toques e, consequentemente, uso da stylus) entram em contraste com o sentimento descontraído dos combates. Mas é claro que o nome Collection faz referência justamente ao retorno de clássicos em forma de uma coletânea. Portanto, os quatro jogos não deixam os fãs da franquia na mão.