Marvel's Avengers surpreende com uma ótima campanha, mas peca nos detalhes

Marvel’s Avengers é um daqueles jogos que ficamos um bom tempo com o pé atrás, depois de críticas e adiamentos, ele finalmente chegou no último dia 4 de setembro. Você quer saber como está o game antes de se aventurar nessa aventura original dos Vingadores? Então, se arrume aí e confira aqui nossa análise de Marvel’s Avengers.

 

Senta que lá vem história

Como dito anteriormente, a Crystal Dynamics e da Square Enix queriam uma história original para o jogo,  algo que fosse diferente de tudo o que o público estava acostumado no cinema por conta do MCU, por isso, a principal protagonista da história desse jogo é a jovem Kamala Khan, que mais tarde se tornaria Miss Marvel, personagem que não foi incluída nas telonas (não confundir com a Capitã Marvel, ok?)

Kamala é uma jovem que, como muitos outros, adora os Avengers e é uma finalista de um concurso de Fanfics e está participando do Dia-A, um tipo de dia de comemoração aos feitos dos heróis.Tudo está muito bem, até que algo acontece, um ataque ocorre na cidade e Hulk, Iron Man, Black Widow e Thor são enviados para ver o que acontece, o problema é que além dessa treta aí o Capitão América é obrigado a ficar no Quimera, no novo porta-aviões dos Avengers, para resolver um problema com seu reator que está tendo reações estranhas por conta de seu novo combustível nomeado de Terrigen.

Em um momento, os Avengers descobrem que o ataque à cidade não foi nada mais que uma distração, mas quando tentam voltar ao Quimera é tarde demais, o porta-aviões cai  destruindo boa parte da cidade, supostamente matando o Capitão América e liberando um gás que modifica o DNA de algumas pessoas, dando a elas poderes especiais e transformando-as no que passa a ser chamado de inumanos.

Após a tragédia, os políticos passam a perseguir os Avengers e culpá-los por tudo o que aconteceu, fazendo com que a Iniciativa Avengers e a Shield fossem terminadas após uma audiência no tribunal em que o Doutor Bruce Banner, sob a influência de colega e interesse romântico, Mônica Rappaccini, admite que a culpa realmente foi dos heróis.  

É nessa situação que vemos a criação os vilões do game, a A.I.M. (Advanced Idea Mechanics) que liderada por George Tarleton, cientista que descobriu o Terrigen (que mais tarde se torna M.O.D.O.K), e por Mônica, tentam arrumar todos os problemas causados no Dia-A e encontrar uma cura para os Inumanos.

Depois desse “senta que lá vem história”, vamos falar sobre o sistema do jogo. Ele conta com uma campanha com uma trama que se desenvolve incrivelmente bem para um game com a pegada de funcionar como serviço. O enredo original dele tem momentos tensos, plot twists interessantes e surpreende os mais céticos que poderiam achar que um game montado dessa maneira não conseguiria ter uma narrativa focada. 

Conforme avançamos na campanha vemos que o pessoal da Crystal Dynamics e da Square tomaram muito cuidado com a narrativa e quiseram mostrar que essa história pode facilmente começar um verdadeiro universo dentro dos games. Não vou me estender nessa parte porque poderia dar um grande spoiler e não queremos isso aqui, certo? Mas, acreditem, a campanha é realmente a melhor parte de Marvel’s Avengers. 

A vida de um Avenger

Outro ponto legal do game é o controle dos personagens. Ao jogar com Hulk, Thor, Iron man, Kamala, enfim, qualquer um, você realmente percebe a diferença de um para o outro, eles não são simplesmente skins diferentes, cada um tem seu próprio peso e estilo de jogo, que é claro que pode ser personalizado como o jogador quiser, mas a essência de cada um deles está ali é bem diferenciada entre um herói e outro. 

O impacto de um socão do Hulk ou de uma martelada do Thor são completamente diferentes de uma sequência de ataques do capitão américa ou da Black Widow, o jogador sente isso muito bem esse fato o faz querer jogar e upar cada personagem sem causar aquela impressão que está jogando a mesma coisa sempre.

Além disso, a possibilidade de montar seu personagem que se adeque ao seu estilo de jogo, como em um RPG, é interessante. Por exemplo, você pode focar seu Iron Man para ser um personagem de dano à distância, usando mísseis, lasers e repulsores, ou para ser o cara da porrada, com foco em ataques físicos. 

Apesar disso, o leque de possibilidades não é assim tão extenso, você pode escolher sim seu estilo de jogo com cada personagem, mas não pense que vai mudar TANTO assim sua essência, isso porque os poderes que eles tem, são predefinidos, e isso não vai mudar. 

Por exemplo, os Avengers contam com três habilidades heroicas: uma de ataque, uma de suporte e um ultimate e é isso, o máximo que você pode fazer é mudar um pouquinho a efetividade delas, mas não há outras opções de habilidades, não espere uma grande diversidade.

Personagens como Iron Man e Black Widow ainda podem oferecer alguns diferenciais, já que eles conseguem “trocar de armas”. Enquanto Stark pode escolher entre atirar com seus repulsores, usar lasers ou foguetes, Nat pode usar Pistolas normais, pistolas automáticas e Desert Eagles para dar uma diversificada no arsenal.

A campanha é boa e o resto?

Já comentei aqui que a história principal de Marvel’s Avengers é muito boa! Mas, em um jogo que vai funcionar como serviço, além de uma boa campanha, ele tem que oferecer muito mais. Nessa parte o game começa a pecar um pouco, por mais que tenhamos várias missões, elas se resumem a objetivos bem repetitivos. 

Às vezes capturar pontos, outra hora salvar agentes da SHIELD, mas tudo se resume a entrar em uma fase, que também não conta com uma grande diversidade de ambientes, e bater nos inimigos até resolver os objetivos. Não há assim um diferencial, como nas missões de campanha que tentam quebrar essa repetição com momentos bons de história e troca de personagem.

Nas missões de endgame não existem essa dinâmica, o que deixa as missões meio enfadonhas. Para tentar amenizar isso, foram adicionadas missões de facções e de cartas de heróis. A primeira serve para ganhar respeito com o grupo dos inumanos ou dos agentes SHIELD e liberar novos equipamentos para melhorar o poder de seus personagens. Já as cartas de heróis que permite que o jogador ganhe itens cosméticos para cada Avenger, realizando missões diárias e semanais. 

Isso pode conquistar jogadores que curtem lootear, mas não é suficiente para manter o interesse daqueles que não estão acostumados com esse estilo de jogo e não estão a fim de fazer sempre a mesma coisa repetidas vezes para um item que não muda o poder de seu herói em absolutamente nada. 

Vingadores ou Destiny?

Falando em poder do seu herói, existe uma questão na parte de equipamentos que realmente lembra MUITO Destiny 2. Além do nível dos heróis, que permite que os jogadores upem os golpes especiais dos Vingadores, existe o poder dos personagens, que remete a seus equipamentos, assim como o nível de poder do shooter espacial da Bungie. 

Ou seja, além de ter que upar seu herói, você vai precisar prestar atenção no seu nível de poder, pois é isso que diz se seu personagem está preparado ou não para certos desafios. Lootear é importante, mas equipar seus personagens com os itens novos é ainda mais! Já que o nível de poder dos novos itens que você coletar vão se basear no atual nível de poder daquele personagem, por isso, a dica é: esteja sempre equipado com os itens de maior poder para que você possa pegar outros maiores ainda.

Fica aí a questão dos equipamentos, se você acha interessante esse sistema estilo Destiny, você tem ainda mais motivos para se aventurar por bastante tempo no mundo dos Vingadores. 

Aproveitando a comparação, o modo multiplayer de Marvel’s Avenger funciona de modo bem parecido também. Ao ativar a mesa de missões e escolher um destino você será transportado para o Quinjet, onde uma tela de busca de jogadores se inicia. 

Aqui você poderá jogar com seus amigos, bastando convidá-los para a sessão, ou deixar que outras pessoas que também estão procurando aquela missão se juntem a você. Você pode se juntar aos colegas a qualquer momento do game depois de ter liberado a mesa de missões, entretanto, cuidado, ao se juntar com um amigo que vai fazer uma missão que você ainda não fez, você estará sujeito a tomar um grande spoiler na sua campanha. 

De modo geral, jogar de galera é sempre mais divertido já que cada um pode impersonar um herói e aí sim as habilidades de suporte de cada um vai fazer mais sentido, pois podem ser usadas em sincronia com as ações dos jogadores. 

Tem um amigo seu morrendo? Basta usar a cura em área da Miss Marvel; precisa que alguém tanque a galera enquanto você cumpre uma missão específica? Pede para seu amigo que está controlando o Hulk usar o “taunt” e chame a atenção dos inimigos para ele. Jogando junto com a IA esse potencial do game se perde e ficamos a mercê de jogadas de sorte. 

Gráficos, bugs e performance

Agora, vamos falar de gráficos, bugs e a performance do game. Importante, fizemos essa análise com o jogo rodando no PS4 Pro. Graficamente, o game está BEM mais bonito do que aquela primeira versão que vimos na apresentação da E3, os rostos não estão mais tão estranhos, parece que a Square ouviu o feedback dos fãs e deu uma boa melhorada. Contudo, isso não quer dizer que o jogo é uma lindeza. 

Por mais que tenhamos um show de luzes e pirotecnias bem legais dos heróis, não há nada nos gráficos durante o gameplay que realmente desperte o interesse, nada ali é incrível ou de encher os olhos, a não ser detalhes como reflexos na armadura do Iron Man, ou animações dos poderes de Thor, como invocar a Bifrost.

Mas a verdadeira queda dos Avengers, é quando falamos em performance e bugs… Jogando em um PS4 Pro no modo desempenho, que joga resolução para 1080p e deixa o framerate desbloqueado, é bem complicado e o game sofre com constantes quedas de frames, seja ingame ou no meio de cutscenes, o que deixa o jogador chateado, já que estamos curtindo uma boa sequência da história e aí vemos uma performance beeem ruim. 

Mudando para o modo 4K no PS4 Pro, o jogo roda a constantes 30 fps, mas mesmo assim as quedas continuam ali, só são menos perceptíveis. Bugs é outro problema bem presente no jogo, a maioria é inofensivo e alguns até engraçados, porém em alguns momentos precisei reiniciar certas missões, pois ondas de inimigos que deveriam aparecer não apareciam ou meus companheiros IA ficavam travados.

Ou quando do nada, mesmo eu jogando em português,  os personagens começam a falar inglês durante uma cutscene; legendas e áudios dessincronizados também são frequentes. Fica bem com uma impressão ruim de que faltou um certo capricho do pessoal da Crystal Dynamics no acabamento do game.

Vale a pena?

De maneira geral, ainda quero jogar bem mais o endgame de Avengers para poder explorar mais os potenciais do game. A campanha é boa e segura o jogador por umas 10 horas, mais ou menos, mas o endgame é um tanto repetitivo, com umas missões especiais para cada personagem para tirar o jogador da mesmice e dar um propósito, que basicamente é pegar mais e mais itens de equipamento para deixar seu herói mais forte. 

Se você é o tipo de jogador que curte lootear, Avengers pode ser um prato cheio, cheio de itens BEM específicos que aumentam um certo status do seu herói, então, caso queira realmente se dedicar a construir um personagem, serão necessárias boas horas para alcançar esse objetivo.

Se você quer relaxar e curtir uma boa história, Marvel’s Avengers, ao contrário do que se esperava, até entrega isso, mas não é totalmente o foco aqui. Não pense que será um jogo de herói como foi Marvel’s Spider Man ou a franquia Arkham de Batman. Contudo, ele não faz feio a entregar uma narrativa bem honesta que, sem dar Spoilers aqui, pode ser o início de um arco bem interessante nos video games.  

Na parte da customização de heróis, confesso que eu esperava mais, algo tipo o que o game de luta Injustice 2 faz, com cada equipamento que você encontra modificando o herói tanto em status quanto em visual, infelizmente não é assim. A customização do visual fica a cargo de itens puramente cosméticos que mudam o personagem por inteiro, mas que até são bem bonitos.

No geral, Marvel’s Avengers não é um game que vai ser um marco na história dos Vingadores, nem pro bem e nem para o mal, ele cumpre o esperado e até surpreende com uma história com um viés interessante e um multiplayer divertido para jogar com a galera. Entretanto, o game falha em performance, repetição exagerada de cenários e vários bugs. Particularmente, gostei do jogo e vou explorar mais desse universo conforme novos conteúdos forem lançados.

Pontos Positivos
  • Ótima campanha
  • Multiplayer divertido de jogar com os amigos
  • Facilidade de aprendizado
Pontos Negativos
  • Bugs, MUITOS bugs
  • Performance abaixo do esperado para um jogo que nem é tão bonito