Imagem de Jurassic World Evolution 2
Imagem de Jurassic World Evolution 2

Jurassic World Evolution 2

Nota do Voxel
80

Jurassic World Evolution 2 dá significado e vida aos dinossauros

Quem já está na casa dos 40 anos viveu um período intenso de grandes filmes no cinema. Uma dessas películas foi Jurassic Park, que chegou ao mercado em 1993. Ao longo dos anos, foram feitas continuações não tão bem-sucedidas quanto o título original, mas que ajudaram a aumentar a legião de fãs.

Nos video games, ocorreram diversas tentativas de linkar o contexto criado nos cinemas. A maioria delas bebeu do gênero de ação, com ingredientes de drama e terror, mas nenhuma produção ganhou notoriedade.

Uma das últimas tentativas de deixar Jurassic Park agradável nos games foi feita pela Frontier Development em 2015. A empresa tentou diversificar com um simulador de parques chamado Jurassic World Evolution, que não ganhou muito destaque na mídia, mas agradou grande parte dos apaixonados pelo filme. Agora, em 2021, a companhia lançou a continuação dessa franquia.

Temos um jogo!

Rotular Jurassic World Evolution, de 2015, foi um problema. Em certos momentos, ele parecia um gerenciador de parques; em outros, um game de ação com ingredientes de construção. Até hoje questionamos, pois era notório que o jogo tinha um grande potencial a ser explorado. Em Jurassic World Evolution 2, percebemos com mais clareza a intenção dos produtores de tornar a aventura muito mais um jogo de ação com gerenciamentos pertinentes e divertidos. Porém, poderia ser melhor.

Na segunda edição, novos modos de jogo estão presentes, como a possibilidade de criar o parque livremente. Há também um modo de campanha simples, que ajuda a entender a jogabilidade. Além disso, é possível jogar o modo desafio, no qual é preciso cumprir alguns requisitos.

Também há o modo chamado Teoria do Caos, que faz que o jogador reviva as aventuras do cinema, como as que ocorreram nas ilhas Sorna e Nubar. São muitas possibilidades de diversão para os fãs da série, e temos certeza de que os players terão um fator replay altíssimo para aproveitar tudo o que o título oferece.

Um dos grandes objetivos em Jurassic World Evolution 2 é construir o maior parque de dinossauros do mundo. É necessário montar espaços para os animais, utilizando as artimanhas aprendidas no jogo anterior, otimizando o espaço, colocando cercas, além de monitorar os dinossauros para saber o que mais os agrada.

Caso contrário, o jogador deve se preparar para ver a raiva e a rebeldia desses seres espetaculares. Alguns deles são de biomas distintos e exigem muito dinheiro para deixar o clima e o local da forma mais harmoniosa possível.

Vale destacar que o parque precisa receber visitas, pois é por meio delas que se recebe dinheiro para sobreviver. Portanto, é importante tomar muito cuidado com a segurança e checar sempre se tudo está funcionando da melhor forma.

O jogador não pode pensar que depois de tudo estar indo bem estará tranquilo. Os dinossauros podem ficar doentes, então cientistas devem ser usados para desvendar os problemas dos animais. Remédios devem ser fabricados e os dinossauros podem até mesmo ser levados para um local de tratamento, caso seja necessário. Problemas como tuberculose e fraturas são comuns entre as espécies, por isso a importância de sempre serem monitorados.

Crescendo a população

Existem diversas formas de aumentar o número de espécies no parque. O jogador pode caçá-los na selva com seu carro ou seu helicóptero, no que talvez seja o meio mais rústico. Como no título anterior, pode-se usar dados tranquilizantes e suporte aéreo para capturá-los.

A mesma estratégia é utilizada quando um dinossauro foge. O bom disso tudo é que pode ser feito de forma automática. No início, é até divertido utilizar a câmera em terceira pessoa para se aventurar no meio dos problemas; com o tempo, é natural preferir o modo automático.

A outra possibilidade de aumentar o parque é realizando expedições para encontrar espécies nos mais distintos territórios do planeta Terra. Ou produzi-los artificialmente. Em ambos os casos, é necessário contratar cientistas com habilidades e características distintas.

Nem tudo são flores

Como dissemos, o jogo conseguiu ganhar personalidade, forma e contexto, mas existem alguns pontos que podem ser melhorados e englobam diretamente o microgerenciamento e a otimização. Durante a aventura, é necessário instalar pontos de energia elétrica para que tudo possa funcionar corretamente. Principalmente as cercas elétricas.

Esses pontos têm a necessidade de serem abastecidos, para que a luz não acabe. Imagine, então, a seguinte situação: no meio de tanta coisa a ser feita, como cuidar dos dinossauros, gerenciar cientistas, criar expedições e aumentar o parque, o jogador também precisa abastecer os pontos de energia.

Se isso não bastasse, é necessário restabelecer a alimentação dos dinossauros, algo que poderia ser feito de forma automática. Esses tipos de microgerenciamento são desnecessários para o jogo e só atrapalham o desenvolvimento da aventura.

Já a otimização é uma verdadeira catástrofe.  Mesmo jogando em 1080p foi possível notar a dificuldade que o game tem em rodar sem quedas de frame rate. Na primeira semana, o jogo fechou sozinho ao  jogar em 4K. Para se ter ideia, até hoje esse problema não foi resolvido.

O jogo é muito bonito, com gráficos mais atraentes do que na primeira versão, mas faltou caprichar na trilha sonora, como era o caso da edição anterior. Por mais que seja legal ter uma arte bem-feita, ela se torna secundária com tanta coisa a ser realizada.

Desbalanceado

Algo muito criticado pelos fãs tem relação com a morte dos animais. Em muitos momentos, é necessário fazer apenas duas coisas: criar novos dinossauros e limpar a carcaça dos animais que se foram.

Um balanceamento é necessário para dar vida mais longa aos animais e fazer que o jogo não se torne chato e enfadonho. Basta ver outros exemplos no mercado, que utilizam animais e parques de diversão. Além disso, a incubação de dinossauros é cara, o que faz que o jogador precise ter um controle importante sobre as finanças do jogo.

Vale a pena?

Jurassic World Evolution 2 é, literalmente, uma evolução do antecessor, com personalidade, beleza e muita diversão. Conseguiu dar vida a uma das franquias mais legais do cinema, marcando de vez seu nome nos video games.

Como dissemos, muitas características podem ser melhoradas, como o microgerenciamento desnecessário e a qualidade da otimização. Mas é uma boa pedida para quem gosta de dinossauros e construção de parques.

Jurassic World Evolution 2 foi cedido gentilmente pela Frontier Development para a realização desta análise.

Quem disse que dinossauros não podem ser animais de estimação?

Pontos Positivos
  • Modos de jogo
  • Possibilidades
  • Dinossauros
Pontos Negativos
  • Otimização
  • Microgerenciamento