Force One Yari é perfeito para os novos entusiastas de teclados mecânicos — Review

8 min de leitura
Imagem de: Force One Yari é perfeito para os novos entusiastas de teclados mecânicos — Review
Imagem: Adriano Camacho

Há tempos, os teclados mecânicos já se consagraram como um upgrade bastante desejável entre os usuários de PC, sejam gamers ou não. Modelos deste tipo se diferenciam das variantes de membrana, que são mais comuns no mercado, por possuírem uma construção mais trabalhada, garantindo maior confiabilidade nos toques e, especialmente, uma sensação tátil singular.

Naturalmente, essas melhorias dos teclados mecânicos têm um custo, que costuma levar a maioria dos consumidores a optar por um modelo tradicional em membrana — normalmente mais baratos. Além disso, para complicar a escolha, há múltiplas opções de formato, tamanho, estabilização e switches, responsáveis por garantir mudanças na resposta tátil e sonora nos acessórios.

No mercado nacional, há alternativas limitadas de escolha para formatos e switches, com preços relativamente acessíveis. Porém, a maioria deles não permite customização, isto é, não sendo possível trocar componentes mais específicos no chassi.

Para os que gostariam de se aventurar nesse nicho, mas ainda economizar, a alternativa mais comum está na importação, que se tornou mais difícil com as mudanças nas leis de taxação. Nesse contexto, bastante específico, ainda há opções nacionais — como o modelo Yari, da Force One. 

Force One YariTeclado Yari, da Force One.

Nesta análise, testamos o Force One Yari durante três meses, buscando avaliar sua usabilidade no cotidiano e nas seções de jogatina. Vale lembrar que esta matéria não foi patrocinada e apenas utilizou o modelo, cedido pela empresa, para o período de testes.

Conhecendo o Force One Yari: design e construção

Se você nunca ouviu falar da marca Force One, não se preocupe. A empresa brasileira estreou recentemente no mercado e está se consolidando no nicho gamer com cadeiras e periféricos. Falando nisso, assim como o mouse Force One Hoku, que também testamos aqui no Voxel, o diferencial do Yari está em sua versatilidade.

Para começar, o modelo é hot-swapable, ou seja, possui uma construção que permite a troca de switches individuais. Em outras palavras, isso significa que os usuários podem customizar a sensação tátil do teclado como preferirem, deixando teclas específicas mais responsivas (para jogos) ou silenciosas, para ambientes de trabalho. Tudo isso é possível sem muita dificuldade: basta remover a tecla e o switch com a ferramenta certa — já inclusa na caixa.

E por falar em teclas, o conjunto de keycaps do Force One Yari não decepciona, trazendo uma legenda clara e construção em PBT Double-Shot. Assim, os componentes não vão “descascar” ou “gastar” sua pintura com o uso, diferencial que garante mais longevidade ao modelo. Caso prefira um visual personalizado, a caixa também conta com um conjunto alternativo completo de teclas, que podem ser em branco ou preto.

Force One YariÉ possível trocar as teclas do Force One Yari.

O chassi é trabalhado em um plástico bastante resistente, o que confere mais leveza na construção, enquanto também dá mais flexibilidade à estrutura — algo que pode ser indesejável para alguns usuários. Visualmente, o conjunto pode lembrar um teclado mais retrô, mas é estilizável com a presença de luzes RGBs, que são configuráveis direto nas teclas ou em um aplicativo para PCs.

A conexão do Force One Yari é cabeada, com drivers plug-and-play, via uma entrada USB-C bem aninhada no chassi. O modelo acompanha um cabo trançado e removível, muito bem construído, na cor preta. O componente pode ser gerenciado por meio de pequenos encaixes, evitando um visual “bagunçado” na bancada.

Especificações técnicas do Force One Yari

Veja abaixo todas as especificações técnicas do Force One Yari:

Especificações técnicas

  • Estrutura: Gasket
  • Iluminação: RGB
  • Switch Mecânico: Gateron Yellow
  • Layout: 95 teclas
  • Conexão: Cabo USB-C, removível
  • Teclas: PBT Double-Shot, Roll-over

Dimensões

  • Largura: 387 mm
  • Comprimento: 140 mm
  • Altura: 45 mm
  • Peso: 825 g

Force One Yari no cotidiano e nos jogos

Durante o tempo de análise, utilizei o Force One Yari na rotina de trabalho, que envolve constante digitação, e nas sessões de jogos — com foco nos títulos competitivos. No começo, foi necessário ter um pouco de paciência para me situar no layout, tentando compreender os atalhos e interações das teclas modificadoras. A meu ver, esse problema é bem-intencionado, já que parece estar relacionado à promoção de maior compatibilidade com diferentes formatos de digitação.

Em outras palavras, as impressões nas teclas parecem tentar abranger diferentes regiões e configurações de linguagem dentro do layout QWERTY. Assim, nem todos os atalhos impressos são realmente utilizados, a depender da preferência do usuário, fator que pode gerar um visual “poluído” e até certa confusão. Neste contexto, o formato de idioma que melhor me adaptei foi o Inglês Internacional, que pode ser ajustado diretamente no Sistema Operacional utilizado. 

Essa questão pode até parecer simples, mas pode confundir os usuários mais casuais e até impedi-los de usar certas funções. Mesmo consultando o manual, que não foi de muita ajuda, me peguei descobrindo recursos de iluminação com semanas de uso. Isso poderia ser resolvido com legendas para cada atalho e um guia de uso um pouco mais detalhado.

Force One YariLegendas nas teclas do Force One Yari.

Longe da fase de adaptação, é seguro dizer que aprovei a experiência de uso do Force One Yari no cotidiano de trabalho. A sensação tátil do modelo é mais grave, com uma sonoridade puxada para o timbre do “toc”, apresentando uma distância de viagem relativamente longa e satisfatória antes de registrar o input. Muito disso se deve ao switch Gateron Yellow, sendo muito indicado para casos mistos de uso por não ser tão barulhento, nem tão linear. 

Aqui, sabemos que há múltiplas variantes deste switch e que Gateron Yellow, na verdade, trata-se de uma família de componentes. Mais uma vez, assim como no manual, não há muitas especificações sobre qual exato modelo de switch é utilizado — uma informação muito importante para o público entusiasta. De todo modo, o conjunto funciona bem, e ainda conta com montagem Gasket para melhorar sua estabilização e evitar ruídos indesejados.

Switches Gateron Yelllow.Switches Gateron Yelllow, do Force One Yari.

Na hora de jogar, o Force One Yari não decepciona, mas é seguro dizer que também não oferece grandes vantagens táticas. Além de não possuir suporte para macros, caso o jogador queira utilizá-los por qualquer motivo, o switch e a distância de viagens nos toques é quase longa demais para atrapalhar uma jogada de reação mais precisa. Porém, continua perfeitamente dentro do limite aceitável e não causará demasiada latência nos inputs.

Naturalmente, esse fator faz parte da escolha do switch, Gateron Yellow, que não é linear e nem se propõe a ter um “click” mais ligeiro. Essas características pertencem a famílias de switch como os Cherry MX Red, que também costumam ser mais barulhentos, não sendo versáteis para ambientes de trabalho, por exemplo. Dessa maneira, acredito que o Force One Yari consegue entregar o equilíbrio entre os dois casos de uso, sendo indicado tanto para jogos quanto para a rotina para trabalho.

Customização, o ponto forte do Force One Yari

Embora a versatilidade do Force One Yari seja um de seus pontos positivos, sua vasta possibilidade de customização é sua principal vantagem.  Visualmente falando, para começar, o usuário pode trocar cada uma das 95 teclas para uma cor alternativa já inclusa na caixa (sendo preta ou branca). A tarefa, descomplicada, se torna ainda mais fácil com as ferramentas também presentes na embalagem. Caso prefira, é claro, também é possível adquirir kits externos para personalizar ainda mais o modelo — e não para por aí!

Não curtiu a cor do cabo? Basta comprar outro modelo USB-C para USB-A e encaixar no teclado. Prefere um visual mais minimalista e sem logotipos? É possível, até mesmo, alterar a placa acrílica com símbolo da Force One para outro de sua preferência. Com o visual encaixado, basta alterar os diversos modos na iluminação RGB até encontrar um favorito. Caso ainda não esteja satisfeito, é possível alterar cada um dos switches no Yari, deixando certas teclas mais ou menos táteis, sonoras ou responsivas.

Neste momento, você pode estar se perguntando: “então, o maior ponto positivo do teclado é a possibilidade de transformá-lo em outro?”, e a resposta é mais complicada do que parece. Discussões paradoxais sobre o Navio de Teseu a parte, o Force One Yari é um excelente teclado por si só e, possivelmente, atenderá as necessidades da maioria dos usuários. O problema, neste caso, é sua relativa alta faixa de preço.

Force One Yari.Estética do Force One Yari é um de seus pontos fortes.

Quando há teclados mecânicos na faixa dos R$ 200, ou até menos, fica difícil recomendar o Yari como uma alternativa para o usuário que só quer um upgrade rápido. Pensando no custo-benefício, e supondo que o consumidor hipotético não se interesse por personalização, há opções de teclados mecânicos com acabamento em metal por menos de R$ 500, com amplo número de análises e recomendações. Em ambas as faixas de preço, os modelos terão recursos variados: uns possuirão layout Full Size, mas sem RGB, outros terão corpo em alumínio, mas serão 60% — e por aí vai, sempre com possibilidades mínimas de customização.

Enquanto isso, o Force One Yari chega com o preço elevado de R$ 699,90, em seu site oficial, mas traz consigo um layout de 95 teclas, iluminação RGB individual, switches de qualidade e com possibilidades de troca, cabo USB-C trançado e ferramentas na caixa. Com o conjunto, o usuário terá em mãos o necessário para se aventurar no mundo dos teclados personalizados ou, simplesmente, meios para realizar reparos em casa.

Considerando este caso de uso, o Force One Yari se torna um concorrente de maior força, já que a alternativa para um conjunto tão completo só é facilmente encontrada em mercados de importação — que, como dito anteriormente, sofrem com altas taxações. Em suma, o modelo pode ser entendido como o starter kit perfeito para novos entusiastas no campo da digitação, mas ainda oferecendo uma excelente experiência de fábrica.

Force One Yari vale a pena?

Se você apenas está buscando por um upgrade mais simples para seu PC e não é exigente, há alternativas mais baratas que o Force One Yari. No entanto, caso esteja procurando um teclado mecânico completo, com RGB e possibilidades de customização para o futuro, este modelo é uma das melhores opções no mercado nacional.

O Force One Yari pode ser adquirido diretamente no site da marca por R$ 699,90, clicando neste link. O Voxel não foi patrocinado pela marca e também não recebe comissão pelas suas vendas.

Categorias

Você sabia que o TecMundo está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.