Ragnarok Online ganha servidor privado integrado a criptomoedas e NFT

1 min de leitura
Imagem de: Ragnarok Online ganha servidor privado integrado a criptomoedas e NFT
Imagem: Gravity Corporation/Divulgação

Lembra de Ragnarok Online? Aquele MMORPG que fez um baita sucesso uns 10 a 15 anos atrás? Pois bem, graças a um servidor privado, o jogo da sul-coreana Gravity Corporation é o mais novo a entrar para o mundo das NFTs.

De acordo com o Cointimes, o servidor pirata Ragnarok Online Zero foi lançado na última sexta-feira, no dia 21 de janeiro. Lá, jogadores podem vincular suas carteiras de criptomoedas e basicamente jogar para ganhar dinheiro.

O site afirma que jogadores terão a possibilidade de trocar itens do jogo (como drops raros e cartas, por exemplo) por tokens não-fungíveis e Zeny, a moeda do mundo do jogo, por uma criptomoeda chamada Zero (cotada em aproximadamente US$ 25,40). Para conseguir 1 Zero, será necessário acumular um total de 100 mil Zeny.

Diagrama detalha ecossistema de NFTs e criptomoedas do servidor privado RO ZeroDiagrama detalha ecossistema de NFTs e criptomoedas do servidor privado RO ZeroFonte:  RO Zero/Reprodução 

Por se tratar de um projeto novo, os principais dados sobre o servidor estão sendo compiladas em uma wiki. Curiosamente, porém, uma das informações mais importantes ainda não foi adicionada: até o momento, não há explicação sobre a criação das NFTs no RO Zero.

O servidor tem rates 1/1/1, algo incomum para servers privados. Mas ainda menos comum é que, no Ragnarok Online Zero, quando um jogador morre acaba perdendo 5% de seus Zeny e de sua experiência. Além disso, o drop de cartas de MVP é reduzido, dificultando ainda mais a vida de quem gostaria de aproveitar as vantagens das cartinhas ou usá-las para resgatar alguns dólares.

Levando em conta que é bastante comum morrer em MMOs, e que não apenas é preciso acumular muitas moedas para resgatar um token Zero mas também é necessário estar no nível 70 para farmar os melhores itens... bem, boa sorte para quem resolver se aventurar por lá.

Categorias