Age of Empires 4 revive o passado com maestria

6 min de leitura
Imagem de: Age of Empires 4 revive o passado com maestria
Imagem: Age of Empires 4
Avatar do autor

O dia para os apaixonados por jogos de estratégia em tempo real está chegando. Uma contagem regressiva e uma espera que durou anos e anos, mas finalmente teremos o lançamento oficial de um dos games mais esperados dos últimos tempos.

Depois da chegada do primeiro jogo, em outubro de 1997, o gênero RTS nunca mais foi o mesmo. O grande título do Ensemble Studios marcou gerações, transformou gamers e, principalmente, criou uma legião de fãs pelo planeta.

Nos últimos anos vivemos a expectativa para o lançamento do quarto game da franquia. Depois de uma série de spin-offs e versões remasterizadas, Age of Empire 4 está entre nós! Vale sempre lembrar que o jogo foi desenvolvido pela Relic Entertainment, empresa por trás da excelente série Company of Heroes.

Age 4 estará disponível dia 28 de outubro para computadores, podendo ser adquirido na loja da Microsoft, ou então na Steam. O jogo também fará parte do recheado catálogo do Xbox Game Pass.

Mas será que o novo game da franquia agradou? Com mais de 25 milhões de fãs espalhados pelo mundo seria complicado fugir da fórmula de sucesso que o marcou ao longo das décadas.

A essência nunca se apagará

O quarto jogo da franquia leva o ditado “time que está ganhando não se mexe” à risca. Ao longo de todos estes anos, Age of Empires sempre trouxe novos ingredientes, mas nunca o suficiente para transformar a sua raiz.

Por mais que os jogos de estratégia em tempo real tenham se desenvolvido muito nos últimos anos, ganhando teor de complexidade em muitos casos, Age 4 segue tendo uma linha de raciocínio simples e direta. Vale destacar que Age 3 saiu há mais de 15 anos.

Para desenvolver sua cidade será necessário produzir alimento, captar madeira, pedra e ouro. Com isso podemos cravar que o game ainda leva muito a sério o fator velocidade de desenvolvimento.

Os alimentos podem ser adquiridos por meio de caça ou então construindo fazendas. Será por meio delas que o jogador conseguirá muita comida para a produção de aldeões e soldados.

Não esqueça do ouro! Por mais que ele não seja vital para a construção de certos itens, ele será fundamental para mudar de eras e desenvolver seus soldados, além de produzir guerreiros de altíssimo nível.

Por mais que você consiga crescer a sua cidade harmoniosamente, tendo um estilo de jogo conservador, prepare-se para o rush. Quanto mais rápido você atravessar as eras do jogo, melhor para ter sucesso nele.

Por isso será fundamental utilizar os batedores. Muita gente não valoriza esta unidade, mas ela é muito útil ao longo do jogo. Eles ajudam a visualizar melhor o mapa, a achar pontos estratégicos, além de encontrar animais e ouro. Inclusive, os batedores guiam ovelhas para a cidade como forma de facilitar o abate.

Além de todos esses ingredientes, não esqueça de desenvolver seu poderio defensivo, construindo cercas, torres e até portões para impedir a entrada inimiga. Caso isso aconteça prepare-se para o pior.

Uma grande novidade é a variação de proteção existente, com muitos muros, cercos de madeira e prédios de vigia. Pelo outro lado, o jogador terá diversos mecanismos para romper os cercos.

O game traz diversos modos que servem como tutorial, inclusive com objetivos para que você possa melhorar muitos aspectos do seu jogo. Mas é como eu disse. Tenha como foco o desenvolvimento veloz de sua cidade, pois ele será fundamental para a vitória.

Por mais que você seja um jogador experiente, vai perceber que mesmo nos modos mais fáceis, a inteligência artificial chega a certo nível de agilidade que te faz duvidar se é possível evoluir tão rapidamente no jogo.

Muitas horas de jogo

Age of Empires 4 possui diversas formas de diversão. O jogador poderá optar por modos single player ou online, até mesmo um 4 x 4 totalmente customizável. O jogo possui quatro campanhas com um total de 35 missões cada, seguindo muito os moldes do encontrado em Age 3.

Você passará pela Inglaterra de Guilherme I, pelo mundo de Joana d'Arc e Gengis Khan, com o poderio do exército Mongol e da Ascensão de Moscou. Como já é de costume, prepare a carteira, pois ao longo dos anos diversos DLCs deverão ser lançados.

Vale destacar que junto dos Mongóis, uma variação de jogo que pode dar uma grande mudança na estratégia.. Será possível mudar o lugar da sua base principal, dificultando assim a leitura do adversário.

Os cenários de jogo são gerados de forma procedural e a utilização correta de cada um dos ambientes pode proporcionar vantagem nas batalhas. Você pode se esconder no meio de uma floresta ou utilizar arqueiros em um morro.

Cada civilização poderá contar com até 200 unidades, tendo a possibilidade de evoluir por 4 Eras: Idade das Trevas, Idade Feudal, Idade do Castelo e Idade Imperial.

Para quem está acostumado com o mundo de Total War pode parecer pouca gente no campo de batalha, mas é o suficiente para permitir que o jogo rode tranquilo e com muita qualidade em 4k.

A otimização está impecável e chama a atenção como ela flui sem problemas, mesmo com o jogo recheado de adversários e inimigos. Agora, um ponto muito legal que deve ser destacado é a imersão.

Cada civilização possui características únicas, estereótipos que as deixaram conhecidas ao longo dos anos. Seja uma roupa ou um estilo único de batalha. Isto só foi possível devido ao trabalho artístico maravilhoso feito pela empresa.

Impressiona, que ao decorrer da aventura, a própria língua evolui. No início, você tem um inglês mais rústico e simples e, com o tempo, ele vai se aproximando do que nós encontramos atualmente.

Algo que me encantou foram as CGs que antecedem cada capítulo de uma campanha. O trabalho foi impecável, misturando computação gráfica, com imagens reais.

Sangue para todo lado

Por mais que existam conquistas focadas em um modo pacífico de jogo, Age of Empires 4 tem em sua essência a construção de impérios baseados na destruição total do inimigo. Tudo isso fica claro quando percebemos a importância do rush ao longo do jogo.

Como já foi dito anteriormente, desenvolver suas tropas será fundamental para ter sucesso na sua aventura. É importante saber a característica de cada um dos seus soldados para se dar bem na batalha.

Digo isso, pois aqui o jogo tem problemas, principalmente se levarmos em consideração a evolução dos games de RTS. Percebe-se claramente que aqui, Age of Empires 4 poderia ter se tornado superior aos seus concorrentes, mas não é o que acontece.

Os comandos, por mais simples que sejam, não te dão o melhor controle das tropas no campo de batalha. Grande parte de uma guerra acontece no meio de um formigueiro sem a possibilidade de colocar muita estratégia em jogo.

Por mais que em alguns tutoriais seja possível perceber a tal estratégia, ela fica longe de ser bem executada dentro dos campos de batalha. É por isso que eu levo muito em consideração o encontrado em Total War.

Tá, eu sei que o combate é muito importante para o desenrolar de tudo o que acontece dentro do game. Se ele não está bem polido, com uma inteligência artificial que dê suporte a uma verdadeira simulação, tudo cai por terra.

A jogabilidade está muito mais próxima do que encontramos em Age of Empires 2, que talvez possa ser considerado um dos mais populares da franquia. Isso se deve a troca de informações massiva que ocorreu com a comunidade.

Vale a pena?

Age of Empires 4 é um super jogo, principalmente se você curtiu o segundo título da franquia. As civilizações estão mais distintas e elas interferem diretamente na jogabilidade e na sua forma de se aventurar no cenário. Por mais que ainda seja importante ter um desenvolvimento básico.

O conteúdo está impecável e a otimização não possui problemas, com uma imersão única e trazendo a franquia de vez para a atualidade. A inteligência artificial pode e deve ser melhorada, mesmo com a adição de muitas novidades nesse quesito.

Age of Empires 4 foi cedido pela Microsoft para a realização deste review.