Jim Ryan, da Sony, é criticado por fala sobre Oriente Médio

2 min de leitura
Imagem de: Jim Ryan, da Sony, é criticado por fala sobre Oriente Médio
Imagem: Reprodução
Avatar do autor

Basta fazer uma pesquisa pelo nome dele aqui no Voxel, para observar que Jim Ryan costuma falar bastante coisa e, muitas vezes, dá bolas fora. Dessa vez, quem não gostou muito de algo que o CEO da Sony Interactive Entertainment disse foram as pessoas do Oriente Médio.

Segue a fala exata de Ryan, em entrevista para o portal Gaming Industry, com tradução nossa:

"Uma das coisas de que eu me orgulho é que nós ampliamos os horizontes. Nós abrimos mercados que nunca tiveram cultura gamer antes. Oriente Médio... As pessoas nunca tinham jogado videogames como o PlayStation no Oriente Médio. Rússia tinha uma indústria de games minúscula antes do PlayStation. A Espanha tinha uma indústria de games bem pequena antes do PlayStation. Então, nós realmente ampliamos os horizontes geograficamente". 

'Você não sabe do que tá falando, cara!'

Você talvez esteja se perguntando: "mas qual é o problema da fala de Jim Ryan, dessa vez?". O negócio é que o CEO não tem a mais pálida ideia de como funcionam os mercados dos países que ele comentou — e falou como se a Sony fosse a "grande salvadora" que chegou para tirar os "selvagens" de uma época de atraso.

Mais ou menos como alguns gringos pensando que a gente não tem internet aqui no Brasil, sabe? É meio que: Jim, você vende videogames aqui. Estude um pouco antes de falar abobrinhas.

Em vista disso, alguns usuários árabes do Twitter rebateram as frases de Jim Ryan, mostrando uma outra visão sobre a cultura gamer da região:

"Errado, Jim. Nós no Oriente Médio jogamos videogames desde os anos 80. Nós tínhamos Atari, NES, Sega Genesis e o resto dos consoles. Dizer que "pessoas no Oriente Médio nunca tinham jogado videogames antes do PlayStation" mostra como essas pessoas [como Ryan] estão fora da realidade".

"Oriente Médio... As pessoas nunca tinham jogado videogames como o PlayStation no Oriente Médio". Cara. A gente tinha cyber cafés, arcades e hacks de NES na mesma época que no Ocidente. A gente só comprava games crackeados e PolyStation porque vocês não vendiam pra gente". 

Além dos árabes no Twitter, outro usuário russo do ResetEra também criticou Jim Ryan: “Ele também está totalmente errado em relação à Rússia. Os jogos eram muito importantes lá muito antes do PlayStation, mas os russos jogavam principalmente em computadores, do C64 ao PC, em vez de consoles. E é claro que a pirataria sempre prevaleceu".

É provável que o chefão do PlayStation viu os números oficiais de vendas e achou que a Sony tinha inventado os consoles nos anos 2000 — como os portugueses trazendo espelhos para o Brasil em 1500. Ele só esqueceu de pesquisar o mercado extraoficial de games para falar que "não existia cultura gamer" no país. Aqui no Brasil também, né: quanta gente viveu a base de crackeados e PolyStation nos saudosos anos 90 e 2000... Isso também é cultura gamer!