Jogamos Far Cry 6, o próximo lançamento da Ubisoft

5 min de leitura
Imagem de: Jogamos Far Cry 6, o próximo lançamento da Ubisoft
Avatar do autor

Vaas Montenegro, Pagan Min e Joseph Seed, se você curte games, provavelmente já ouviu falar nesses nomes, mas, se não ouviu, deve pelo menos conhecê-los. Se existe algo que a franquia Far Cry soube construir, ao longo de seus 17 anos de existência, foram os antagonistas, criando vilões extremamente bem construídos que não são apenas o "mal pelo mal", pois contam com um background interessante e são bem mais profundos do que ser apenas um empecilho para o herói em sua jornada.

Far Cry 6 quer ir ainda mais além, não só com uma construção profunda, mas também um rosto muito conhecido para o antagonista da história: o Antón Castilho, que será vivido por Giancarlo Esposito. O ator tem no portfólio ótimos vilões, como Gus, de Breaking Bad, ou Moth Gideon, de The Mandalorian, mas será que Far Cry 6 vai ser um game que se sobressairá sozinho ou precisará que Castilho o carregue? A convite da Ubisoft Brasil, jogamos mais de 5 horas do mais novo capítulo dessa franquia e vamos contar um pouco do que sentimos com essa experiência.

Confiram também nossas primeiras impressões neste vídeo:

Ambientação

Far Cry 6 vai se passar em um país caribenho conhecido como Yara (nem preciso dizer que é fictício, né?). O local é inspirado em Cuba e é governado por “El Presidente” Antón Castilho, um ditador fascista com total controle de tudo que acontece nas ilhas e que está ensinando seu jovem filho Diego a seguir seus passos, mas devemos dizer que o garoto não parece estar muito animado com seu destino.

Na série, já passamos por ilhas no Oceano Pacífico, no Himalaya, no meio dos Estados Unidos e agora vemos uma abordagem caribenha. A ambientação de Yara se diferencia um pouco do que vimos na franquia, mas sem tirar aquela sensação de que estamos jogando Far Cry, entenda isso para o bem ou para o mal.

fc6

A questão é que em Far Cry 6 tudo faz ter a sensação de que o jogador realmente está em um país como Cuba, onde o passado e o presente estão lado a lado, com centros de pesquisas médicas de última geração em contraste com ruas sem asfalto e cavalos dividindo espaço com carros na cidade. Essa é uma boa sacada do jogo, deixar o gamer em uma situação onde ele terá que conseguir armamentos de ponta em um momento, mas em outros deverá saber usar uma arma totalmente precária.

Far Cry 6 é definitivamente um Far Cry 

Assim como em outros títulos da série, este tem aquela pegada de exploração em que temos que caçar, encontrar artifícios para montar armas e outras bugigangas, mantendo aquela sensação dos fãs de estarem "em casa". Por mais que, para quem não gosta da franquia isso seja ruim, aqueles que são fãs vão se deliciar com as idas e vindas das centenas de missões paralelas de caça de animais, localização de veículos, domínio de fortalezas inimigas e várias outras situações.

Mesmo para o fã mais fervoroso da série, é claro que nada disso faria sentido sem uma evolução, e vemos isso em Far Cry 6. É possível personalizar a arma não só cosmeticamente, mas também criando munições diferentes para elas, dependendo do que se está indo enfrentar.

Vamos dizer que o jogador está querendo invadir uma fortaleza com vários inimigos de Kevlar e capacete, podendo ser uma boa ideia fazer uma munição perfurante e não uma de concussão. Existem várias nuances que podem dar uma boa vantagem em um tiroteio.

fc6

Como falamos no início, Yara é um país que mistura muito o passado e o presente, o exército de Castilho conta com armas poderosas e de última geração, enquanto os rebeldes usam algumas armas de dar pena. Esse fator influencia muito no gameplay, uma arma velha vai ter uma mira mais desregulada e às vezes até travar em momentos cruciais, então o jogador deve se preparar para ter que caçar vários itens para modificar suas armas durante a jogatina.

Exploração

Se o gamer vai ter que ficar indo para lá e para cá em uma ilha, que seja com estilo. Assim, vai poder usar vários veículos para se locomover, desde carros, aviões e barcos até cavalos e tanques de guerra. Dá até para personalizar o carango e transformá-lo em uma máquina poderosa e estilosa. Porém, se o jogador faz mais o estilo de esportes radicais, um pouco mais para a frente no game é possível conseguir uma daquelas roupas de voo, cobrindo uma área bem grande rapidinho.

O mapa é dividido de forma parecida com Wildlands, com vilões subalternos de Castilho dominando cada área, aparentemente não existe uma ordem exata para derrotá-los, mas as áreas são divididas em níveis, por isso o player vai querer melhorar armas e equipamentos antes de se aventurar livremente por aí.

fc6

Personagens

Um dos pontos fortes da franquia sempre foi o grupo de personagens extremamente carismáticos com quem o protagonista deve interagir. Controlamos Dani Rojas, que pode ser homem ou mulher no título, mas ele ou ela ficam em segundo plano quando começamos a conhecer o resto do elenco — nem estamos falando só de Castilho, mas também de Clara, líder dos rebeldes; Juan Cortez, um ex-espião da CIA; El Tigre; Lucky Mama; dentre vários outros que dão muito mais vida à história.

Obviamente, não tivemos tempo para explorar as narrativas de cada um, mas quem gosta de um bom conto sobre revoluções tem um "prato cheio" aqui. Não dá para se esquecer das companions. Conseguimos jogar com dois durante os testes que fizemos, com o crocodilo Guapo, um companheiro de ataque que usa seus dentes para rasgar suas vítimas, e também a mascote do game: Chorizo, um cachorrinho gracioso sem as patinhas traseiras que é um parça mais stealth e usa sua fofura irresistível para distrair inimigos.

fc6

Conclusão

No geral, Far Cry 6 é mais um game da franquia, com tudo que tem direito, gostamos das evoluções que vimos, principalmente na personalização das armas e do seu “especial”, aqui conhecido como “Supremo”, que é um tipo de mochila gambiarra que pode ter diferentes utilidades dependendo do seu estilo de jogo, podendo: curar, explodir tudo usando mísseis, lançar o gamer para cima como se fosse um foguete, enfim, mil e uma utilidades, basta escolher uma.

Gostamos da franquia, por mais genérico que o estilo mundo aberto de Far Cry tenha-se tornado, achamos que aos poucos estão implementando aspectos interessantes ao game, mas ainda temos medo de que coloquem tantos detalhes que o jogo se torne um outro Assassin’s Creed com milhares de horas de duração sem que elas sejam realmente significativas.

Descobriremos mais sobre o jogo logo quando a análise completa estiver aqui no canal. Fiquem espertos, Far Cry 6 será lançado dia 7 de outubro para PC, PlayStation 4, PlayStation 5, Xbox One, Xbox Series X/S, Amazon Luna e Stadia.