Tencent planeja novas restrições após críticas da mídia estatal da China

2 min de leitura
Imagem de: Tencent planeja novas restrições após críticas da mídia estatal da China
Imagem: Imagem: Divulgação
Avatar do autor

As ações da gigante Tencent e de outras produtoras de games chinesas desvalorizaram na bolsa de Hong Kong depois que a mídia estatal chinesa veiculou um artigo falando que videogames são "ópio espiritual" e "drogas eletrônicas". Os investidores temem que o governo de Beijing resolva criar limitações ou banimentos para o mercado de games.

Só na Tencent a queda foi de 11% nessa terça-feira (03), um prejuízo e tanto para uma empresa bilionária. O artigo foi deletado da versão online do jornal chinês, porém ainda está no impresso — e o estrago já tá feito, né? Oficialmente, o debate fala sobre limitar jogadores menores de idade e evitar vícios, algo que a Tencent parece disposta a fazer.

Imagem: O Globo/ReproduçãoImagem: O Globo/ReproduçãoFonte:  O Globo/Reprodução 

Qual é a treta com o governo chinês?

A gente sabe que os burocratas de Beijing gostam de — como podemos dizer... — ter controle sobre o conteúdo que os chineses consomem. Às vezes, alguns jogos acabam sendo banidos na China por causa disso e os próprios consoles só foram permitidos há alguns anos. Mas com 1,5 bilhão de pessoas, o mercado de lá é o maior do mundo.

Juntando esses fatores, o temor de que o governo resolva criar leis contra os games faz qualquer investidor tremer na base. E o tom do artigo publicado no jornal The Economic Information Daily não foi muito amistoso: falou sobre estudantes "viciados" em Honor of Kings (que, veja só, é da Tencent!), que passam mais de oito horas por dia dedicados ao game. Aí usou os termos "ópio espiritual" e "droga eletrônica" para se referir aos jogos, clamando que o governo crie leis para limitar esse tempo.

Uma escolha de palavras "agressiva", de acordo com analistas ouvidos pelo portal de negócios Bloomberg. Mas talvez o problema não seja tão apocalíptico assim...

Imagem: DivulgaçãoImagem: DivulgaçãoFonte:  Divulgação 

Limitações, mas só para menores de idade

A queda nas ações é preocupante, claro, já que os investidores não sabem quais serão os próximos passos do governo de Beijing. Porém, ao que tudo indica até agora, o foco é evitar o exagero por menores de idade. Além disso, como a Tencent já está tomando algumas atitudes nesse sentido, é bem capaz que o governo dê um sossego para eles.

Nos últimos anos, a gigante chinesa prometeu limitar o tempo nos jogos para menores de idade: uma hora durante a semana e duas horas aos sábados, domingos e feriados. Menores de 12 anos não podem comprar itens nos jogos — e há reconhecimento facial pra evitar que algum espertinho tente usar a conta dos pais. Eles estão pensando até no banimento completo de menores de 12 anos das plataformas.

Claro que algumas pessoas podem argumentar que essa limitação de tempo deveria vir dos pais ou responsáveis — e não do governo. Só que aí a gente entra em outro debate: a questão é que a Tencent está tomando algumas ações para evitar mais prejuízos e fechou o dia com "só" 6% a menos nas ações.

Enquanto isso, a gente aqui no Brasil, que não tem lei para limitar nosso tempo em games, pode jogar o quanto quiser. Diz aí: quantas horas você passa jogando, por dia?