The Thing: reveladas artes conceituais do jogo cancelado

1 min de leitura
Imagem de: The Thing: reveladas artes conceituais do jogo cancelado
Imagem: Ron Ashtiani

Não é todo mundo que se lembra que The Thing - ou O Enigma de Outro Mundo - ganhou um game inspirado no filme em 2002 no PS2 e no Xbox. O jogo não fez um sucesso explosivo, mas garantiu a aprovação de uma sequência, que acabou sendo cancelada. Nessa semana, surgiram na internet algumas artes conceituais do que poderíamos ver nessa continuação.

Biobeast poderia atacar de longe e causar cegueira e vômitosBiobeast poderia atacar de longe e causar cegueira e vômitosFonte:  Ron Ashtiani no ArtStation 

Quem postou as imagens foi Ron Ashtiani, o próprio autor delas. Uma das partes mais interessantes das ilustrações é que eles não mostram apenas os visuais horrendos dos monstros que apareceriam no game, mas também trazem descrições de como funcionaria as ações dessas criaturas e como isso impactaria no gameplay.

SonicBeast usaria berros estridentes para paralisar o jogadorSonicBeast usaria berros estridentes para paralisar o jogadorFonte:  Ron Ashtiani no ArtStation 

Um dos conceitos mais legais e evocativos do filme original são as criaturas descritas como "burstouts".  Esses inimigos iriam aparecer como NPCs normais e de repente se transformarem nos monstros deformados e atacar o jogador, de maneira bem semelhante ao que acontecia com Kurt Russel no filme clássico.

ClingerBeast se moveria pendurada no teto para atacar por cimaClingerBeast se moveria pendurada no teto para atacar por cimaFonte:  Ron Ashtiani no ArtStation 

O jogo seria desenvolvido pela Computer Artworks, mas o estúdio acabou sendo fechado e o projeto não foi levado para outras mãos.

The Thing foi lançado por John Carpenter em 1982 e se tornou um definidor de gênero. Um de seus elementos mais aclamados é justamente o design de criaturas, que inspirou diversas obras nos filmes e nos jogos. Entre eles, podemos citar Dead Space, que teve seu remake anunciado justamente nessa semana, então não deve ser coincidência que Ashtiani resolveu divulgar esses trabalhos antigos agora.