Jogamos Elder Scrolls Online: Blackwood

3 min de leitura
Imagem de: Jogamos Elder Scrolls Online: Blackwood
Avatar do autor

Blackwood é a nova expansão de Elder Scrolls Online. O game vai dar aos jogadores veteranos da franquia um gostinho especial, pois ele funciona mais ou menos como uma prequel de Oblivion, passando-se 800 anos antes dos acontecimentos do game que foi o 4º capítulo da franquia single player.

Entretanto, não é só da nostalgia que essa enorme expansão vai viver. Tivemos a oportunidade de jogar a aventura durante uma semana e também conversamos com os produtores do game. Agora podemos falar para vocês como foi essa experiência que, apesar de termos conseguido jogar apenas por volta de 7 horas, é possível adicionar mais de 30 horas de conteúdo ao game.

O título se passa em regiões bem diferentes de Tamriel, como Blackwood, Leyawiin e Gideon, essa última não é vista desde o primeiro game da franquia: The Elder Scrolls Arena.

Importante ressaltar aqui: infelizmente, não pudemos capturar a nossa aventura em vídeo, pois jogamos em um servidor dedicado de testes a convite da Bethesda, e, segundo os desenvolvedores, a experiência visual dali poderia diferir da que iríamos ver na versão final.

O início

ESOFonte: Bethesda/Divulgação

Como em toda expansão de ESO, temos a liberdade de começar nossa aventura já seguindo as quests principais da história, assim já "damos de cara" com uma trama que envolve assassinatos ligados a Dark Brotherhood.

Quem conhece o game sabe que, se a Dark Brotherhood está envolvida, haverá também príncipes daédricos envolvidos. Nesse caso, Mehrunes Dagon, que já invadiu a capital de Morrowind, Mournhold, no final da Primeira Era, mas não vamos falar disso aqui para não darmos spoilers da história.

As diferente regiões

ESO

Provavelmente, essa é a expansão mais bonita de ESO, não estou falando por conta de melhorias gráficas (afinal ESO é ESO, né?! Não dá para mudar tanto assim), mas por causa dos diferentes ambientes que as regiões que podemos visitar nos apresentam. Existem desde pântanos sinistros e ruínas escuras até cidades exuberantes e majestosas, como também florestas iluminadas cheias de uma flora encantadora.

Sem contar que ver locais como Gideon, que não víamos desde 1994 (para quem é veterano), e Leyawiin, visitada pela última vez em Oblivion em 2004, modernizados é muita nostalgia.

Multiplayer sim, mas com um tiquinho de single player

ESOFonte: Bethesda/Divulgação

The Elder Scrolls Online é um jogo para ser aproveitado de galera, mas ter essa experiência de jogar "sozinho" em um servidor dedicado é bem mais interessante. Principalmente devido ao novo sistema de companheiros dessa expansão.

Esses amigos NPCs podem ser desbloqueados em missões específicas e são bastante úteis como ajuda àqueles que gostam de se aventurar sozinhos. Na nossa gameplay, houve bastante envolvimento com a dupla Mirri e Bastion.

Os companions tem um sistema chamado Rapport, que funciona como se fosse um termômetro do quanto o NPC gosta de você. Cada um desses personagens tem a própria personalidade, então dependendo de como o jogador interage com ele, novas mecânicas podem ser desvendadas.

Nessa versão fechada para imprensa, podíamos mexer a vontade no Rapport, aumentando ou diminuindo o quanto um companion gosta de você, pelo que pude perceber, pelo menos na preview, esse termômetro não é muito complexo. Existem três graus de afeição: ódio, neutro e admiração.

Esses níveis influenciam no jeito como esses NPCs reagem não só nos diálogos mas também na hora da porrada, sendo que, se eles tiverem uma afeição grande pelo jogador, podem até se atirar na frente de ataques que poderiam ser mortais! Que lindo, não?

Voltando ao Multiplayer...

ESOFonte: Bethesda/Divulgação

Voltando a falar de galera, a nova expansão vai receber uma nova raid, que em ESO é chamada de Trial: Rockgrove. Nesse modo, 12 jogadores devem se unir para conquistar um local que foi dominado pelos acólitos do príncipe daédrico Mehrunes Dagon. Como é comum nas Trials de ESO, o grupo terá que enfrentar várias dungeons que são compostas de chefões poderosos.

Vencendo os desafios das Trials, o valoroso e corajoso grupo é recompensado com equipamentos exclusivos, títulos e alguns outros itens cosméticos.

Também queremos testar a versão para consoles da nova geração que, segundo os produtores, trarão novidades interessantes em relação ao desempenho, assim que tivermos acesso a essas versões traremos aqui no Voxel para vocês.

Elder Scrolls Online: Blackwood será lançado em 1º de junho para PC e Stadia, e em 8 de junho para Xbox One, Xbox Series X, PS4 e PS5.

Jogamos Elder Scrolls Online: Blackwood